O que diz o primeiro balanço do GPA após pandemia

Gigante do varejo viu seu e-commerce mais que dobrar em 15 dias. Acelerada pela pandemia, estratégia digital já estava sendo conduzida pela empresa

O GPA divulgou nesta quarta-feira (22) um relatório que descreve em detalhes o funcionamento da companhia durante o período de distanciamento social por causa do COVID-19. E, para a companhia, as notícias são boas. As vendas em lojas físicas das redes Pão de Açúcar, Extra e Assaí, cresceram 16% no período pós pandemia. Já o e-commerce da companhia teve crescimento de 150% no número de pedidos de 14 a 31 de março. Além disso, a empresa também contratou contratou milhares de pessoas.

Um dos principais players do setor, o GPA é o primeiro grande supermercadista a divulgar os resultados do primeiro trimestre. O relatório mostra como a empresa já se preparava para uma expansão do comércio eletrônico, que foi acelerada pelo isolamento social imposto pela pandemia do novo coronavírus.

O e-commerce do grupo já vinha crescendo. No ano passado, o volume de vendas foi 40% superior na comparação com 2018. O crescimento foi impulsionado pela ampliação dos modelos de entrega rápida e clique e retire.

Mas foi no primeiro trimestre deste ano que o GPA precisou acelerar sua operação de e-commerce para atender toda a demanda de maneira adequada. Para isso, a empresa:

  • Contratou mais de mil colaboradores temporários;
  • Ampliou o número de lojas que operam a entrega rápida – de 125 unidades para 228 lojas;
  • Integrou a operação do James Delivery aos sites e apps do Pão e Açúcar e Extra;
  • Inaugurou um canal de televendas

O GPA não foi o único supermercadista que contratou entre março e abril para atender uma demanda maior nos canais digitais. Outras redes contrataram para garantir o melhor funcionamento do e-commerce alimentar.


LEIA TAMBÉM

Supermercados contratam para atender à demanda digital


No relatório divulgado pelo GPA há ainda menção à contratação de cerca de cinco mil colaboradores temporários alocados em posições ocupadas por funcionários que faziam parte do grupo de risco e que foram afastados. No documento, a empresa justifica as contratações com a necessidade de “atender adequadamente à demanda das lojas e do e-commerce durante o período”.

Resultados

Como fruto de uma estratégia digital bem consolidada, o e-commerce registrou avanço de 82% entre janeiro e março. Somente no período de 14 a 31 de março o aumento foi de 150% no número de pedidos.

A companhia destaca evolução em todas as modalidades de entrega, com destaque para crescimento de aproximadamente 120% dos modelos de considerando as operações nas lojas.

As vendas feitas através dos apps Pão de Açúcar Mais e Clube Extra já têm participação de cerca de 50% no e-commerce. Incentivar a compra via aplicativo é importante para um setor que precisa contar com a fidelidade do cliente. Estar presente em milhões de smartphones – são 12 milhões de downloads – dá ao GPA um grande poder de gerar relacionamento com os consumidores.

Outro destaque nos resultados da rede supermercadista são as vendas feitas através do James Delivery, app de entregas adquirido pela empresa no final de 2018.

Na comparação anual, com o primeiro trimestre de 2019, as vendas no app tiveram crescimento próximo a 4.200%. O ticket médio na vertical de varejo mais que dobrou, com aumento de 130%.

A companhia credita o avanço do aplicativo de entregas à maturação dos locais já atendidos pelo James Delivery, com três vezes mais lojas, à crescente integração com as marcas do GPA e parcerias com outras empresas, como a Raia Drogasil.

O que vem por aí

Como primeiro grande supermercadista a divulgar seus resultados parciais de 2020, o GPA nos mostra que o setor caminha a passos largos em direção à digitalização.

Porém, não é apenas o balanço do gigante varejista que mostra o movimento do setor. Um relatório da ABCOMM (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico) em parceria com a Konduto mostra os impactos do novo coronavírus em cada segmento do e-commerce.

Variação no número de pedidos do comércio eletrônico em geral

Entre 15 e 28 de março, quando o isolamento social já era realidade em todo o Brasil, o número de pedidos diários no e-commerce caiu 19,24%. Enquanto isso, os pedidos em supermercados cresceram 270,16%. Entre 29 e 8 de abril o setor não apenas manteve os números em patamares altíssimos como observou crescimento de 1,37%.

Em webinar realizado pelo portal Consumidor Moderno, Ricardo Lagreca, diretor sênior Jurídico e de Relações Governamentais do Mercado Livre, contou que os planos do marketplace são de expansão de sua estrutura logística. Recentemente, a empresa entrou no segmento de supermercados. O e-commerce está se estruturando para vencer a barreira logística, apontada por muitos como o principal entrave para o comércio online no Brasil.

Supermercados contratam para atender à demanda digital
Lojistas estendem prazos de devolução em meio à pandemia
Como será o varejo e a indústria de consumo depois do coronavírus?






ASSINE NOSSA NEWSLETTER

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

CM 256: Os vencedores do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS