World Retail Congress lança conteúdo sobre o varejo mundial na pandemia

O impacto do novo coronavírus ultrapassa fronteiras geográficas e econômicas, transformando o cenário mundial

Por mais que todos os setores da economia estejam sofrendo por causa da pandemia do novo coronavírus, é indiscutível que os segmentos que costumavam depender de contato físico são os mais prejudicados neste momento histórico. É por isso que o World Retail Congress (WRC), um dos maiores eventos de varejo do mundo, está adiantando alguns temas relacionados à adaptação à crise, disponibilizando conteúdos essenciais para quem pretende passar por esta experiência com o mínimo possível de prejuízos – sejam eles estratégicos ou não.

Na terceira edição do conteúdo, o leitor tem acesso a diferentes visões sobre o coronavírus. Especialistas de diferentes nações expõem a realidade do comércio. O Brasil está representado por um rico artigo da editora-chefe da Consumidor Moderno, Estela Cangerana.

Cenário complexo

A terceira edição da série de conteúdos publicados pelo WRC é publicada em um momento em pandemia e, por isso, começam a flexibilizar o isolamento social. É o caso de Espanha, Itália, Alemanha e Dinamarca. Ao mesmo tempo, surge o medo de novas ondas do surto pandêmico – o que assusta a todos, afinal, de acordo com a Universidade Johns Hopkins, o número de notificações de infecção pelo novo coronavírus chegou a mais de 4 milhões no sábado, dia 9 de maio.

É evidente que todos estamos ansiosos pelo retorno a um contexto de normalidade. Governos, cidadãos e empresas estão ansiosos pela retomada da economia e, ao mesmo tempo, aqueles de bom-senso estão focados no cuidado essencial com a manutenção do máximo possível de vidas – afinal, este é um bem inestimável, como garante a Declaração Universal dos Direitos Humanos.

O regime de home office foi a saída encontrada por muitas empresas e, na visão de especialistas, pode se tornar mais recorrente depois da pandemia/Crédito: Shutterstock

Visão de futuro

Um dos poucos consensos que existem atualmente – inclusive neste material desenvolvido pelo WRC – é a perspectiva de que é quase impossível que retomemos a vida como era antes. Mais cautelosos, desconfiados e até mesmo amedrontados, os consumidores e cidadãos tendem a enxergar a realidade com outros olhos, uma vez que viram, em muitos casos, a vida se deteriorar dentro de casas, nos hospitais ou até mesmo pela televisão. De repente, estamos cientes de nossa fragilidade.

É fato que as organizações não devem deixar de estudar e de preparar a retomada – mesmo que ela pareça muito distante. Assim, é preciso que avaliem quais são as medidas necessárias desde já: como gerar experiências positivas ao consumidor durante (e não apenas após) a pandemia? De que forma é possível apoiá-lo em um momento de tamanho ineditismo? As questões certas e as respostas certas guiarão as empresas a um futuro viável e, quem sabe, melhor.

Já há onde (e com quem) aprender

Por isso, assim como o WRC, a Consumidor Moderno está produzindo conteúdos sobre o tema com frequência, mostrando quais têm sido os passos escolhidos por grandes empresas que estão de adaptando ao chamado “novo normal”.

O exemplo mais simples – e até mesmo óbvio – é o aumento da procura pelo serviço de delivery e pelos canais digitais, principalmente o e-commerce. Porém, não é só: outros hábitos e novos comportamentos vão se consolidado ao longo dos dias e semanas, conforme revisamos estilos de vida, valores e prioridades em prol da sobrevivência.


Faça o download do conteúdo do WRC

Apps de mensagens são os principais intermediadores de vendas online no Brasil
Amazon atinge maior valor de mercado da história
Pandemia faz surgir e-commerce de carros inclusive no Brasil

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS