C&A recruta sellers e expande portfólio de seu marketplace

Ampliação da plataforma da varejista de moda já estava prevista, mas foi adiantada por causa da crise causada pelo novo coronavírus

O comércio eletrônico brasileiro vive um boom diretamente influenciado pelo fechamento das lojas físicas, em função da pandemia de COVID-19. Markeplaces estão aproveitando o momento de maior experimentação por parte dos consumidores e expandindo seus portfólios. É o caso da C&A, que recrutou mais sellers para sua plataforma.

A varejista de moda contava com três empresas vendendo em seu marketplace. Agora, a plataforma ganhou um novo nome – Galeria C&A – e conta com 19 sellers. Entre os novos vendedores estão Multilaser, Vivara, Unique Shop e Kings. Outras marcas, como The Beauty Box e Flaminga, já estavam na loja online.

Alinhada à estratégia digital e omnicanal da C&A, a ampliação do marketplace, que já estava nos planos da companhia, foi acelerada em virtude da crise ocasionada pela COVID-19 e deve seguir em expansão gradual nos próximos meses.

Com o marketplace, a empresa vai além do seu core business e oferece ao seu cliente um mix de produtos diferenciado.

Com a expansão, a Galeria C&A passa a contar com as categorias decoração, pet, eletroeletrônicos, lingerie, beachwear, moda plus size e calçados. Segundo a empresa, a escolha dos novos sellers considerou a qualidade dos produtos, política de entrega e atendimento ao consumidor.

“Conhecemos muito bem a mulher brasileira e sabemos como surpreendê-la em seus diferentes momentos de compra. A nossa cliente valoriza lojas completas, isto é, com uma ampla oferta de produtos em um único lugar, e na Galeria C&A ela pode encontrar tudo aquilo que a ajude a expressas sua identidade”, afirma Fernando Guglielmetti, head de E-commerce da C&A Brasil.

Crescimento da moda online

Segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), desde o início da pandemia, 107 mil lojas aderiram à venda online de seus produtos, o que fez o número desse tipo de negócio quase dobrar no período, passando de 135 mil lojas ativas para 242 mil. Antes da pandemia, a média de crescimento era de 10 mil novas lojas por mês.

O setor que mais cresceu em presença digital, segundo a ABComm, foi justamente o varejo de moda, seguido de Alimentos e Serviços. O e-commerce como um todo registrou mais de 50% de crescimento entre março e maio, após o início da pandemia.


Números sobre o e-commerce

  • 54% dos domicílios brasileiros com crianças acreditam que comprarão mais online no futuro
  • 45% dos brasileiros pretendem ampliar as compras no e-commerce
  • A média global de pessoas que pretendem fazer mais compras no ambiente digital é de 32%

Por que comprar online no Brasil?

  • 60% Por estar preocupado com a epidemia
  • 67% Economia de tempo
  • 47% Preferência pela experiência online

Fonte: Kantar

Como os aplicativos estão impulsionando as vendas no varejo?
Conheça as 10 melhores startups de marketplaces do Brasil
Os efeitos do isolamento social nos números do Carrefour






MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS Prêmio Consumidor Moderno

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS