Em busca de um novo emprego? Veja dicas de expert para usar o Linkedin a seu favor

O que escrever, como interagir, de que forma apresentar a possibilidade de fazer novos contatos? Saiba mais na entrevista abaixo e neste passo a passo

As mudanças no mercado de trabalho causadas pela pandemia de Covid-19 no mundo todo andam exigindo jogo de cintura tanto de quem está trabalhando como de quem acabou sendo dispensado. Se você está nesse segundo grupo de pessoas, talvez seja hora de olhar com mais atenção para o LinkedIn, a rede social voltada para contatos de trabalho e para a exibição da sua versão profissional.

Bem diferente de Facebook, Instagram ou Twitter, o LinkedIn tem todo um ambiente próprio que pode ajudar a turbinar a sua carreira pela facilidade em entrar em contato com pessoas de diversas empresas, freelancers e até mesmo conteúdos mais voltados para o mundo corporativo.

Pensando nesta plataforma – que só no Brasil tem mais de 43 milhões de usuários cadastrados – como uma aliada na hora de buscar um novo emprego ou até mesmo mudar de vaga, ainda que em plena pandemia, fomos conversar com Cristiano Santos, um expert no assunto LinkedIn. O jornalista também é professor e consultor de marketing digital e mídias sociais, palestrante do TEDx e LinkedIn Top Voices. Ou seja, o especialista certo para quem quer dar mais visibilidade ao currículo. Acompanhe o bate-papo abaixo e as dicas preciosas para não errar mais na hora de usar o LinkedIn.

Em busca de um novo emprego?

CONSUMIDOR MODERNO: Como, em geral, o LinkedIn pode ajudar alguém que perdeu o emprego a voltar para o mercado de trabalho?

CRISTIANO SANTOS: Eu sugiro pensar no LinkedIn como algo que vai além de um site de empregos ou de currículos online, sabe? Por se tratar de uma rede social profissional, estamos falando de conexões entre pessoas – e são essas conexões que podem ajudar quem perdeu o emprego para voltar para o mercado de trabalho. Esse relacionamento que você cria ali na rede pode abrir portas. E tem outra questão: muitos recrutadores usam o LinkedIn como ferramenta de busca, ou seja, estão procurando os melhores profissionais para as vagas em aberto. Logo, quem tem um perfil nessa rede pode ser encontrado e se recolocar. Eu costumo dizer que o LinkedIn é uma grande vitrine profissional: tanto para quem está ativamente se candidatando para as vagas quanto para quem preenche bem o seu perfil por lá e interage com sua rede para assim ser encontrado.

CM: Na sua opinião, quais são os maiores erros que as pessoas fazem na hora de se apresentarem profissionalmente no Linkedin?

CS: Podemos dividir esse quesito “apresentação” em duas partes: primeiro, vamos entender o ato de apresentar-se como a forma que você descreve seu título e resumo. Costumo dizer que um dos maiores erros é justamente deixar esses campos com poucas informações, sem palavras-chave, o que dificulta uma possível localização do seu perfil na busca. Muita gente peca pela ausência de informações pois acaba tendo medo de colocar muito detalhes ali, por exemplo, no SOBRE, e considerarem que ele ficou muito poluído. O importante é que não faltem ali informações iniciais sobre sua experiência que podem ser decisivas para um recrutador convidar você para uma oportunidade. E a segunda parte: quando as pessoas dizem adicionam alguém no LinkedIn e em seguida enviam uma mensagem de “apresentação” e boas vindas, muitas vezes elas acabam errando por se preocuparem apenas em falar delas mesmas, mostrarem seus produtos e serviços, suas experiências, seus links, sem pensar no outro. O ideal, ao se apresentar no LinkedIn para alguém por mensagem, por exemplo, é gerar realmente uma conversa e um relacionamento genuíno, falando brevemente de si e focando na experiência e na história do outro. Esse exercício de empatia pode gerar boas conexões que no futuro podem se transformar em oportunidades.

“Quanto mais humanos somos ao contarmos nossa história, de uma maneira real e sem forçação de barra, maior é a tendência das pessoas se conectarem com a divulgação do nosso trabalho”

CM: Como os profissionais que contratam avaliam a movimentação de candidatos no Linkedin? O que postar, o que não postar?

CS: É importante frisar que recrutadores estão de olho não apenas nas informações do seu perfil no LinkedIn, mas também na interação que você gera por lá. Postar conteúdos e debates sobre sua área de atuação, sobre alguma ferramenta nova do mercado que você domina, conversar saudavelmente sobre assuntos do dia a dia, produzir artigos que demonstrem seu conhecimento sobre variados temas, tudo isso pode ajudar na construção da sua reputação digital e da prova social, que mostra o quanto você tem conhecimento e experiência dentro da sua carreira. A gente costuma dizer que é complicado falar “não poste algo”, como regra, pois isso é muito subjetivo. Mas é sempre importante evitar postar polêmicas desnecessárias, conteúdos que possam ter duplo sentido, discussões que só geram ódio nos comentários, ou mesmo informações sigilosas ou que podem expor outro profissional. Acho que a regra sobre postar ou não postar é bem simples: bom senso.

CM: Diferentemente de outras redes sociais, o LinkedIn tem muito esse perfil de mostrar que você é bom profissionalmente em alguma coisa. Qual o limite entre fazer uma boa propaganda de si mesmo ou parecer arrogante?

CS: A questão aqui é pensar da seguinte forma: ao fazer uma promoção do seu trabalho, tarefa, resultado alcançado, é sempre bom pensar se aquele conteúdo pode ajudar alguém de alguma forma, inspirando, incentivando ou dando exemplo de algo que gere bons insights. Não é apenas mostrar que é bom, o importante é trazer sempre o contexto de o quanto seu trabalho pode ajudar a sociedade, trazer um pouco dos bastidores da coisa, sua história pessoal ou seu envolvimento emocional com aquele projeto, se for o caso. Quanto mais humanos somos ao contarmos nossa história, de uma maneira real e sem forçação de barra, maior é a tendência das pessoas se conectarem com a divulgação do nosso trabalho e não verem traços de arrogância na forma que fazemos essa divulgação. Equilíbrio é a palavra-chave. 

CM: Existe algum truque interno para a busca de vagas dentro da plataforma que funcione e você possa compartilhar com a gente?

CS: Na verdade, eu sempre trago duas dicas bacanas para quem estiver buscando uma oportunidade e quer aumentar ainda mais as chances de ser encontrado na rede: utilize o MAPA DE CARREIRAS DO VAGAS.COM (https://www.vagas.com.br/mapa-de-carreiras/) para buscar quais são as principais palavras-chave que os profissionais com o mesmo cargo que o seu utilizam em seus currículos, para assim você poder preencher ainda melhor seu perfil nos campos TÍTULO, SOBRE, DESCRIÇÕES DOS CARGOS. E uma outra dica também é sempre consultar algumas vagas em aberto dentro do LinkedIn da área de seu interesse e analisar o que as empresas pedem como requisitos para a vaga, para checar se você preencheu seu perfil com esses termos (caso realmente você tenha experiência naquilo) e isso te ajuda a fazer uma boa revisão e preenchimento dos seus dados profissionais antes de se candidatar para essas vagas disponíveis no LinkedIn.

Passo a passo para turbinar seu perfil

“Tanto a foto quanto a descrição inicial (título e sobre) são campos extremamente importantes porque te apresentam para o mundo. E se uma imagem vale mais que mil palavras, é importante prestar muita atenção na escolha da foto ideal para o perfil”, explica Cristiano Santos. De olho nesse insight, segue a visão dele sobre como deixar sua apresentação mais atraente:

FOTO: Não é porque você está numa rede social profissional que a sua foto precisa ser formal demais se a sua profissão não exige isso. O ideal é uma foto em plano americano, mais focada no rosto, de frente, sorrindo, com fundo neutro ou sem muitos detalhes, para que o foco seja realmente na imagem do profissional. O importante é passar aquela confiança inicial.

TÍTULO: “No título, logo abaixo do nome, é recomendado preencher os cargos e áreas que domina, como um slogan sobre si mesmo. Vale lembrar que ali você não vai preencher apenas seu cargo atual, mas sim alguns cargos ou atividades que você tem experiência”.

SOBRE VOCÊ: essa parte também é chamada de resumo. Ali, o ideal é escrever em primeira pessoa como uma carta de apresentação: em 2 mil caracteres, deve haver tudo que o profissional considera importante destacar sobre sua carreira e histórico profissional. Lembre-se de colocar principais tarefas desenvolvidas, resultados atingidos, tempo de experiência em determinados cargos, missão, visão, valores, propósito, projetos, etc, sem esquecer de colocar as palavras-chave com seus conhecimentos e habilidades. É um espaço também para você se apresentar e chamar a atenção de quem está visitando seu perfil, despertando muitas vezes a curiosidade dessas pessoas para que elas continuem visualizando os outros campos do seu perfil. Seja interessante, com verdade e transparência.


+ NOTÍCIAS

LinkedIn revela quais serão as 15 profissões do futuro

Os riscos no transporte público durante a pandemia

As pessoas diminuíram os cuidados contra o coronavírus?






MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS Prêmio Consumidor Moderno

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS