Pagamentos digitais crescem durante a pandemia; 96% pretendem manter o hábito

Segurança e não necessidade de contato físico são apontados como principais fatores para digitalização dos pagamentos

Pagamento digitais

A pandemia parece mesmo ter acelerado a digitalização de alguns processos, como é o exemplo dos pagamentos. Hoje, é cada vez menos comum a utilização do dinheiro físico, e maquininhas de cartão também parece perder espaço para os pagamentos contactless. De acordo com pesquisa realizada pelo Capterra, houve um aumento de 32% no volume de pagamentos digitais desde o início da pandemia.

O levantamento mostra ainda que, entre os consumidores que possuem carteira digital instalada, 96% pretendem seguir ou começar a utilizar a tecnologia após o término da crise sanitária, confirmando a consolidação deste meio de pagamento.

Já o número de consumidores que possuem carteira digital e dizem não utilizá-la caiu 72% em comparação ao período pré-crise —  de 18% para 5% dos entrevistados, respectivamente.

Divulgação: Capterra

Mais seguro ou mais suscetível a fraudes?

São dois os principais fatores apontados pelos consumidores em defesa do pagamento digital: a maior segurança, citado por 29% dos usuários, e a não necessidade de contato com terceiros, 28%

Ainda que a segurança desse tipo de transação comparada aos cartões seja vista como a principal vantagem pelos que utilizam as carteiras digitais, o medo de ataques é uma realidade.

Tanto os usuários da tecnologia como os que inda não aderiram à modalidade, 70% apontam receio com falhas de proteção que possam resultar em roubo de dados

Consumidores enxergam fim próximo do dinheiro físico

O Capterra comparou a preferência do consumidor quanto aos meios de pagamento. Dos entrevistados, apenas 18% dizem preferir pagar usando dinheiro físico. Outros 22% preferem cartões de crédito, 32% optam mais pelo débito e 23% escolhem o pagamento digital

A preferência pelas carteiras digitais é maior entre os brasileiros com rendas de 7 a 15 salários mínimos: 40%.

Divulgação: Capterra

De acordo com a pesquisa, 61% dos entrevistados afirmam ser mais provável comprar de estabelecimentos que aceitam pagamentos sem dinheiro físico do que daqueles que não. Além disso, 67% dizem que se sentiriam confortáveis vivendo em uma sociedade sem dinheiro físico.

“Como mostram os dados, a adaptação dos negócios aos novos métodos e hábitos de pagamento, com o impulso extra trazido pelo coronavírus, pode representar uma questão de sobrevivência para muitos negócios tanto no curto como no longo prazo”, destaca Lucca Rossi, analista responsável pelo estudo.


+ NOTÍCIAS

De roupa a móveis: alugar é o “novo” comprar?

A tecnologia para melhorar a experiência no setor de bens de consumo

Digitalização da comunicação: como atender o cliente da melhor forma


 






ACESSE A EDIÇÃO DESTE MÊS:

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

CM 256: Os vencedores do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS