Como vai sua relação com os assistentes de voz?

Relatório do Google mostra como essa tecnologia já está mudando o comportamento dos brasileiros, inclusive considerando os impactos da pandemia de Covid-19

Foto: Pexels

Interagir com seus dispositivos usando a fala é o “novo normal” da tecnologia. Os assistentes de voz vêm ganhando cada vez mais espaço no país e uma pesquisa recente mostra que mais de 60% dos brasileiros já usou esse recurso pelo menos uma vez para controlar celulares, se orientar no trânsito, fazer buscas na internet ou simplesmente reproduzir uma música. De acordo com informações do relatório do Think With Google Brasil, a voz é uma tendência de mercado por aqui. O Brasil é o terceiro maior mercado do Google Assistente no mundo, e 90% dos brasileiros já usou assistentes para ajudar a enviar uma mensagem de voz.

A voz com assistentes inteligentes deve estar presente em praticamente todos os âmbitos da nossa vida nos próximos anos. Da diversão ao aprendizado, passando pelo trabalho e pela ajuda nas tarefas mais cotidianas. Esse já é um movimento tecnológico sem volta.

Mudanças de comportamento

Em tempos de Covid-19, quando a pandemia influencia a mudança de hábitos como tocar outras coisa e pessoas, por exemplo, usar a voz para ajudar a realizar uma tarefa é, de fato, uma ótima saída. “O assistente de voz se transformou em um facilitador do cotidiano — e na pandemia, essa característica ficou ainda mais evidente. Com menos tempo para nos dedicarmos 100% a uma única atividade, estamos nos tornando cada vez mais multitarefas: com ajuda do recurso de voz fica mais fácil cumprir nossas demandas enquanto trabalhamos, ajudamos nossos filhos com a lição de casa ou durante a faxina”, diz o relatório da empresa.

Não é só o vírus que chegou para ficar que fez as pessoas alterarem a forma de fazer as coisas. A tecnologia, como se sabe, é um grande propulsor disso. Os assistentes de voz já se fazem presentes em uma parte dessa área também, principalmente levando-se em conta características muito próprias da realidade brasileira. Em um país no qual 3 em cada 10 pessoas são analfabetas funcionais,

Os assistentes de voz podem facilitar a comunicação, o trabalho e o consumo

. Para os especialistas, o avanço nesse mercado é certo: 66% deles concordam que os assistentes virtuais transformarão o marketing como o conhecemos em menos de 10 anos, informa o material do Google.

Vale ficar de olho, porém, no quesito privacidade. Muito tem se falado da coleta de informações dos usuários de tecnologia, o chamado compartilhamento de dados, e para quem se tornar hard user dessa ferramenta. Há inovações sendo feitas nesse sentido, mas cabe aquele que usa saber o que há de novo nessa seara.

Voz para empresas

O relatório termina oferecendo alguns inputs também para empresas que queiram começar a usar os assistentes de voz em suas jornadas ou serviços. Entre eles estão a checagem por voz para o atendimento (que já é algo bem comum), além de automação da casa, auxílio para atendimento em caso de violência doméstica ou segurança online, jogos que envolvam toda a família ou um serviço de tira-dúvidas sobre um produto específico. Vale a pena expandir a mente para incorporar novas ideias. Os avanços tecnológicos seguem firmas e fortes impactando presente e futuro.


+ Notícias 

A democracia é uma calça velha, azul e desbotada que todos podem usar

Você já se tornou um “evitador de notícias”?

Para a geração dos Zennials, depois da pandemia, nada mais será como antes


 






ASSINE NOSSA NEWSLETTER

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

CM 256: Os vencedores do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS