Metodologias Ágeis: Como unir esforços para garantir o sucesso da empresa

Equipes mais focadas e unidas na resolução de problemas trazem mais resultados; entenda

Ao mesmo tempo que “parou” o mundo – manteve as pessoas dentro de casa, acabou com as viagens, etc -, a pandemia do novo coronavírus aumentou a busca por rapidez. A transformação digital prevista para os próximos 10 anos aconteceu em alguns meses impulsionada pela corrida das empresas para se manter perto dos seus clientes e se adaptar ao novo cenário. Quem ficou parado, não sobreviveu.

Diante da necessidade de tomadas de decisões rápidas, as já conhecidas Metodologias Ágeis ganham ainda mais espaço. E elas foram o assunto de um dos painéis do CONAREC 2020: “Na sua casa ou na minha: Metodologias Ágeis em operações de Home Office. O debate que abordou o uso do método contou com a mediação de Itamar Olímpio, especialista em inovação e co-fundador da CO-VIVA, e com a participação de William André Bezerra Sousa, Presidente da Kainos; Lucio Tezotto, Head de Costumer Experience da SUMUP; e Carolina Prado, diretora de rh da Privalia.

As Metodologias Ágeis

Itamar Olímpio começa alertando que, mesmo o tema estando em pauta e ser comum nas empresas, muitas pessoas não sabem exatamente do que se trata as Metodologias Ágeis. Carolina Prado explica: “Está muito relacionado com testar, errar, aprender e mudar rápido. Em resumo, é conseguir se adaptar rapidamente às mudanças”.

Para Willian André Bezerra Sousa, acredita que os benefícios trazidos pelas Metodologias Ágeis mostram que elas vieram para ficar. “Essas metodologias vieram para mudar as empresas. Na Kainos, falamos que somos organismos vivos, ou seja, todos os dias temos que entregar coisas. Outra coisa é que antigamente as reuniões que não tinham começo, meio e fim, agora tem reunião, mas com entregas. Por fim, a gente lembra que acima de tudo estamos nos relacionando. No fundo, Metodologia Ágil é unir forças para que as coisas aconteçam.

Benefícios na prática

No fim do dia, algumas das vantagens citadas a partir do uso das metodologias são: equipe mais autônoma, disciplina, velocidade de resposta, foco e colaboração.

Lucio Tezotto traz como exemplo o próprio cenário trazido pelo coronavírus. “O momento que foi dado o anúncio da pandemia, que isso já estava acontecendo no Brasil, foi necessário velocidade para reorganizar o formato de trabalho das equipes. Agimos de maneira muito rápida, um time específico foi designado para organizar isso e chegamos à definição em algumas horas. A gente picotou o problema em o que faremos nas próximas duas ou três semanas, se a gente fosse planejar os próximos seis meses, isso iria demorar muito mais”, conta o Head de Costumer Experience da SUMUP.

Usar as Metodologias Ágeis para migrar para o home office ajudou a multinacional Kainos a fazer a mudança em 10 dias. Mas, mesmo que os processos tenham sido implementados de forma “suave” na nova realidade, como diz Willian, o presencial ainda faz falta. “A gente sentiu e ainda sente falta tête-à-tête, da discussão, do olho no olho. Então seguindo todas as regras de segurança, uma vez por mês, nós acabamos nos reunindo para muitas discussões presenciais e isso ajudou muito para que as coisas fossem implementadas lá na ponta. No ponto de vista estratégico, somos híbridos”, conta.

O sucesso das Metodologias Ágeis não está na que é adotado – existem várias, como scrum, scaled agile e framework e ASD -, mas sim na forma como a empresa se organiza e no mindset da equipe. “No final do dia estamos trabalhando com seres humanos, então as pessoas precisam entender os benefícios dessas metodologias para que o resultado seja bom”, diz Itamar.






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS