Apesar da pandemia, a Localiza se prepara para acelerar estratégias

Eugênio Mattar, CEO da Localiza, contou sobre os impactos da pandemia nas estratégias da empresa. Entenda que mudou por lá

Quais os prejuízos desencadeados pela pandemia nos negócios? Apesar de os veículos serem uma opção individual segura durante a pandemia, houve uma desaceleração, especialmente no início do isolamento social, em serviços de mobilidade urbana.

Esse contexto foi considerado no painel “Atravessando a turbulência: como liderar o negócio para chegar ao Oceano Azul”, no qual o CEO da Localiza, Eugênio Mattar, falou sobre os desafios vividos este ano. Uma das empresas referência no mercado de aluguéis de automóveis no Brasil e na América Latina, presente no Brasil há mais de 47 anos, a rede atua 608 agências em cidades e aeroportos do Brasil, Argentina, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai e Uruguai.

Mattar relata que a indústria e o negócio começaram a sofrer grandes impactos no momento em que os aeroportos foram fechados e as atividades dos motoristas de aplicativos foram encerradas. “Fora do Brasil empresas tiveram danos severos mas, por prudência, a Localiza sempre teve uma posição de caixa confortável e não focamos em um só segmento”, afirma. “Isso ajudou a abrandar o impacto no nosso negócio”, completa o executivo.

De acordo com o CEO da Localiza, o cenário teve de ser repensado para que o negócio se adaptasse ao novo normal. “No primeiro momento, fizemos um programa de gestão de crise, por meio do qual trabalhamos uma resposta rápida, depois fizemos um plano de sustentação e já estamos na fase três de retomada, pensando em entrar na fase quatro, que seria a aceleração”, diz.

Ao passo que a digitalização se apresenta com maior intensidade após o surgimento da pandemia, Maia destaca que o cenário de readaptação motivou a organização a potencializar o lado digital do negócio, a fim de garantir uma interação melhor com o cliente. “Uma das nossas primeiras medidas foi dar um ‘up’ na nossa ambição digital que se baseia numa melhor interação com o cliente no aplicativo ou no site, simplificar operações, ter mais produtividade, racionalizar processos”, explica.

Mattar destacou seis fatores que moldaram a empresa para a retomada no mercado: o cliente, a eficiência em curso, produtividade, resultado, engajamento do time e confiabilidade técnica. “Enquanto o mundo da lá fora utilizava pouco os carros, nós nos voltamos para dentro a fim de preparar a empresa com uma solução melhor para um futuro em que, após a COVID-19, estaremos fortes e preparados com uma solução melhor para nossos clientes”, esclarece.

Ao final da conversa, ele ainda pontua os aprendizados garantidos diante da crise durante o isolamento social, ressaltando a importância da cultura organizacional do negócio. “A cultura da companhia é muito importante, mas isso reforçou o cuidado que teremos que ter daqui para a frente. Crescer é importante mas, se o crescimento acontecer de forma desordenada, sem cuidar da cultura, pode se perder quando vier uma crise”, diz o executivo.

“Estamos muito confiantes por estarmos encontrando um mar de novas oportunidades. Nesse momento de turbulência podemos identificar os bons marinheiros”, conclui.


+ NOTÍCIAS

Somos 4.0: a evolução do modelo de relacionamento com o cliente

Os dilemas da transformação digital

Empresas que se transformaram para enfrentar e vencer a crise


 






ACESSE A EDIÇÃO DESTE MÊS:

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

CM 256: Os vencedores do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS