Inteligência artificial por diagnóstico

Especialista da PROA – aliada da IBM em soluções para Inteligência Artificial – reforça a importância do caráter consultivo nas contratações pela tecnologia

Em curto período de seis meses, a pandemia acelerou a aquisição de Inteligência Artificial no mercado. O aumento na concorrência fez os preços caírem muito com a aparição súbita de novos players.

Mas, entre tantos concorrentes, poucos se destacam pela entrega de soluções arquitetadas com base nas necessidades específicas de cada cliente. Personalização cada vez mais necessária que vem rendendo à PROA destaque nas principais premiações do setor.

Só em 2020, a empresa – especializada em Inteligência Artificial para atendimento – levou dois troféus no Prêmio CONAREC (Inteligência Artificial e Desenvolvedor de Aplicativo Corporativo); foi ouro na categoria ‘Líder em Projeto de Consultoria’ pelo Prêmio Cliente SA; e bronze em ‘Automação da Experiência do Cliente’, pelo Prêmio Smart Customer.

Com toda essa moral, Rogério Barreto, CEO da companhia alerta: “Empresas com diferenciais como a PROA, fazem imersão no conhecimento do negócio de cada empresa. Também não adianta comprar uma solução sem ter equipe apta para implementá-la. Por isso, a necessidade da contratação de quem ofereça suporte consultivo, para ganhar valor em escala e ter aderência mais rápida”.

Rogério Barreto, CEO da PROA/Credito: Divulgação

IA e machine learning

Segundo o executivo, o caráter consultivo das tecnologias aplicadas pela PROA é determinante na obtenção de insights que colaborem para o êxito da comunicação fornecedor/cliente final. “Nossos clientes B2B possuem carteiras com particularidades diferentes, e antes de tudo nossa imersão reconhece como cada um atende seus usuários. Nesse processo conseguimos criar bons padrões de IA e machine learning para que a experiência do usuário final seja satisfatória”, explica.

Sem afobação!

Para o especialista, antes de acompanhar “modismos e tendências” é preciso buscar por parceiros que executem um planejamento estratégico que caiba em seu orçamento.

“O entendimento dos canais mais utilizados pelo cliente é outro fator. O WhatsApp, por exemplo, vem ganhando proporções gigantescas, mas seu custo ainda é elevado. É preciso entender se ele vai agregar algum valor para o negócio, ou, se o investimento em outros canais pode ser mais vantajoso. O sucesso é o planejamento”, complementa.


+ Notícias 

Um ano após a chegada no Brasil, saiba o que a Alexa pode fazer 

Startup permite que clientes tenham experiência de compra com fragrâncias exclusivas  






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS