Moda sustentável ganha força e se mostra tendência no pós-pandemia

Marcas buscam se posicionar diante de consumidores que se preocupam cada vez mais com boas causas e transparência

A forma de pensar e de priorizar do consumidor mudou durante a pandemia. No mercado da moda não é diferente: nota-se mais desapego durante a seleção do que deve sair do guarda-roupa, além um crescimento da “second hand economy”, com compras em brechós e venda de itens que não serão mais utilizados.

Nesse sentido, a moda sustentável se mostra como uma tendência no pós-pandemia. Mesmo que no Brasil isso ainda aconteça a passos lentos, as marcas estão começando a pensar mais no meio ambiente e em boas práticas de gestão. Tudo para acompanhar os consumidores que, de acordo com o relatório BranZ Global 2020, da Kantar, estão procurando comprar de marcas que apoiam causas pelas quais eles se identificam (84%) e buscando confiança e transparência (93%).

Um exemplo de marca que já está seguindo o caminho da moda sustentável no Brasil é a Renner. A oitava colocada no ranking BrandZ Brasil, anunciou uma parceria com o site brechó Repassa para estimular os clientes a venderem as roupas que não usam mais. O valor da venda pode ser sacado, doado ou utilizado para realizar uma nova compra.

Caminho longo

Valkiria Garré, CEO de Insights na Kantar Brasil, evidencia o longo caminho que precisa ser percorrido no Brasil na direção da moda sustentável. “Os principais fatores de decisão de compra ainda tendem a ser preço, disponibilidade ou conveniência, qualidade e estilo. Muitas das principais marcas oferecerem todos esses itens, mas a maioria está apenas nos primeiros passos em sua jornada para ser mais ecologicamente correta. Outros fatores, como impacto nas comunidades, comércio local, transporte e condição de trabalho ainda estão no fundo do funil de prioridade”, afirma.

Então, por onde começar a mudar essa realidade? A Kantar dá algumas dicas para os players do mercado da moda que estão iniciando suas ações de sustentabilidade. São elas:

  • Incentive as compras repetidas: “As pessoas têm uma necessidade fundamental por roupas. Sendo assim, incentive os consumidores a fazerem a reposição sustentável de produtos e recompense-o por isso.”
  • Ofereça serviços: “À medida que o consumo muda, as marcas não podem oferecer apenas produtos, precisam oferecer serviços e experiências que envolvam esses itens. Aproveite e ofereça opções que integre a sustentabilidade.”
  • Dê visibilidade às suas ações: “Os clientes estão cada vez mais interessados em produtos sustentáveis. Com isso, torne mais acessível e visível as ações que estão sendo realizadas para que eles as encontrem e associem a marca à sustentabilidade.”

+ Notícias 

H&M apresenta máquina que recicla roupas diante dos consumidores

5 lançamentos que provam que 2020 é o ano da Green Beauty 






ACESSE A EDIÇÃO DESTE MÊS:

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

CM 262: O consumidor é phygital

CM 261: O respeito ao cliente é o caminho para 2021

Anuário: A omnicanalidade em todo lugar

VEJA MAIS