ESG

Era transformacional: hábitos alimentares mudam com a pandemia

Se houve um momento em que o brasileiro definitivamente repensou suas relações com corpo, hábitos alimentares, e a comunhão entre família, foi ao longo dessa jornada pandêmica.

A BRF, multinacional brasileira do ramo alimentício – fruto da fusão entre Sadia e Perdigão, duas das principais empresas de alimentos do País – viu sua margarina Qualy, por exemplo, despontar entre os produtos de maior procura entre seu portfólio ao longo desses meses. “O conceito do do it yourself ficou em evidência. Mais pessoas começaram a fazer sua própria alimentação. A crescente no consumo de margarina foi resultado da alta produção de bolos nas residências”, explica Demétrio Teodorov, Gerente Executivo de Inovação da companhia.

Outra mudança de comportamento foi bastante impulsionada pela geração millennial, que incorpora escolhas por alimentos mais saudáveis e de menor impacto ambiental.

Aprendendo a comer melhor?

Mais atentos às composições dos produtos, a geração Y vem motivando o núcleo familiar a fazer escolhas por alimentos mais saudáveis e sustentáveis. “A cultura vem crescendo em escala geracional. Eles influenciam o comprador para que a tomada de decisão seja baseada em produtos retornáveis, recicláveis, em alguns casos, veganos. Há o apelo de se sentir bem no processo de aquisição do produto justamente por suas características sustentáveis”, observa Stephanie Blum, Gerente de Inovação da empresa.

Em busca de proteínas do bem

A BRF vem investindo no Food Tech como aposta de que novas tecnologias contemplem mais itens de seu amplo catálogo. Como a linha recém-lançada de frangos orgânicos: criados soltos no campo e alimentados com grãos naturais.

“A linha é um exemplo dentro da cadeia sustentável da BRF, sem o uso de agrotóxicos e transgênicos. As pessoas vêm adquirindo consciência sobre os impactos ambientais das atividades humanas e as empresas vêm aprendendo muito com o consumidor. A tendência é irreversível, faz parte de uma Era transformacional”, comemora Scheilla Campos, Gerente de Inovação

Clean label

A especialista também conta que a nova tendência global é a valorização do “menos é mais” no setor do foodservice. A expectativa do cliente antenado em alimentação saudável é encontrar rótulos que entreguem receitas com menos “texto e mais saudabilidade”.

“No comportamento desse nicho de mercado, o consumidor valoriza mais o que não tem na lista de ingredientes da embalagem, do que necessariamente o que tem. Busca por listas mais limpas, saudáveis, e com menos ingredientes. Viés que vem sendo também transformador para a BRF”, conclui.


+ Notícias 

Entenda por que a indústria está apostando em alimentos orgânicos e vegetarianos 

Veja alimentos que ajudam a melhorar o desempenho no trabalho

Nayara de Deus

Postagens recentes

Insatisfeita, Geração Z quer mudar cultura corporativa por dentro

Confira 10 empregos mais bem avaliados pela Geração Z e diferenças para os mais velhos

5 horas ago

Quais são as marcas mais admiradas pelos clientes

Pesquisa da Ibevar/FIA elencou as marcas mais admiradas pelos consumidores brasileiros e também por colaboradores

6 horas ago

Como os líderes podem incentivar o trabalho em equipe de qualidade

Segundo especialista da Fundação Dom Cabral é preciso investir em comunicação e criar um ambiente…

7 horas ago

Planos de saúde: como fica os tratamentos fora do rol da ANS?

Tribunais autorizam tratamentos fora do rol da ANS, apesar de decisão do STJ; PL ainda…

8 horas ago

A Avianca e a meticulosa arte de arruinar sua viagem em seis passos

Confira o relato da colunista Evelyn Rozenbaum sobre uma experiência decepcionante com a Avianca, em…

9 horas ago

10 anos de League of Legends: CEO da Riot Games comenta estratégia de CX da marca

Saiba como a gigante dos jogos online trabalha a experiência do usuário em todas as…

10 horas ago

Esse website utiliza cookies.

Mais informação