Como fazer networking durante a pandemia?

A mudança nas dinâmicas de trabalho com home office, reuniões remotas e quase zero contato ao vivo pedem novas formas de fazer contatos profissionais

Em um ano no qual eventos, reuniões e até mesmo aquela pausa para o cafezinho no meio do expediente do escritório foram suspensos para muita gente, como conhecer novos profissionais e aumentar – ou mesmo fortalecer – o networking profissional em tempos de pandemia de Covid-19?

Essa é uma pergunta que muita gente pode estar se fazendo agora que as novas formas de trabalho remoto se consolidaram – nas áreas que permitem aos profissionais ficarem em casa, é bom lembrar. Para quem trocou o cara a cara pela convivência online, pode ficar mais difícil expandir a rede de contatos profissionais, algo que garante não só bom relacionamento com colegas, como também novas oportunidades na carreira.

Para saber como lidar com essa situação, conversamos com uma expert no assunto: Neusa Rossi Rodrigues, que é consultora de carreira na Soul Consulting e trabalhou por mais de 25 anos como executiva. “Nunca foi tão necessário usar o networking, ou essas competências de relacionamento, e comunicação como atualmente”, diz ela.

Confira pontos cruciais de quem quer agilizar a rede de contatos neste momento e não sabe por onde começar. Saiba mais:

Networking X pandemia

“Num primeiro instante, o momento da pandemia pareceu mais assustador do ponto de vista de como fazer essa aproximação tão necessária no networking. A pergunta é aquela: como se constrói um relacionamento ou se aproxima das pessoas tendo esse distanciamento social?”, explica Neusa Rossi. “O que se percebeu durante o ano, porém, é que as possibilidades são inúmeras. Muito provavelmente porque as pessoas estão mais reclusas pensando mais no outro. Então, esses contatos têm se solidificado ainda mais”, reforça.

A consultora ainda explica que o distanciamento social provocou uma aceleração nas conexões: “As pessoas estão se conectando mais, reforçando os contatos antigos e criando novos, justamente por não poder se movimentar. Ficou comum passar mais tempo debruçado em ferramentas como o LinkedIn, por exemplo, ou na própria agenda de contatos”.

Leia também: E você? O que publicou no seu LinkedIn hoje? 

Como fazer o primeiro contato

“Um cuidado que sempre se deve ter – seja durante a pandemia ou não – é em como fazer o primeiro contato quando falar com alguém. Não vale ir só direto ao ponto, dizer exatamente o que se está buscando sem ter uma preocupação em ajudar”, afirma a consultora. Nesse cenário, duas palavras são essenciais: empatia e reciprocidade.

“Vale perguntar como está o profissional, como está o momento dele de carreira, se não quer bater um papo sobre o mercado de trabalho, por exemplo”, ensina Neusa Rossi. “É interessante também deixar claro que você tem o interesse em ajudar, se colocar no lugar do outro. É isso que sempre oriento os profissionais a fazerem para não parecer que você está entrando em contato apenas porque está precisando de alguma coisa”, diz ela.

Ainda assim, a expert conta que é comum a troca de favores entre profissionais. O que deve ser levado em conta, é a maneira como isso é feito: “As pessoas que já passaram pela situação de pedirem ajuda vão entender contatos desse tipo, até porque fizeram o mesmo. Recomendo não ter receio da abordagem, mas sempre pensar que é preciso perguntar sobre o outro”, reforça. É sempre uma troca.

Pesquise antes de se conectar

“Antes de mandar uma mensagem para alguém, é importante saber como está essa pessoa”, afirma Neusa Rossi. Para isso, ela recomenda o uso da plataforma LinkedIn, que segundo a expert, “hoje é uma ferramenta extremamente viável e que todo mundo usa, seja nas organizações, seja entre profissionais de RH ou headhunter”.

A dica aqui é checar sobre a trajetória da pessoa com quem vai conversar antes de entrar em contato com ela. “Saiba aonde esse profissional está, o que ele vem fazendo, se está em uma determinada empresa, o que esta empresa faz. Procure um interesse em comum, até porque isso evita gafes”, explica ela. Entre as “gafes” está entrar em contato com alguém imaginando que ela ainda está em determinado lugar, trabalhando, e essa pessoa mudou de carreira ou de empresa.

Evite as gafes na hora de fazer networking

“Um cuidado que se deve ter é não falar mal de ninguém”, ensina a consultora. Neusa Rossi Rodrigues recomenda não falar nomes se você teve uma gestão ruim ou pouca afinidade com alguém do trabalho. Esse não é o momento de trazer essa relação para a conversa, defende ela.

“Isso é realmente muito ruim, depõe contra você e nunca se sabe se esse profissional pode ter tido uma experiência de relacionamento completamente diferente da sua – ainda que com a mesma pessoa”, enfatiza. “É um erro trazer o nome de outros para o contexto, a não ser que, de fato, se tenha uma amizade, uma afinidade muito grande, mas aí a gente não está falando de networking, estamos falando de relacionamento pessoal”, diz.

Como se comportar na conversa

A consultora de carreira reforça como a construção de networking precisa ser uma via de mão dupla. E o profissional não deve se esquecer disso: “A pessoa não deve se gabar. Precisa tratar todos como iguais e entender que a hierarquia, no mercado, não existe. Todos podemos ocupar quaisquer posições – e ali nós somos pessoas físicas e não executivos por trás de um CNPJ ou de um cartão”, afirma Neusa. “Seja humilde, delicado, atencioso. Se o interlocutor, por qualquer motivo, for mais rude ou mais seco na conversa, continue agindo como você gostaria de ser tratado – e não ser rude ou seco também é uma devolutiva”, diz. Cuidado no relacionamento: o outro pode estar passando por alguma coisa que nós não temos conhecimento.

Atualize o seu LinkedIn

A plataforma é a principal para relacionamento de negócios da atualidade, então é extremamente necessário que seu perfil na rede esteja atualizado e que haja uma movimentação nele. “Todo mundo olha, não só quem está na área de Recursos Humanos ou Searching das empresas”, diz a consultora.

“É importante estar com as informações de perfil corretas e uma boa base do que estaria no seu currículo. Você pode evitar expor número de resultados de trabalho conquistados trabalhando em outras empresas, mas é importante estar bem escrito – com português e inglês correto, se você estiver utilizando os dois idiomas. Tenha uma preocupação com a qualidade das informações e a descrição, principalmente das empresas”, ensina a expert.

Mentir ou deixar dados dúbios no perfil nem pensar! “Seja realmente honesto na ferramenta porque ela é seu cartão de visita. A foto deve estar correta, quase como se fosse um crachá, mas melhor e mais atual”. No Linkedin é  possível fazer uma grande busca por áreas de atuação e retomar contato. Lembre-se: todo momento, todo dia é tempo de fazer networking e conexões. A aproximação é importante, principalmente no cenário em que vivemos.


+ Notícias 

Futuristas revelam como o comportamento do consumidor impactará 2021 

Como ser um bom líder em um mundo cada vez mais dinâmico 






ACESSE A EDIÇÃO DESTE MÊS:

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS
ANUÁRIO Brasileiro de Relacionamento com Clientes

CM 256: Os vencedores do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS