Bem-estar digital: por que é essencial ter uma relação saudável com a tecnologia

Entenda o conceito de bem-estar digital e a importância do uso saudável da tecnologia e telas de dispositivos para evitar problemas como ansiedade

O conceito de bem-estar digital tem sido pauta de discussões nos últimos anos e ganhou destaque durante a pandemia e o período de isolamento social. 2020 foi um ano atípico e, embora o tempo passado diante de telas de computador e dispositivos móveis já fosse considerável, nos últimos meses o hábito se intensificou.

Segundo uma pesquisa realizada pela Akamai, o  tempo que os brasileiros passam na internet mais do que dobrou na pandemia. Em comparação com 2019, foi registrado crescimento de 112% no uso da rede no país. A Akamai é uma plataforma de armazenamento em nuvem que gerencia 30% do tráfego mundial na internet.

Essa mudança repentina se deve ao maior uso da internet para o lazer, estudos e trabalho. Já que as atividades de todos foram transpostas para o ambiente online, a relação com a tecnologia se tornou menos saudável. Isso por que as pessoas passaram a fazer seguidas mudanças de uma tela para a outra ao longo do dia: do celular para o computador, daí para a televisão e de volta para o celular.

Uma pesquisa do Instituto Delete, da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), mostrou que 52% dos entrevistados passaram a usar novos aplicativos durante a pandemia com o objetivo de se adequar às necessidades do “novo normal”, como reuniões online, confraternizações, shows, eventos e até mesmo visitas a pontos turísticos. Tudo isso, claro, diante de uma tela.

Preocupação com o bem-estar digital

O uso excessivo de telas logo levou à preocupação com o bem-estar digital, pois alguns efeitos colaterais começaram a aparecer. Logo se percebeu que a mente e os olhos precisavam de um descanso. Além da exposição ocular à luz dos dispositivos, é um desafio cognitivo suportar a quantidade de tarefas online e de interações digitais.

A lista de sinais físicos e mentais causados pelo excesso de conectividade é extensa. Os sintomas mais comuns de que o bem-estar digital está  comprometido são:

  • ansiedade;
  • insônia;
  • cansaço;
  • dor de cabeça;
  • diminuição da produtividade;
  • redução do foco e concentração;
  • secura, coceira e irritação nos olhos;
  • oscilação de humor;
  • baixa qualidade do sono;
  • alimentação irregular.

Leia também: Você já ouviu falar da Economia da Ansiedade? 

Como os dispositivos afetam o cérebro

Os recursos e aplicativos têm capacidades diferentes de estimular nosso cérebro. As respostas dos nossos neurônios a cada um deles mudam de acordo com a intensidade da atividade, das luzes e das cores.

Muitos destes programas têm efeitos similares aos de vícios. O estímulo faz com que sejam liberadas substâncias como serotonina e dopamina. Essa liberação de hormônios neurotransmissores repetidamente nos torna mais compulsivos e ansiosos.

A luz azul emitida pelos dispositivos eletrônicos interfere na produção do hormônio do sono, a melatonina. Isso leva a alterações no sono e até mesmo no funcionamento cardíaco. O efeito do excesso de tecnologia é semelhante ao do estresse.

O uso de telas por tantas horas, a longo prazo, pode trazer consequências ainda mais graves. Em alguns casos, pode levar a quadros depressivos, de pânico, fobia social e desativação das defesas emocionais.

Dicas para mudar a rotina

Existem estratégias para fugir desses problemas com a tecnologia e voltar a um estado de bem-estar digital. Algumas são fáceis de aplicar no dia a dia, enquanto outras requerem um pouco mais de tempo, dedicação e investimento:

bem-estar digital

Para o bem-estar digital, não é recomendado levar o celular para a cama antes de dormir. Foto ilustrativa: Pexels.

  • Levante da cadeira do trabalho e saia da frente do computador por alguns minutos. Essa é uma dica importante para a visão e a coluna. Alongue-se, olhe pela janela, foque no horizonte e faça exercícios de piscar para lubrificar os olhos. Isso combate o ressecamento provocado pelas telas;
  • Evite utilizar o celular e o computador logo antes de dormir. E, principalmente, não os leve para a cama;
  • Tente se distrair com outros objetos. Ler livros e revistas impressos pode ser uma alternativa para sair da tela. Outras opções são jogos de tabuleiro (se você mora com mais pessoas), cuidar de plantas ou de seus animais de estimação e até trabalhos manuais.
  • Procure ajuda especializada ao perceber que a hiperconectividade está deixando você cansado e irritado. Psicólogos e psiquiatras podem auxiliar nestes casos com um tratamento adequado.

Leia também: Como não ser vulnerável ao usar as mídias sociais? 

Ferramentas para melhores hábitos

Parece ironia, mas as próprias empresas desenvolvedoras de sistemas para smartphones estão preocupadas com o bem-estar digital de seus usuários. A ideia é incentivar melhores hábitos digitais e promover uma relação mais saudável com a tecnologia.

Nos computadores, por exemplo, já existem recursos que modificam a luz da tela conforme o horário de uso. Basta você indicar seus horários de despertar e de dormir, e assim a luminosidade e a luz azul diminuem. Alguns sistemas também avisam que está chegando a sua hora de desligar e se preparar para o sono.

Nos smartphones existem ferramentas semelhantes. São controles e recursos para relaxar, trabalhar e controlar a quantidade de horas que você utiliza aplicativos. O recurso de relaxar tem funcionamento semelhante ao exemplo do computador: ajudar na desconexão. A tela adquire gradativamente escalas de cores diferentes e as notificações entram em modo silencioso para não interromper seu sono.

Já para manter a produtividade no trabalho ou nos estudos, existe um modo de eliminação das distrações. O celular pausa as notificações de alguns aplicativos para que você não interrompa sua concentração para olhar cada mensagem.

Além destas opções, há também aplicativos que permitem o monitoramento do uso de seu celular para melhor controle e utilização saudável. Neles você verifica quanto tempo dedica às redes sociais, quantas vezes desbloqueia a tela, quais os apps mais utilizados e quais que emitem mais notificações.

Assim, você consegue colocar cotas de tempo para usar todos os recursos. A dica é ser honesto consigo mesmo e realmente cumprir os limites que você estabeleceu. Sua saúde física, seu sono e bem-estar agradecem.






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS