Dating Burnout: entenda o fenômeno que acomete cada vez mais solteiros

Cansado de arrastar a tela para o lado e de colecionar matches que não dão em nada? Saiba que não é só você!

Nos últimos anos, os aplicativos de namoro se tornaram quase um imperativo para quem deseja encontrar um amor. Conhecer alguém por acaso em um bar, ou por meio de amigos em comum, é cada vez mais raro. Hoje, o primeiro encontro é virtual, pelas lentes de aplicativos como Tinder, Happn, entre outros. Apesar de ter suas vantagens, essa nova abordagem digital pode levar a um desgaste extremo, conhecido como Dating Burnout.

Burnout além do trabalho

Os aplicativos de namoro estão mudando completamente a maneira como lidamos com os relacionamentos. Quem usa ou já usou um deles, sabe bem: sentar no sofá e percorrer um “cardápio” com dezenas de rostos novos a cada minuto, no início, pode parecer ótimo, mas também pode causar sentimentos como exaustão, desânimo e frustração – bem diferentes do “friozinho na barriga” que os encontros românticos costumavam causar antigamente.

A Síndrome de Burnout se instala quando há estresse em tempo integral, provocando o esgotamento emocional e físico. Normalmente, ela é associada ao trabalho, mas agora vem sendo relacionada, também, aos aplicativos de namoro. “Muita gente se encontra esgotada de tanto tentar se relacionar por aplicativos, e também fatigada de tanto falar ao celular, fazer ligações de vídeo e trocar mensagens”, diz a psicóloga Glauce Corrêa.

Apesar de ter sido agravado pela pandemia, o fenômeno não é exatamente novo. Uma pesquisa de 2017 encomendada pelo site de relacionamentos Match.com revelou que 54% das mulheres se sentiam exaustas com os encontros modernos. Apesar de estarmos cada vez mais atentos aos sintomas de esgotamento em nossas vidas profissionais, não costumamos ter os mesmos cuidados na esfera dos relacionamentos, nos tornando muito mais suscetíveis a episódios de Dating Burnout.

Glauce explica que, em termos psicoemocionais, o desenvolvimento de sintomas ansiosos e a frustração são os maiores riscos do uso desses aplicativos. “Tentar buscar, iniciar e manter um relacionamento construído através de aplicativos causa ansiedade pelo afastamento do celular. É como se a pessoa estivesse perdendo algo, porque se afastou por alguns minutos dos aplicativos. Causa, também, a frustração, no caso de não ser aceita ou não obter a resposta esperada.”

Evitando os problemas

Segundo Glauce, os aplicativos de relacionamento devem servir apenas para facilitar os encontros, mas as expectativas devem ficar de fora para não causar frustração. “Não acredite no par perfeito apenas por conversas em aplicativos. Os sumiços nos encontros e a falta de respostas são frequentes, e não devem diminuir a autoestima ou criar sentimentos de rejeição”, destaca.

Como acontece com qualquer sensação de esgotamento, é importante dar a si mesmo um tempo para lidar e administrar as sensações de exaustão e estresse. A primeira dica é ficar atento ao tempo gasto nesses aplicativos: “É importante ter cuidado com o uso excessivo dessas tecnologias, para que elas não prejudiquem outras áreas importantes da sua vida, como o trabalho e a família”, diz Glauce.

A psicóloga reforça que, para se envolver emocionalmente com alguém, é preciso, antes de tudo, se aceitar e se conhecer bem. A empatia também é fundamental para a criação de vínculos reais. “Brincar com os sentimentos do outro é um comportamento inadequado em qualquer circunstância. Demonstrar interesse, carinho, dar atenção, resolver problemas com diálogo e ser sincero são um bom começo para um relacionamento duradouro”, conclui.


+ Notícias 

Bem-estar digital: por que é essencial ter uma relação saudável com a tecnologia 

Telas em excesso: você sabe o que é fadiga ocular? 






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS