Como o uso da realidade aumentada pode alavancar o comércio eletrônico

A realidade aumentada tem como principal foco a experiência do consumidor; investir na tecnologia é um diferencial competitivo

Foto: Shutterstock

As novas tecnologias e a transformação digital estão mudando a forma como as pessoas veem e interagem com o mundo. Agora, o físico e o virtual estão cada vez mais perto de serem interligados, o que vai interferir em diversos hábitos, inclusive o de compras. E a realidade aumentada já faz parte dessa realidade.

O Sebrae aponta a experiência online como a principal mudança no mercado no momento pós-pandemia, já que os canais digitais ganharam espaço na vida das pessoas em isolamento. A tecnologia de realidade aumentada promete melhorar a experiência do usuário e alavancar vendas, principalmente no e-commerce. Saiba mais sobre ela.

O que é a realidade aumentada

Essa tecnologia é a união entre o mundo físico e o virtual. Como o próprio nome sugere, acrescenta elementos (virtualmente) ao que enxergamos fisicamente. A ideia principal é trazer mais facilidade para o dia a dia das pessoas, inserindo informações relevantes sobre o que está acontecendo.

Os códigos QR são um exemplo de realidade aumentada. Na verdade, foi a partir deles que muitas das soluções com essa tecnologia foram criadas. A partir dos códigos QR, o usuário consegue ter acesso às informações adicionais ao que está vendo a partir do seu smartphone.

São vídeos, imagens, textos, mapas… tudo pode ser acessado virtualmente e melhorar a experiência daquela pessoa no mundo real. Assim, o indivíduo tem mais informações para decidir ou não uma compra, por exemplo.

Leia também: Grifes de luxo usam games para atrair consumidores 

A diferença entre realidade aumentada e realidade virtual

É comum confundir essas duas tecnologias tanto por conta do nome quanto pelas formas de uso. A principal diferença entre elas é que, enquanto a aumentada insere informações, a virtual mostra uma realidade completamente diferente.

Por exemplo, a realidade aumentada pode ajudar o cliente a visualizar a parede de sua casa pintada de uma cor diferente ou como um móvel vai ficar no local escolhido. A virtual, por sua vez, coloca o cliente de forma imersiva para ver uma casa decorada. Não é a casa dele, e, sim, uma imagem tridimensional diferente da realidade.

Essa tecnologia pode ser utilizada para test-drive de carros, amostras de viagens e outras aplicações que colocam o indivíduo para testar e experimentar uma realidade diferente.

Como a realidade aumentada pode ser utilizada no dia a dia

O principal objetivo da realidade aumentada é oferecer uma experiência ao usuário mais completa. Graças aos smartphones e à internet móvel, isso pode acontecer em qualquer lugar. No Brasil, a tecnologia ainda vem ganhando espaço e, por isso, pode ser um ótimo investimento para se diferenciar.

O jogo Pokémon GO é um exemplo de realidade aumentada no dia a dia. Foto: Shutterstock

No dia a dia, a realidade aumentada é utilizada para jogos (como o Pokémon Go), em filtros de redes sociais, para adicionar informações interativas em propagandas tradicionais, no comércio tradicional e até em hospitais e clínicas de saúde.

“No momento atual da tecnologia, empresas que querem vender e converter mais, dando mais segurança e visão para os seus clientes sobre como é adquirir os seus produtos, deveriam considerar aplicar a tecnologia”, explica Marcos Trinca, fundador da More Than Real, empresa especializada em promover ações de imersão e realidade aumentada.

De acordo com o especialista, a dinâmica dos consumidores mudou no último ano e, agora, há uma valorização maior do comércio online que deve ser aproveitada.

Uso da realidade aumentada para alavancar o comércio eletrônico

Como foi possível notar, melhorar a experiência do usuário é o principal benefício dessa tecnologia. Esse é um tópico que merece atenção em qualquer negócio, já que tem grande influência nos resultados financeiros e de engajamento.

“Você consegue aproximar o consumidor do seu produto de uma forma nunca antes imaginada. A maior interferência é no tempo e na segurança que o consumidor toma a decisão de compra”, explica Marcos Trinca.

O especialista dá um exemplo prático: “O consumidor que quer comprar uma geladeira consegue ver o item exatamente como é, no tamanho correto, com as cores corretas, aplicada holograficamente em sua cozinha. Apenas com esta experiência ela já tem mais informações sobre o resultado da compra do que ir até uma loja”.

A realidade aumentada pode ser utilizada de várias formas e o ideal é combiná-la com a virtual. Confira algumas formas.

1. Melhorar a visualização dos produtos

Pode ser utilizado para aproximar a experiência da compra online com a da física. Assim, o cliente escolhe a peça e pode observá-la na “vida real”. Isso pode ser feito com roupas, calçados, óculos, roupas de cama, móveis e diversos outros produtos.

Marcos exemplifica alguns casos: “na indústria de beleza, os filtros que aplicam batons, sombras, bases, cílios postiços etc, permitem que consumidores possam ver em tempo real como estes produtos ficarão. Este mesmo tipo de experiência também permite provar acessórios, como óculos ou quaisquer outros produtos”.

Para citar outros usos, a Ikea, uma marca de móveis famosa fora do Brasil, possibilita que seus clientes visualizem as peças em um ambiente da casa. Aqui no Brasil, a Coral, marca de tintas, oferece a opção de visualização de cores para as paredes.

2. Oferecer ideias ao consumidor

São tantos produtos diferentes tomando conta das prateleiras (mesmo que virtuais) que o consumidor pode ficar perdido quando vê algo novo. A realidade virtual pode mostrar para o cliente o que pode ser feito com aquilo, a partir de vídeos, textos e o que mais quiser.

“Ancorar experiências diretamente nas embalagens físicas dos produtos é uma ideia, pois é possível reconhecer a embalagem e, por exemplo, gerar um personagem virtual que interage com o usuário a partir deste produto, trazendo informações úteis ou de consideração”, diz o fundador da More Than Real.

3. Engajar seu público

Não é apenas diretamente na taxa de conversão que a realidade virtual pode agir. Ela também pode ser uma ótima forma de engajar o público e fortalecer o nome da marca. Os filtros das redes sociais são um exemplo simples desse uso, já que quanto mais as pessoas utilizam, mais o nome é divulgado.

Criar conteúdos a partir da realidade aumentada que gerem compartilhamento também movimentam as redes e aumentam o interesse das pessoas pela marca. Isso tem, inclusive, um nome: marketing de imersão.

Segundo Marcos, os investimentos na tecnologia aumentam ano a ano, mostrando sua relevância para o mercado. “Em um futuro bem próximo, todo o nosso mundo estará coberto com hologramas e informações que nos ajudarão não apenas em nossas decisões de consumo, mas também em nossa vida cotidiana”, finaliza.


+ Notícias 

Como melhorar a experiência do cliente usando tecnologia 

Pandemia estimula crescimento de clubes de assinatura  






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS