Relatório da XP prevê crescimento de 32% para o e-commerce em 2021

Taxa de penetração das vendas online no Brasil ainda é de 9%

Foto: Shutterstock

O ano de 2020 foi histórico para o comércio eletrônico brasileiro. Com o isolamento social e a corrida pela transformação tecnológica por parte das empresas, o canal de vendas bateu recorde com crescimento de 41% A/A, segundo a Ebit|Nielsen. E, apesar do início da vacinação e uma possível volta da mobilidade, a previsão é de 32% de crescimento para o e-commerce em 2021, de acordo com relatório divulgado pela XP Investimentos.

A explicação para a continuidade do crescimento está na taxa de penetração das vendas online registrada em 2020: 9%. O número é considerado muito baixo se comparado com outros países, como China, com 35% de penetração, Reino Unido e Coréia do Sul, com 22%, e Estados Unidos, com 11%.

O tamanho do mercado que ainda existe no Brasil fica evidente ao analisar a penetração por categoria. A taxa de essenciais, como farmácia e alimentação, fica abaixo de 2%. Já a taxa do mercado pet, que registrou crescimento durante a pandemia, é de 2,6%.

Foto: Reprodução/ XP Investimentos

“O crescimento deve ser acelerado pela digitalização dos consumidores aliada ao fortalecimento das iniciativas multicanal. Vemos a multicanalidade como uma vantagem competitiva, pois oferece aos clientes uma experiência mais ampla e completa, ao mesmo tempo que reduz os custos de entrega das empresas”, afirma o material da XP.

Alta competitividade

Considerado o 10º maior mercado de e-commerce do mundo, o Brasil possui uma característica particular: a competitividade. Enquanto na China e nos Estados Unidos há monopólio de empresas – no país asiático o Alibaba detém 56% do mercado e no norte-americano a Amazon possui quase 40% de participação -, o Brasil apresenta marcas fortes e consolidadas que concorrem entre si.

De acordo com a análise do cenário brasileiro, a participação de mercado fica divida entre Mercado Livre (23%), B2W (22%), Magalu (13%), Via Varejo (9%) e outros (33%).

A XP Investimento chama atenção ainda para investimentos feitos pelo Alibaba e pela Amazon no mercado brasileiro. Principalmente quando se trata da Big Tech americana, que está reforçando o seu programa de logística e fornecimento, o que pode levá-la a oferecer uma maior variedade de produtos com frete grátis, uma característica importante na hora da decisão de compra.


Leia também 

Na pandemia, o aumento das vendas online movimentou outros modelos de negócio


Uma forma de os players do setor se destacarem nesse cenário é se consolidarem como um ecossistema, incorporando plataforma de marketplace e oferecendo serviços complementares, como soluções de pagamento. ” Vemos essa como a estratégia vencedora por oferecer aos consumidores tudo o que eles precisam durante sua jornada de compras enquanto as empresas não apenas se beneficiam em cada etapa, como também devem aumentar a fidelização dos clientes e conversão de vendas”, diz o relatório.

Outro ponto destacado é o cashback, que está sendo cada vez mais valorizado pelos consumidores. O mecanismo tem trazido como resultado aumento na conversão de vendas e frequência de compra. Atualmente, apenas Magalu e B2W oferecem o benefício.

A empresa que estiver mais preparada e entender os desejos do consumidor irá se destacar no mercado que ainda possui grande potencial.


+ Notícias 

Fraudes no e-commerce crescem 53% em 2020 

Varejo aposta em novas modalidades de entrega 






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS