Os desafios da modernização do decreto do SAC

A Senacon começou a discutir uma nova redação para o decreto do SAC. Por enquanto, há um rascunho que defende uma mudança na relação do consumidor com a área de atendimento ao cliente

Não é de hoje que órgãos que defendem os consumidores e as empresas concordam em pelo menos um tema quando o assunto é a política de desenvolvimento da sociedade de consumo: é preciso modernizar o decreto do SAC, norma que regula o relacionamento entre clientes e empresas no atendimento ao cliente.

Na avaliação de especialistas, o decreto contempla quase que exclusivamente o atendimento no SAC telefônico, ou seja, não define regras para os canais digitais, tais como chat, WhatsApp e mídias sociais, que tiveram uma ascensão meteórica nos últimos anos e estão fora da regulação. E não é preciso ser um especialista para afirmar que isso mudou.

Felizmente, o debate sobre a modernização já começou na Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), a qual, inclusive, já apresentou uma minuta (ou texto provisório) com as devidas inclusões digitais. Por outro lado, o texto incorpora novidades que incomodam até mesmo os Procons e uma delas já chama a atenção: a limitação dos assuntos que devem ser abordados no SAC telefônico. Entenda essa discussão em matéria publicada na revista digital Consumidor Moderno






ACESSE A EDIÇÃO DESTE MÊS:

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

CM 261: O respeito ao cliente é o caminho para 2021

Anuário: A omnicanalidade em todo lugar

CM 260: Conarec 2020 e sua imersão em experiência em um mundo antinormal

VEJA MAIS