Está na hora de repensar a carreira? Saiba como fazer na pandemia

Momento que gera gera dúvidas sobre o futuro pode trazer o sentimento de necessidade de mudança

Foto: Shutterstock

“Nossa maior fraqueza está em desistir. O caminho mais certo de vencer é tentar mais uma vez.” A frase atribuída ao inventor Thomas Edison fala sobre persistência. Mas, por quanto tempo é possível continuar persistindo? Será que desistir de um emprego que não faz mais sentido é sinônimo de fracasso? Repensar a carreira profissional tem sua validade?

Para o inventor da lâmpada elétrica incandescente, a cada tentativa é encontrada uma maneira a menos de fracassar. O pensamento do norte-americano mostra que mesmo o que é considerado falho também pode ser entendido como um passo adiante.

É possível fazer a relação do pensamento de Thomas Edison com a carreira profissional, uma vez que independentemente se foi ou não o emprego dos sonhos, o aprendizado fará parte da bagagem na hora do momento de repensar o caminho.

Repensar a carreira durante a pandemia

A pandemia de Covid-19 fez muitas pessoas repensarem os seus propósitos de vida, inclusive na carreira profissional. Trabalhadores que antes ficavam 12, 14 horas no trabalho, hoje valorizam mais os momentos em família. Outros, que tinham como meta chegar ao primeiro milhão, já refletem se vale mesmo a pena engordar a conta bancária se não há saúde.

Mas será que em plena pandemia é o momento ideal para repensar a carreira? De acordo com a consultora Kelly Stak, diretora de desenvolvimento humano da Praxis Coach, se a área atual do profissional sofreu muitos impactos negativos com o novo coronavírus, é melhor refletir antes de pedir demissão.

“Porém, isso não quer dizer que é preciso prender-se a uma empresa que não atende mais às necessidades do empregado. Pode-se usar uma estratégia diferente, buscando novas oportunidades mesmo estando trabalhando. Assim, é possível perceber com mais segurança o tempo de recolocação”, indica.

Além disso, Kelly Stak ressalta que é necessário levar em consideração as perdas e os ganhos de continuar ou de mudar de profissão. “O importante é fazer um planejamento com metas e objetivos. E estar sempre consciente das mudanças do mercado e das necessidades para atendê-las.”

Leia também: Lideranças femininas promovem a diferença positiva no mercado 

Mudar de profissão é sinal de fracasso?

Na sociedade o ato de desistir de algo pode ser visto como um fracasso. Contudo, diferentemente do que se costuma pensar e até dizer, desistir, em algumas ocasiões, não é para os fracos. Muitas vezes, é preciso ter coragem para sair do estado de comodidade.

Segundo o headhunter e autor do livro “Anticarreira: o futuro do trabalho, o fim do emprego e do desemprego”, Joseph Teperman, a pressão, muitas vezes interna, por não desistir também é feita pela comunidade.

“Temos medo de sermos vistos como fracassados, e uma mudança de profissão pode parecer aos olhos dos outros um fracasso”, explica o autor, que acrescenta que um grande fracasso é quando se faz corpo mole, frauda empresas ou suja o nome perante o mercado.  “Agora se você colocou alma no que fez e faz, e está a fim de novos desafios, de uma nova profissão, vá ser feliz!”, orienta o finalista do Prêmio Jabuti 2020 na categoria Economia Criativa.

Joseph Teperman aconselha fazer a mudança caso esteja seguro da decisão. “Os riscos e os benefícios que vem junto, serão todos seus! As pessoas que estão perto de você são as que menos querem que você mude.”

Kelly Stak corrobora. “É como se estivesse jogando tudo fora, seus conhecimentos, habilidades e experiências adquiridas, e tivesse que começar do zero. Mas isso não é verdade”, avalia.

A especialista em gestão estratégica esclarece que a mudança de carreira profissional é algo natural, até mesmo porque o mercado muda o tempo todo. “Imagine se os profissionais não se adaptassem às mudanças e ficassem sempre na sua primeira opção de carreira? Isso não funcionaria! Então, é preciso entender que não perdemos nada quando mudamos, e sim ganhamos novas oportunidades.”

Sinais de que está na hora de repensar a profissão

Assim como a escolha da carreira na adolescência, o momento de reavaliar a trajetória profissional e optar por continuar no caminho da profissão escolhida ou redesenhar uma nova rota é algo muito pessoal. Contudo, de acordo com Kelly Stak, há sinais de alerta que indicam se é realmente o momento de repensar a carreira.

Para isso, é preciso responder às seguintes perguntas:

  • Está ansioso, dormindo e se alimentando mal devido a rotina atual?
  • Conta os minutos para o final de semana e feriados chegarem logo?
  • Procrastina as atividades do dia a dia e não tem mais prazer nas tarefas que antes gostava?
  • Está sem perspectiva e não se vê fazendo as atuais atividades no futuro?

 

Segundo a consultora de RH, se a maioria das respostas foi afirmativa, é hora de pensar em mudanças no trabalho.

Uma carreira profissional com propósitos

Houve uma época em que ter estabilidade era a melhor qualidade que se poderia esperar de uma vaga de emprego. Hoje, candidatos têm buscado trabalhos que estejam alinhados com seus propósitos.

“O aumento do autoconhecimento e o acesso rápido a novas informações faz com que o profissional amplie seus horizontes e se conecte com empresas que tenham os mesmos valores, exigindo essa reciprocidade do local onde trabalha. Além de desejar que seus significados sejam relevantes o suficiente para se sentir pertencente a uma organização que contribui com a sociedade”, esclarece Kelly Stak.

Diante disso, ela explica que no momento de buscar por uma nova vaga, deve-se levar em consideração:

  • O propósito de vida (valores, crenças e objetivos);
  • Características do mercado (mudanças e movimentação com crescimento de novas áreas);
  • Suas principais competências (conhecimento, habilidade e atitude);
  • Oportunidades próximas (networking).

 

Com as informações levantadas, Stak indica montar um plano de ação para adquirir novos conhecimentos. “Renovar e investir no networking para que apareçam chances e portas abertas para a carreira.”

O headhunter Joseph Teperman complementa que para fazer a transição de carreira na pandemia, de acordo aos propósitos de vida, o autoconhecimento é fundamental.

Segundo ele, é preciso ter clareza das habilidades, competências e de quais delas se quer usar, onde e para quê. “Depois, passe a comunicar isso ao mundo. E a partir daí, cuidado, pois, clareza de propósito tem uma força grande e o que você quer pode de fato acontecer. Já vi muita gente que desiste quando vê que é possível de fato mudar e alcançar seus sonhos. Contraditório? Humano!”, finaliza.


+ Notícias 

Maior parte dos brasileiros prefere não trabalhar em casa, diz pesquisa 

Burnout emocional: a sensação de esgotamento na vida pessoal 






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS