Aplicativos de compras e alimentos batem recorde de desinstalação

A desinstalação de aplicativos cresceu 70% em 2020, se comparada com o ano anterior

Fonte: Unsplash

Há chances de aumento de bons ganhos com as vendas online, especialmente quando os negócios adicionam tecnologias para sólidas estratégias de marketing. Mas o que tem acontecido, supreendentemente, é a grande dificuldade de se elaborar um bom app. Conforme uma pesquisa da consultoria global de marketing de aplicativos AppsFlyer, os aplicativos de compras e alimentos são os mais desinstalados do mundo, com o recorde de um deletado a cada dois baixados no período de 30 dias.

No geral, os aplicativos de compras e alimentos retêm poucos usuários por não atender a expectativas cada vez mais altas, o que pode sugerir erros estratégicos na elaboração e comercialização deles. Além disso, segundo a pesquisa, “se um aplicativo não mostrar rapidez em todos os aspectos, os usuários não pensarão duas vezes antes de desinstalar e passar para o próximo da lista”.

Se de um lado os aplicativos prometem assertividade e aumento de margem aos negócios, por outro o fracasso deles pode causar frustrações às marcas. De acordo com a análise, o prejuízo de um “aplicativo médio” ficou na casa dos US$ 57 mil por mês no ano passado por causa das desinstalações, atitude que teve um aumento de 70% em 2020 se comparado com o ano anterior.

A alta geral registrada no prejuízo de aplicativos, puxada sobretudo pelos aplicativos de compras, se deu pela alta nos custos de instalação, o que também puxou a alta de fracassos de apps de finanças e apps sociais.

Armazenamento e qualidade

A pesquisa ressalta que as desinstalações também têm relação com o sistema do telefone. No Android, elas são duas vezes mais comuns do que no iOS, e a diferença se deve principalmente ao armazenamento reduzido do dispositivo Android padrão. Esse ainda é o caso em muitos mercados emergentes, como o Brasil, onde grande parte da população tem smartphones mais básicos, com um espaço limitado de armazenamento.

Como consequência, os usuários mantêm apenas os aplicativos que realmente usam.

Há também o fator qualidade a se considerar na sobrevivência de um aplicativo. Como a qualidade do dispositivo iOS padrão é maior do que a do dispositivo Android padrão, a experiência do usuário tende a ser melhor no iOS, seja em relação à performance, com menos travamentos, seja em relação à rede, que pode ser de baixa velocidade.

Como resultado, o iOS tem melhor engajamento e, por isso, menores taxas de desinstalação.

Benefícios de mensurar as desinstalações

Por tudo isso, as marcas devem se atentar para os níveis de desinstalação dos apps. Da perspectiva do marketing, mensurar as desinstalações e entender os motivos é essencial para a otimização o aprimoramento do recurso para atingir as expectativas do usuário. Do ponto de vista do produto, ter noção sobre as desinstalações ajuda a construir uma experiência de onboarding melhor e um engajamento de qualidade.

Além disso, entender as desinstalações também ajuda os desenvolvedores dos apps a tomarem medidas de privacidade e proteger os dados dos usuários.

Hoje, apenas um a cada quatro aplicativos mensuram desinstalação.

 


+ Notícias

A inovação que tememos é uma história mal contada

A excitante e reveladora evolução do sextech

Consumidor teme desemprego e reduz gastos com avanço da pandemia






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS