Dados e momentos: um papel para o design em um mundo hiperconectado

À procura de sentido para lidar com um mundo conectado e em mudança? Saiba como o design pode ajudar

Foto: Shutterstock

Um futuro hiperconectado muda nosso papel como criadores e como nos conectamos. Interfaces adaptáveis ​​são os únicos sistemas que podem se mover rápido o suficiente para nosso mundo em rápida mudança, e fazem isso de uma forma que inclui (por design) todo o espectro de experiências humanas, em diversas dimensões. Jason Cottrell, o CEO da Myplanet, trouxe ao SXSW Online, diversos conceitos para uma abordagem baseada em design para adequar dados e momentos à uma realidade conectada e digital.

Jason Cottrell é um estudioso dos momentos. O que é exatamente um “momento” na história de uma marca? Milhões de momentos nos atemorizam, nos surpreendem e por isso, em sua  visão precisamos compreendê-los, como forma de superar os desafios de entender o cliente. O fato é que não temos controle sobre os momentos, e todos eles são chances de nos incorrer em algum erro. De que forma podemos trabalhar a dinâmica dos momentos a nosso favor?

A resposta, segundo o especialista, está em uma abordagem de design. Em resumo, Jason defende o desenvolvimento de soluções cognitivas, que interpretem motivações e atitudes dos clientes e de que forma os elementos da tecnologia se combinam para realmente provocar e gerar atenção.

Leia também: Transformação digital é passado. Conheça as reais tendências de tecnologia de 2021 

O desafio de acompanhar momentos

Jason questiona se nossos softwares, as tecnologias que usamos, são velozes e capazes de responder às movimentações e decisões dos clientes. Os sistemas estão em mudança constante para acompanhar as alterações de foco desencadeadas em nossa mente em um mundo hiperconectado. O estudo dos momentos passa pela compreensão e análise de dados comportamentais e orquestração do que torna uma marca, um negócio, um produto diferente dos demais.

Em um mundo complexo e digital, produtos que fazem a diferença provocam diferenças em momentos marginais, permitem remodelar esses momentos e compreender melhor o uso e as atitudes dos clientes associadas a cada etapa da jornada.

“Nós realmente sabemos o que realmente funciona para cada cliente? Sabemos quais dos nossos diferenciais funcionam bem e efetivamente criam novas e excitantes experiências para os clientes?”, questiona o CEO da MyPlanet. Em sua visão, entender bem o que funciona e quando funciona, permite desafiar limites e andar mais rápido no sentido de aperfeiçoar a qualidade da experiências oferecida ao longo da jornada do cliente. Ele fala de sistemas compostos, para entender dados e mergulhar nos elementos que permitam verificar como agimos e reagimos nos canais de venda físicos, digitais e, sobretudo, híbridos.

A mudança está por toda parte, trazendo maior complexidade e nos obrigando a aprimorar os sistemas continuamente. Por isso, Jason afirma que é imprescindível questionar teorias estabelecidas, testando as tecnologias mais recentes e promovendo novas ideias, usar uma mentalidade orientada a design para moldar a forma como as organizações usam a tecnologia.


+ Notícias 

A inovação que tememos é uma história mal contada 

A excitante e reveladora evolução do sextech






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS