Incentivo financeiro é o principal interesse em programas de fidelidade

Pandemia faz consumidor preferir programas que ajudam a pagar contas do dia a dia; 65% preferem realizar compras com marcas que oferecem o benefício

Fonte: Pexels

Em tempos em que o consumidor usufrui de infinitas opções de marketplaces e canais de compra, os programas de fidelidade se mostram altamente relevantes para os negócios e suas marcas. Mas eles também são de incontáveis opções. Por isso, vale saber que no momento o incentivo financeiro é o principal interesse do consumidor neste tipo de programa.

De acordo com uma pesquisa da ABEMF (Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização) com a Locomotiva Instituto de Pesquisa, incentivos que ajudam a economizar dinheiro são a principal razão pela qual o consumidor participa de um programa de fidelidade. Precisamente, 71% dos participantes mostraram tal preferência – um número muito maior que os 23% de interesse em benefícios intangíveis, como experiências.

Para o presidente da associação, João Pedro Paro Neto, os números sugerem um reflexo do momento econômico vivido (afinal, o ambiente é de incerteza e o consumidor está com menos vontade de abrir a carteira).

“A imagem dos programas de fidelidade sempre foi muito ligada a boas experiências como viagens, serviços e benefícios exclusivos. Mas os brasileiros já compreenderam que eles podem fazer diferença, também, nas contas do dia a dia, até com pequenas quantidades de pontos e milhas. Em um cenário de incertezas econômicas, é natural que o participante passe a olhar mais para esse tipo de vantagem, que o permita economizar”, explica.

Outro dado importante da pesquisa se refere à aceitação geral que o consumidor tem sobre os programas de fidelidade. Atualmente, 65% dos participantes da pesquisa preferem realizar compras com marcas que oferecem o benefício, com 61% preferindo concentrar compras em uma mesma marca.

O estudo também mostra a importância do fator social da compra, com 72% dos consumidores indicando a amigos e parentes as marcas que ele consome com algum tipo de fidelidade.

Benefícios aprovados

No geral, o consumidor está satisfeito com o que resgata dos programas, com quase 80% afirmando experiências positivas. Boa parte deste número se deve ao fato de os programas darem a eles a chance de obter produtos e serviços que não teriam condições de pagar durante a pandemia, enquanto outros mostraram satisfação por poderem usar resgates para gastos diários, como supermercado e farmácia.

Sobre os itens resgatados, 63% optaram por descontos em compras; 46% por produtos de baixo valor, como utensílios para casa, brinquedos e outros; 35% trocaram por cashback; 13% por produtos de alto valor, como TVs, celulares e eletrodomésticos.

Como lembra a pesquisa, o fato de apenas 5% trocarem por passagens aéreas é um reflexo da pandemia, já que antes o número costumava ficar em torno dos 75%.

A pesquisa entrevistou 1.500 pessoas em todo o território nacional com diferentes perfis de consumo, como consumidores frequentes, que possuíam cadastro em três ou mais programas, e participantes esporádicos, cadastrados em até dois programas.

 


+ Notícias 

Transformação digital é coisa do passado. Conheça as reais tendências de tecnologia para 2021 

Dia Internacional do Consumidor: os esforços das marcas pela proximidade

Novas experiências: confira o Top 10 de inovação das varejistas






ACESSE A EDIÇÃO DESTE MÊS:

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

CM 262: O consumidor é phygital

CM 261: O respeito ao cliente é o caminho para 2021

Anuário: A omnicanalidade em todo lugar

VEJA MAIS