O olhar da geração Z para o namoro online e qual deve ser o futuro

Comportamento dos mais jovens em aplicativos de relacionamento mostra grandes mudanças

Foto: Shutterstock

A pandemia alterou diversos comportamentos e não apenas no mundo físico, mas também no virtual. Afinal, com o isolamento social e menos opções de lazer, as interações físicas diminuíram, mas o desejo das pessoas se relacionarem não. Com isso, o namoro online ganhou força no último ano.

O Tinder, o mais famoso aplicativo de relacionamento do mundo, analisou que, durante a pandemia, 60% dos membros buscaram o serviço porque se sentiam solitários e queriam se conectar com as pessoas, não por diversão, mas de maneira autêntica e verdadeira, uma marca da geração Z, que promete mudar e ditar novos comportamentos também no namoro online.

Geração Z, namoro online e autenticidade

Os nascidos a partir de 1995, segundo o pesquisador social australiano Mark McCrindle, autor de “The ABC of XYZ: Understanding the Global Generations”, os genZ, já são considerados disruptivos pela sociedade. Entre outras características, os membros desse grupo valorizam a autenticidade, querem ser donos do seu próprio negócio, não ligam para marcas ou nomes e usam a diversão e o entretenimento como meio de informação.

Como é possível imaginar, grandes mudanças de comportamento estão vindo dessa geração que tem no digital sua principal casa, já que nasceram e cresceram junto com a internet. A pesquisa do Tinder aponta algumas tendências:

1. Saindo da zona de conforto

Segundo dados do aplicativo de relacionamento, 60% dos membros foram ao Tinder porque se sentiam solitários e queriam se conectar com as pessoas, sendo que a geração Z buscava “pessoas novas e diferentes”, saindo da zona de conforto dos relacionamentos conhecidos.

Esse comportamento, apesar de existir, não é unânime entre as pessoas um pouco mais velhas do aplicativo, que buscam conhecer novas pessoas, mas também encontrar aquelas de seu círculo social.

2. Mais sinceridade

Além disso, dados também mostraram uma sinceridade maior vinda dessa geração. As menções de “ansiedade” e “normalizar”, por exemplo, aumentaram durante a pandemia (a primeira cresceu 31% e a segunda cresceu mais de 15 vezes).

Para o Tinder, esse comportamento mais sincero e autêntico tende a crescer conforme o número de pessoas da geração Z no aplicativo for aumentando. Isso porque falar sobre esses temas é uma marca da geração. Pessoas mais velhas do aplicativo, de acordo com os dados analisados, evitam se mostrar vulneráveis.

3. Conversas por vídeo

A geração Z também se voltou para chats de vídeo. Quase metade do Tinder conversou por vídeo com um match durante a pandemia e 40% planejam continuar usando o vídeo para conhecer pessoas, mesmo quando a pandemia acabar.

Em momentos de isolamento social, o vídeo se mostrou como formato ideal para o date ou namoro online, já que permite uma interação maior e mais espontânea, outra coisa muito buscada pelos jovens adultos.

Para a geração Z, o namoro online torna-se tão natural quanto os encontros do mundo físico. Durante a pandemia, entretanto, esse comportamento ganhou mais força, já que muitos pretendem continuar utilizando o aplicativo como maneira de se conectar com outras pessoas.

Por isso, além do uso mais intenso do Tinder, a empresa conseguiu mensurar mudanças de comportamento observadas durante o período de isolamento social, mas que têm potencial de continuarem existindo após esse momento.

A pandemia e as mudanças de comportamento

O impacto da pandemia de coronavírus em todo o mundo foi tão grande, em tantos âmbitos da vida social e econômica, que o namoro online promete ganhar força mesmo após o fim do período e os relacionamentos digitais chegam para ficar.

Se antes uma conversa era pano de fundo para um encontro real, o aplicativo também viu um aumento desse bate-papo: as conversas se tornaram 32% mais longas durante a pandemia do que no ano anterior.

Além disso, foram enviadas 19% mais mensagens por dia em fevereiro de 2021, em comparação com o mesmo mês do ano anterior. Ou seja, as pessoas estão conversando mais, fortalecendo o comportamento do relacionamento online.

A partir desses dados, o Tinder aponta algumas mudanças que podem ser previstas, em sua maioria, para continuar existindo mesmo após a pandemia. Nisso, a geração Z têm seu papel, já que começam a se relacionar agora, tendo o digital como plano de fundo da sua vida, inclusive nos relacionamentos.

O que esperar do namoro online e da geração Z

Nos próximos momentos, portanto, a geração Z irá ditar mudanças nos relacionamentos digitais. E essas alterações já estão por aí, acontecendo durante a pandemia, mas que irão durar mesmo quando for possível ter contato presencial.

Isso é o que o aplicativo de relacionamento prevê a partir dos dados analisados e pesquisas feitas com seus usuários.

De acordo com os dados e pesquisa da empresa, entre as principais mudanças esperadas estão:

  1. Pessoas serão mais honestas e autênticas: uma marca dos genZ que será levada em consideração por todas as idades;
  2. Os limites serão mais claros: preocupação com consentimento, por exemplo, cresce entre as pessoas mais jovens;
  3. Mais pessoas vão querer deixar acontecer naturalmente: espontaneidade e diversão se tornam marcas de comportamento no mundo físico e digital;
  4. Dates digitais continuam sendo uma realidade no novo normal: mesmo com a possibilidade de encontros presenciais, o namoro online continuará acontecendo por conta de todas as outras possibilidades que traz;
  5. Os primeiros dates serão mais sobre fazer algo do que sobre quebrar o gelo: a pesquisa mostrou uma maior vontade de viver experiências nos encontros, como fazer trilhas e piqueniques.
  6. Pequenos contatos físicos têm um grande impacto: apesar de o namoro online continuar existindo, o contato físico é visto como importante na retomada dos encontros presenciais, mesmo que pequeno, como segurar a mão ou dar um abraço;
  7. Pessoas vão procurar por quem está fisicamente mais perto: por mais que seja interessante conhecer pessoas diferentes, depois de um longo tempo sem contato presencial, estar por perto será algo valorizado.
  8. Uma avalanche de amor reprimido pode vir aí: assim que puderem, a geração Z estará nas ruas em seus encontros, depois de longos períodos sem conhecer pessoas novas.

 

É possível afirmar assim, que o namoro online chegou para ficar, sendo um ponto de contato entre o mundo digital e o físico, e utilizado como pontapé inicial dos relacionamentos. Porém, depois de tanto tempo em isolamento social, o presencial tende a ser tão importante quanto o match no aplicativo em um segundo momento. O que deve mudar são os comportamentos, mais sinceros e autênticos, graças à geração Z.


+ Notícias 

Mini Weddings: a tendência de casamento trazida pela pandemia 

Como cada geração está se relacionando com o consumo de conteúdo na pandemia 






ACESSE A EDIÇÃO DESTE MÊS:

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

CM 262: O consumidor é phygital

CM 261: O respeito ao cliente é o caminho para 2021

Anuário: A omnicanalidade em todo lugar

VEJA MAIS