Projeto Launchpad, da Disney, prioriza diversidade com oportunidade para pequenos cineastas

O projeto abre espaço para seis pequenos cineastas produzirem curtas-metragens, com mentoria de executivos diversos, como Pixar, LucasFilms e Marvel Studios

Foto: Shutterstock

Encontrar espaço nas grandes produtoras, estúdios, canais e streaming de filmes e séries pode ser uma tarefa árdua para os pequenos cineastas. No início, é difícil conseguir parceiros, realizar contratos para que o produto possa ser disponibilizado e comercializado. Pensando nisso, a Disney +, plataforma de streaming da Disney Company, criou o projeto Launchpad: uma coleção de curtas-metragens de uma geração nova de contadores de história, pequenos cineastas.

Recentemente a plataforma divulgou o trailer e a arte oficial do Launchpad. Os seis curtas escolhidos já estão disponíveis no streaming e a empresa já divulgou que fará uma segunda temporada do programa, o que abre espaço para que novos cineastas possam produzir dentro da plataforma, com maior alcance.

Inclusão de pequenos cineastas em estúdios de grande destaque

Para a primeira temporada de Launchpad, com o tema “Descobertas”, a Disney selecionou seis pessoas entre os mais de 1100 candidatos dos EUA. Além de compartilharem perspectivas e visões criativas, cada um dos cineastas recebeu uma mentoria de executivos das várias marcas da companhia, tais como Disney+, Lucasfilm, Marvel Sturios, Pixar, Walt Disney Animation Studios e Walt Disney Motion Picture Production.

Com isso, a empresa teve como objetivo principal a inclusão de novas pessoas, de forma não apenas a ceder espaço, mas também de diversificar as histórias contadas, além de dar acesso aos que historicamente não o tiveram. Para isso, o programa incentiva e prioriza a entrada de mulheres, cineastas negros, pessoas da comunidade LGBTQ e com deficiências.

“Este primeiro grupo de curtas desses seis cineastas talentosos nos deixou sem fôlego. Eles são emocionantes, provocativos e divertidos, e cada um deles transmite uma perspectiva única sobre a vida nos EUA hoje e as coisas que você aprende sobre si mesmo e os outros quando segue seu próprio caminho”, explica Mahin Ibrahim, Diretor de Diversidade e Inclusão da Disney.

Após a produção dessa primeira etapa, a companhia já anunciou que haverá a produção de uma segunda temporada, com inscrições online de 10 de maio a 11 de junho. De acordo com o site oficial do programa, podem se inscrever roteiristas e diretores. O tema principal é “Conexão” e, assim como na temporada anterior, serão desenvolvidos seis projetos originais, com exibição inicial pela plataforma de streaming. O programa terá início em dezembro de 2021.

Para participar, é necessário fazer o cadastro pelo site oficial, ter o direito irrestrito para ser contratado nos Estados Unidos pela duração do programa, ter mais de 21 anos e ter produzido ao menos uma narrativa de no mínimo cinco minutos nos últimos oito anos.

A importância de trazer diversidade desde o início

Pessoas diferentes tem, por consequência, pensamentos diferentes. Isso tem sido notado cada vez mais nos filmes em todo o mundo, mesmo fora da Disney: em 2017, Moonlight (À Luz da Lua) recebeu o Óscar de melhor filme e foi dirigido e estrelado majoritariamente por pessoas negras.

No caso da Disney, cada vez mais as animações trazem personagens diversos e mulheres em posições mais justas, a ver por sucessos, como Moana, Frozen e Valente, por exemplo. Na Pixar, essa progressão tem acontecido com mais frequência nos últimos anos, como ocorre em Soul. Até mesmo nas grandes produções cinematográficas, tais como os filmes da franquia de Star Wars e da Marvel Studios, a diversidade tem atingido tanto o elenco quanto quem trabalha por trás das câmeras.

Trazer cineastas diversos faz com que as produções também passem ao público uma inclusão de pessoas diferentes por meio das telas. “Estou animado para compartilhá-los com vocês, e estou ansioso para dar as boas-vindas a um novo grupo de cineastas de origens pouco representadas em nossa próxima temporada de Launchpad da Disney”, destaca Ibrahim.  E a proposta da Disney é justamente trazer essa diversidade desde o início, além de incentivar a entrada dos pequenos cineastas em um mercado com maior alcance.


+ Notícias

Enfim, um final feliz para Disney e Fox?

Disney+ vai superar Netflix em assinantes até 2026, aponta consultoria




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS