Carrefour anuncia diversas ações de combate ao racismo

Grupo ganha destaque na luta pelas questões raciais; um exemplo a ser seguido

Foto: Pexels

Após o episódio pelo qual Grupo Carrefour passou, que resultou na morte do civil João Alberto em uma das unidades da companhia, em Porto Alegre (RS), em novembro de 2020, a empresa resolveu assumir uma nova política com suas parceiras. Nesta quarta-feira (28), a empresa lançou o projeto Juntos Para Transformar, movimento que tem como objetivo reforçar as iniciativas da rede em combate ao racismo. Com a hashtag #NãoVamosEsquecer, a companhia anunciou uma série de ações que visam tratar o preconceito.

Para realizar o movimento Juntos Para Transformar, a empresa criou diversas campanhas publicitárias sobre o combate ao racismo. Outras ações envolvem a criação do Fundo de Diversidade e Combate à Discriminação Racial, a inserção de uma “cláusula antirrascista” em todos os contratos com fornecedores, investimentos na segurança interna das unidades, entre outras.

59% da população brasileira se declara negra

Entre as ações da empresa, o Grupo Carrefour encomendou um estudo sobre o racismo no Brasil. O levantamento realizado pelo Instituto Locomotiva mostra que mais da metade da população se considera negra e 84% dos entrevistados consideram o Brasil como um país racista.

Embora uma representativa parcela dos entrevistados tenha respondido que considera o país racista, um dado chama a atenção: apenas 4% se autodeclararam pessoas preconceituosas. Isso mostra como boa parte da discriminação de pessoas negras ainda é bastante velada no país, algo que necessita constante aprendizado e educação.

O estudo também revela que o entendimento sobre o que configura racismo ainda é algo a ser desenvolvido na sociedade: 59% dos entrevistados acreditam que pessoas brancas também são vítimas de discriminação racial, fator que mostra o quanto o debate ainda precisa evoluir.

Por fim, um outro destaque feito pelo estudo diz respeito à representatividade: 86% da população acredita que publicidades que tragam pessoas negras são contribuições importantes para a luta contra o racismo.

Conheça algumas das ações desenvolvidas pela empresa

Entre as principais ações da companhia está a campanha #NãoVamosEsquecer, lançada nesta quarta-feira (28). Ao todo, a empresa lança três vídeos de 15, 30 e 45 segundos que mostram as ações do Grupo Carrefour para com o combate do racismo no Brasil. Os filmes estarão presentes em canais de TV aberta em horário nobre.

A produção dos filmes foi feita com a parceria da Publics e a consultoria do Plano Feminino. O conteúdo traz homens e mulheres negros, apresenta as ações já desenvolvidas pela empresa e as futuras, assumindo tolerância zero com o preconceito de raça no Brasil — sobretudo dentro de suas lojas.

Ações também estão descritas no site oficial da campanha.

  • Fundo de Combate à Discriminação Racial: a empresa investiu um total de 40 milhões de reais para o combate do racismo no Brasil. O fundo será destinado a ações de impacto na sociedade, como investimento em empregabilidade, educação e empreendedorismo para pessoas negras. Além do incentivo para a ascensão dessas pessoas, o fundo também terá parte do investimento destinado à educação da sociedade no combate à discriminação racial, por meio de campanhas e fóruns virtuais sobre o tema.
  • Cláusula Antirracista para fornecedores: a empresa anunciou que todos os contratos com fornecedores terão uma cláusula antirracista, que aponta que, caso o fornecedor apresente qualquer atitude discriminativa, o contrato será rompido e haverá pagamento de multa. O Grupo Carrefour destacou, em seus canais, que a cláusula já vem sendo aplicada desde janeiro de 2021 e agora foi estendida a toda a base.
  • Negros na liderança: o Grupo Carrefour se comprometeu a financiar qualificação diferenciada para 100 negros e negras todos os anos dentro da empresa, de modo a acelerar a carreira para que essas pessoas cheguem mais rápido a cargos de liderança.
  • Contratação justa: a empresa destacou que haverá um percentual mínimo de 50% de pessoas negras na contratação de novos funcionários. Além disso, o Grupo Carrefour também abrirá um programa de estágio e de trainees exclusivos para negros.
  • Transformação do modelo de segurança do Carrefour Brasil: além das ações citadas acima, uma das primeiras mudanças implementadas pela companhia iniciar, logo após o ocorrido com João Alberto, o piloto de internalização da segurança das áreas internas das quatro lojas da região de Porto Alegre. Houve revisão do modelo de contratação, treinamento e protocolos de gestão das equipes de segurança, algo que tem se espalhado nas unidades de todo o país.

 


+ Notícias

Starbucks interrompe operação nos EUA por polêmica sobre racismo

Acusada de racismo, a loja de departamento H&M retira anúncio de site






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS