Comportamento

Bem-estar: brasileiros encaram mercado de Wellness como prioridade

O Brasil é um mercado que se destaca em alguns setores da economia, sobretudo pela cultura. Um deles é o mercado de bem-estar, conhecido também como Wellness, ao qual os brasileiros tendem a investir e utilizar com bastante frequência, à frente de outros países do mundo.

É o que diz o recente estudo “Feeling Good: The future of the $1.5 trillion wellness Market” (“Sentir-se bem: o futuro dos $1,5 trilhões do mercado de bem-estar”), da McKinsey. De acordo com a pesquisa, feita com 7,5 mil consumidores em seis países, 79% dos entrevistados acreditam que o bem-estar é importante e 42% consideram isso como uma grande prioridade.

No Brasil, a penetração do mercado é ainda maior. “Quando comparamos com países como os Estados Unidos, o Reino Unido, vemos que o tema de Wellness entra em 40% ou 50% nas top prioridades da vida das pessoas. No Brasil, nas nossas pesquisas, o futuro de Wellness entra como 75%, é um destaque desproporcional na importância que esse tema vem ganhando”, explica Mariana de Paiva Guimarães, associate partner da McKinsey & Company.

Expansão do que é bem-estar

A preocupação com o bem-estar e o entendimento do tamanho do mercado passou por algumas mudanças — fator que também ampliou as projeções de faturamento, diz o estudo. Hoje, o mercado de Wellness compreende seis categorias: saúde médica, saúde física, nutrição, estética e aparência, qualidade do sono e bem-estar psicológico — esse último conhecido também como “mindfulness”.

“Alguns anos atrás, o bem-estar era visto como a saúde médica, no sentido de estar com um bom funcionamento do corpo e fazer uma academia, com exercício físico. Era um conceito bem restrito e agora houve uma ampliação, bem-estar é sono, é saúde mental, nutrição etc.”, explica Mariana.

Ela ressalta também que a ampliação do conceito contribui para que o mercado cresça, assim como a mudança na forma como o consumidor enxerga o bem-estar em sua vida. “Isso passou a ser uma prioridade de fato na vida do consumidor, estar se sentindo bem e estar bem consigo mesmo passou a ter uma importância muito relevante na vida das pessoas e isso se traduziu na forma como as empresas engajam seus funcionários e criou um ambiente que propicia e estimula essa prática.”

Em todas as seis categorias, a expectativa global do mercado é que haja crescimento de 5 a 10% em 2021. E o motivo para o aumento, explica Mariana, está relacionado a uma importância gradativa sobre a importância de sentir-se bem. “Essa é uma tendência que já vinha de dois a três anos, a Covid-19 só aumentou a consciência e as intenções para frente. Não é um tema novo, ele só foi reforçado. Cada vez mais as empresas vão ter que se mover para atuar sobre isso e repensar como elas posicionam os produtos.”

O mercado de Wellness no Brasil

No Brasil, o crescimento do mercado de bem-estar apresentou um crescimento ainda maior durante a pandemia. O estudo mostra que o investimento do brasileiro chega a ser duas vezes maior que os outros países pesquisados.

“A tendência de crescimento dessa preocupação no Brasil é muito maior. Estimamos, por meio da pesquisa, que o brasileiro gaste em média 1.200 reais por ano com bem-estar. Isso, quando fazemos uma relação per capita, é duas vezes maior do que o gasto em outros países. Ou seja, não só o tema é maior, como também isso se reflete na disposição de como o brasileiro está disposto a gastar”, destaca Mariana.

Por causa da pandemia, além de investir nas categorias voltados à exercício físico e aparência, Mariana explica que o brasileiro passou também a investir em saúde médica. “A gente sempre soube que brasileiro se preocupa muito com o mundo fitness, de aparência. Mas o curioso é que, na nossa pesquisa, nesse momento de Covid-19, as dimensões que mais se destacaram dentro dessa penetração da disposição de gastar foi a de saúde médica. Isso tem um pouco a ver com o valor desses serviços aqui, mas você vê que, em outros países, dimensões como a aparência e até mindfulness, tem uma relevância desproporcionalmente menor do que tem para o brasileiro.”

E a tendência, explica a pesquisa da McKinsey, é que esse gasto se mantenha ou aumente, englobando todas as categorias do mercado de Wellness. “Vimos que mais ou menos 50% dos consumidores estão dispostos a gastar mais, a aumentar o que eles já gastam com o corpo e com a mente. 30% deles não pretendem aumentar o gasto, mas querem manter o que despendem hoje. Ou seja, 80% dos consumidores vai ou manter ou aumentar o que eles têm gastado com Wellness no pós-pandemia”, completa.

De acordo com o estudo, entre todas as seis categorias do mercado, apenas a de nutrição tem baixa aderência no Brasil, algo que está começando a mudar, mas terá que percorrer um longo caminho. “Estamos caminhando só agora para nos importar com uma alimentação melhor e gastar mais com esses alimentos. Isso já é muito mais evoluído lá fora, aqui estamos alguns passos para trás”, conclui Mariana.

As gerações e o contato com o mercado de Wellness

A nível global, a pesquisa mostra que a relação de consumo muda de acordo com as gerações. Entre as tendências destacadas, o uso de produtos mais naturais chama a atenção e isso vale especialmente para as gerações mais novas, como os Millennials e a Geração Z.

“Essa consciência de que você precisa estar bem consigo mesmo veio muito com a geração dos millennials e a geração Z. Se você pensar, toda essa pegada de aparência natural, de trabalhar e usar materiais orgânicos, veganos, é ainda mais proeminente nessas gerações”, explica Mariana.

A pesquisa também aponta que a personalização é algo recorrente em todas as gerações. No Reino Unido, Estados Unidos e Alemanha, mais de 88% dos consumidores priorizam um produto ou serviço personalizado com mais frequência do que desejavam dois ou três anos atrás.


+ Notícias

Busca pelo bem-estar: como conteúdos motivacionais podem gerar dependência emocional

A distância entre saúde e bem-estar no pós-pandemia

Luiza Vilela

Postagens recentes

O que o setor de moda e beleza está preparando para o metaverso?

Iniciativas de grandes players do mercado já estão em estágio avançado

14 horas ago

Na Via, o varejo se transforma em ponto de experiências

Na Via, tecnologias, omnicanalidade e novos serviços impulsionam experiências e satisfação dos clientes; confira os…

14 horas ago

Tendências da Inteligência Artificial nos negócios e na sociedade

Vinte anos atrás a Inteligência Artificial (IA) era coisa de filme. Agora, ela não só…

15 horas ago

Sala Ágil: conheça uma das apostas do Bradesco para a solução de demandas com o consumidor

Durante A Era do Diálogo deste ano, Nairo Vidal, diretor e ouvidor do banco, falou…

16 horas ago

Milhares de sites olham os seus dados antes de você clicar em “enviar”

Um levantamento mostra que milhares de sites olham as informações dos usuários durante o preenchimento…

20 horas ago

Experiência do colaborador: dados aproximam gestores de liderados e aumentam produtividade

Olhar para a experiência do funcionário é essencial para entregar um produto ou serviço diferenciado…

24 horas ago

Esse website utiliza cookies.

Mais informação