Comportamento

Salário médio das mulheres aumenta nos últimos dois anos

Cada vez mais as mulheres avançam no mundo corporativo de forma a atingir uma equidade para com os homens, seja em cargos de liderança, em igualdade salarial ou mesmo na ascensão de cargos que não eram comuns a ambos os gêneros. Ainda que o processo seja lento — e que seja preciso caminhar muito mais à frente para garantir que o mundo dos negócios seja, de fato, igualitário —, uns avanços já podem ser comemorados, e o ajuste salarial é um deles.

Segundo pesquisa do Vagas.com, a remuneração média dobrou em relação à dos homens. Embora elas continuem recebendo menos pelo mesmo trabalho desempenhado, de acordo com dados recentes analisados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), houve um aumento no salário médio recebido pelas mulheres.

O estudo mostra que, de 1998 a 2018, o salário médio delas era de R$ 3.232. Nos últimos dois anos, entretanto, houve um salto pra R$ 3.814, o que representa um crescimento de 18%. No mesmo período, o aumento registrado na remuneração dos homens foi inferior: 8,64%.

Uma busca contínua por equidade salarial

Ainda que o salário médio tenha crescido entre as mulheres, elas ainda recebem menos do que os homens — mesmo que ocupem o mesmo cargo. De acordo com o Vagas.com, enquanto elas recebem, em média, R$ 3.814 em 2021, eles recebem uma média de R$ 4.422, uma disparidade de 14%.

A pesquisa mostra, também, que essa diferença hoje é menor do que nos outros anos. Em 2018, diz o Vagas.com, a disparidade entre os gêneros era de 21%, ou seja, houve uma redução em sete pontos percentuais nos últimos dois anos.

O motivo do aumento, além da pressão por um mercado de trabalho mais justo, também tem bastante relação com o aumento do nível de estudo. Hoje, as mulheres compreendem 63% dos pós-graduados brasileiros e 59% já possuem ensino superior. No ensino profissionalizante, um ambiente predominantemente masculino, também foi dominado por elas: 54%.

Um dos maiores motivos para o desbalanceamento, diz a pesquisa, é a falta de equidade de gênero dentro das empresas. Um levantamento da Delloite, realizado em 2020, destaca que apenas 8,6% dos cargos de liderança são ocupados por mulheres.

 


+ Notícias

Percentual de mulheres em cargos de liderança dobrou nos últimos anos

Empresas com mulheres em cargos de liderança têm melhor desempenho

Luiza Vilela

Postagens recentes

O que o setor de moda e beleza está preparando para o metaverso?

Iniciativas de grandes players do mercado já estão em estágio avançado

14 horas ago

Na Via, o varejo se transforma em ponto de experiências

Na Via, tecnologias, omnicanalidade e novos serviços impulsionam experiências e satisfação dos clientes; confira os…

15 horas ago

Tendências da Inteligência Artificial nos negócios e na sociedade

Vinte anos atrás a Inteligência Artificial (IA) era coisa de filme. Agora, ela não só…

15 horas ago

Sala Ágil: conheça uma das apostas do Bradesco para a solução de demandas com o consumidor

Durante A Era do Diálogo deste ano, Nairo Vidal, diretor e ouvidor do banco, falou…

17 horas ago

Milhares de sites olham os seus dados antes de você clicar em “enviar”

Um levantamento mostra que milhares de sites olham as informações dos usuários durante o preenchimento…

20 horas ago

Experiência do colaborador: dados aproximam gestores de liderados e aumentam produtividade

Olhar para a experiência do funcionário é essencial para entregar um produto ou serviço diferenciado…

1 dia ago

Esse website utiliza cookies.

Mais informação