Estudo revela que acordar mais cedo pode reduzir o risco de depressão

A pesquisa de Havard foi feita com mais de 840 mil pessoas, a partir de rastreio genético e formulários

Foto: Pexels

Alguns hábitos mais saudáveis são capazes de reduzir (e muito) determinados riscos de saúde. Uma das rotinas mais reconhecidas é a do sono, capaz não apenas de revigorar o corpo, como também, de reduzir transtornos psicológicos. O que surpreende, no entanto, é que acordar uma ou duas horas mais cedo pode reduzir consideravelmente a chance de desenvolver depressão.

O recente estudo da Universidade do Colorado em Boulder e do Instituto Broad, de Harvard e do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachussets), destacou que pessoas que acordam uma hora mais cedo que o habitual — para quem tem o hábito de acordar mais tarde — podem reduzir o risco de depressão em até 23%. Para quem se levanta duas horas mais cedo, esse risco é ainda menor: 40%.

O estudo analisou dados de 840 mil pessoas para entender bem os motivos pelos quais acordar mais cedo reduz a chance de desenvolver depressão, sobretudo com base nas predisposições genéticas. A partir disso, os cientistas descobriram que o cronotipo — também conhecido como relógio biológico — influencia no surgimento da depressão. Ou seja, manter uma rotina biológica mais saudável e acordar mais cedo pode evitar que o cérebro adoeça.

A importância de acordar cedo para reduzir a depressão

A partir do estudo, os cientistas notaram que a exposição à luz solar também auxilia bastante na rotina de sono, sobretudo por produzir melatonina. Assim, acordar um pouco mais cedo pode garantir um pouco mais de exposição ao Sol, essencial para o bom funcionamento do corpo.

“Já sabemos há algum tempo que existe uma relação entre os horários de sono e o humor, mas uma pergunta que ouvimos com frequência é: o quanto mais cedo precisamos dormir e acordar para notar, de fato, um benefício?”, destaca Celine Vetter, que está entre as autoras da pesquisa.

Visto que a depressão é um transtorno que pode se desenvolver lentamente, evitar comportamentos que a tornem mais propícia — especialmente em períodos intensos, como o de isolamento social — é um comportamento bastante importante. Isso também influencia nas horas dormidas: ter um bom desempenho no trabalho é algo que está muito atrelado a uma qualidade de sono.

No entanto, ainda que uma boa noite de sono seja recomendada e que seja importante dormir e acordar mais cedo, é importante destacar que a genética das pessoas pode ser um percalço nesse caminho.

“Nossa genética é definida desde o nascimento, então algumas predisposições que interferem em outros tipos de pesquisa epidemiológica tendem a não afetá-los”, afirmou em comunicado Iyas Daghlas, principal autor do estudo. O cronotipo, por exemplo, está entre os fatores moldados pelos genes.

Assim, quem tem predisposição genética para dormir e acordar mais cedo — as famosas pessoas diurnas — tem, também, menos risco de ter depressão. No entanto, o estudo já sugere que tentar adequar a rotina para dormir algumas horas mais cedo também reduz o risco entre as pessoas mais notunas.


+ Notícias

Trabalho remoto está tirando o sono dos brasileiros; e isso precisa mudar

Insônia é considerada epidemia: como melhorar a qualidade do sono






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS