Lembra do Faceapp? O aplicativo reapareceu em um processo na Justiça contra a Apple

A Apple trava uma batalha judicial contra o Procon São Paulo por causa do Faceapp. Confira o motivo

A Justiça de São Paulo manteve a multa aplicada pelo Procon-SP contra a Apple Computer Brasil por causa de irregularidades na oferta do aplicativo de envelhecimento Faceapp. Em agosto de 2019, a Apple foi multada por disponibilizar em sua loja o app com informações apenas em língua estrangeira. O Código de Defesa do Consumidor (CDC) prevê que a informação adequada, clara e em língua portuguesa é um direito básico.

De acordo com o Procon, a Apple entrou na Justiça pedindo a anulação da multa alegando, entre outros motivos, que não seria a verdadeira responsável pela loja de aplicativos Apple Store. Além disso, a companhia alega que a atividade principal da Apple no Brasil é a venda, importação e exportação de computadores, equipamentos de telecomunicações, multimídia e outros correlatos. Por fim, a companhia alegou que não seria a responsável pelo desenvolvimento, distribuição ou oferta do aplicativo.

“Além disso, como o aplicativo foi concebido para usuários de várias nacionalidades, não seria razoável exigir que todas as informações fossem traduzidas para cada uma delas”, afirma a companhia .

O juiz de direito Sergio Serrano Nunes Filho, da 1ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo, julgou o pedido da Apple improcedente e manteve a sanção aplicada. Na decisão, o juiz afirma que a empresa é a responsável por escolher o aplicativo que disponibiliza em sua plataforma e por oferecê-lo ao consumidor. O magistrado observou ainda que a Apple figura como verdadeira fornecedora dos aplicativos e não apenas como intermediária no negócio entre desenvolvedor e os usuários. Deste modo, responde solidariamente pelas infrações.

O juiz afirma ainda que, ao atuar no mercado brasileiro, os “Termos de Uso” e “Política de Privacidade” devem ser redigidos em língua portuguesa.

Cláusulas Abusivas

A sanção no valor de mais de R$7,7 milhões também foi motivada porque a empresa estabelecia cláusulas abusivas em sua “Política de Privacidade” e em seus “Termos e Serviços”.

Uma das cláusulas previa a possibilidade de compartilhamento dos dados do consumidor com outras empresas; outra estabelecia que os dados poderiam ser transferidos para países sem as mesmas leis de proteção de dados que as do país de origem.

Também havia previsão de que conflitos entre usuários e as empresas seriam resolvidos não por meio judicial, mas por um serviço realizado no condado de Santa Clara, na Califórnia. A Apple estabelecia ainda cláusula que isentava suas responsabilidades por vício (problema) de qualquer natureza do produto ou serviço disponibilizado.

“Está aí a prova de que a intervenção do Procon-SP foi necessária para coibir irregularidades na oferta de um aplicativo aparentemente inofensivo, mas que estava colocando em risco informações valiosas e privadas do consumidor brasileiro. Estamos atentos a toda e qualquer tentativa de burlar as leis que protegem nossos cidadãos”, afirma Fernando Capez, diretor executivo do Procon-SP.


+ Notícias

Banco Central estuda criar ranking de reclamação para cada serviço financeiro

Banco digitais: modernos, porém com desafios no relacionamento com o cliente

Cresce interesse pela conciliação privada – e diminui a procura pela pública

OAB lança campanha contra a pretensão resistida






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS