Facebook derruba 39 milhões de postagens feitas via app brasileiro

Medida deixa centenas de negócios sem ferramentas de dados e automação do marketing

Fonte: Unsplash

Nesta quinta-feira (10), o Facebook apagou postagens de cerca de 330 mil empresas que comercializam em sua rede por meio de um app chamado mLabs — uma plataforma SaaS para gestão de redes sociais. Ao todo, foram mais de 39 milhões de posts.

À solução tecnológica, que é parceira da Stone, a rede social justificou os apagamentos afirmando que as postagens violavam suas regras. Segundo o Facebook, a mLabs não poderia autorizar o agendamento das postagens, conforme avisado em seu blog para desenvolvedores. Os agendamentos deveriam ter sido autorizados via API (software de interface entre sistemas) após análise prévia feita pelo Facebook.

Para o Facebook, portanto, a mLabs estaria coletando dados de usuários da rede social sem autorização.

A mLabs disse que a medida prejudica, além de milhares de empreendedores, um número considerável de órgãos públicos, entidades não governamentais e autônomas da sociedade civil que utilizam seus para veicular conteúdos de ampla utilidade pública e social. As exclusões, portanto, afetam desde o pequeno empresariado a hospitais e governos.

Além de ocultar as postagens nas fan pages feitas por intermédio da plataforma, o Facebook desativou o app de desenvolvedor da mLabs que é homologado há mais de seis anos pela própria rede social. As páginas comerciais da mLabs no Facebook e Instagram, bem como sua comunidade fechada (grupo no Facebook) e os perfis dos fundadores e administradores da integração do app com a rede social também foram apagados.

A mLabs salienta que esta é uma situação similar a um ocorrido em março de 2019, quando posts de seus clientes foram ocultados de suas páginas e reestabelecidos pelo próprio Facebook dois dias depois. À época, a rede social entendeu que uma postagem feita por meio da mLabs infringia suas regras.

(Des)tratos com dados

Um vergonhoso escândalo com dados dos usuários no caso Cambridge Analytica, diminuição nos números de novos usuários nos EUA e Canadá, investigação antitruste sobre uso de informações, evidências claras de propagação de notícias falsas e algoritmos enviesados. Estas são algumas das preocupações que rondam a entrada do Facebook na década de 2020 que se abre diante de um mundo com cerca de metade das pessoas esperando para se conectar e socializar nas redes sociais.

A maior rede social do mundo atualmente enfrenta pressão por transparência. Só no Brasil, recentemente, o Facebook levou uma multa no valor de R$ 6,6 milhões aplicada pela Senacon (Secretaria Nacional do Consumidor) diante da acusação de prática abusiva. A Senacon entendeu que o Facebook carece de informações claras e transparentes – tanto a respeito de sua política de privacidade, como a respeito de como o usuário poderia exercer o controle da sua privacidade.

No caso da mLabs, o problema com o Facebook recai novamente à clareza sobre suas políticas de privacidade e relação com os usuários — mas, dessa vez, aos prestadores de serviços na rede. A empresa brasileira diz que há pouco espaço para diálogo, uma vez que a decisão dos cortes vem dos EUA. A empresa ressalta a mesma mensagem do Facebook em seu blog para desenvolvedores como sinal verde de que iria liberar APIs para que os apps pudessem prestar os serviços de postagens agendadas no lugar do usuário.

Ferramentas de dados e automação do marketing

Já não é mais segredo que é fundamental aproveitar ferramentas de insights e incluir o uso de dados nos processos para prosperar nos negócios. O poder disruptivo dos dados se tornou questionável. Interpretar o consumidor ganha uma série de alternativas e soluções com ferramentas que trazem este poder.

Plataformas como a mLabs, por exemplo, auxiliam na gestão de redes sociais com o agendamento de postagens, geração de relatórios, visão de workflow e gestão de comunidades, gestão de inbox, WhatsApp e planejamento de posts — sem falar em análises de concorrentes. Outros recursos de conhecimento dos comportamentos do consumidor e da audiência oferecidos por ferramentas de automação de marketing incluem histórico, ROI de campanhas, palavras-chave e classificação de comentários por sentimento positivo ou negativo.

Assim, ferramentas de dados e automação de marketing dão suporte ao entendimento e atendimento ao cliente, dando segurança ao lançamento de produtos ou renovações em planos de vendas a partir do uso de soluções que ouvem e transmitem as mensagens do consumidor para a empresa, identificando também padrões e tendências.

 


+ Notícias

Algoritmos enviesados do Facebook mantêm diferenças de gênero

Facebook será a primeira rede social a entrar no Consumidor.gov.br






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS