Renner renova modelo de loja com foco ESG e digital

Loja a ser inaugurada expressa histórico de esforço na economia circular e corte de emissões, além de propor experiência de compra com mais possibilidades omnicanal

Fonte: Renner

A Renner abrirá uma loja conceito de modelo sustentável no último trimestre deste ano. A flagship, que vem sendo estudada desde 2019, está prestes a se tornar realidade em um momento de alta das pautas ESG e está alinhada aos propósito de moda responsável com sua jornada de transformação digital em tempos de profunda reformulação dos espaços físicos.

Baseada no conceito de circularidade e omnicanalidade no ponto de venda, a loja a ser inaugurada no Rio de Janeiro foca em uma experiência de compra ainda mais sustentável, em paralelo à ambição de uma experiência inovadora e encantadora aos clientes.

A unidade, na verdade, é a reinauguração da loja situada no shopping Rio Sul.

“A Renner tem uma sólida estratégia ESG, com iniciativas voltadas para a produção de peças menos impactantes, redução das emissões de CO2, consumo de energia limpa e eficiência energética. Agora, avançamos ainda mais ao ampliar a presença de atributos de circularidade no ponto de venda, de forma pioneira no mercado”, comenta o diretor presidente da Lojas Renner, Fabio Faccio.

De acordo com a Renner, a flagship usará 55% menos água do que as lojas atuais, além de impactar menos o aquecimento global em função da diminuição de geração de resíduos e materiais. Todo o mobiliário da loja é oriundo de economia circular.

A loja conceito

Ao expressar valores da marca como qualidade da cadeia de valor e consumo consciente, a unidade a ser inaugurada no Rio Sul terá uma proposta arquitetônica de acordo com as premissas do design circular e seguindo os preceitos das certificações internacionais LEED e BREEAM. A fachada, por exemplo, será permeável e terá um nível de transparência que permite maior visualização entre a área externa e o interior. O ambiente interno terá plantas e elementos naturais, enquanto o mobiliário será circular dos manequins aos caixas.

Quanto às roupas e itens de moda, a loja conceito terá um espaço exclusivo dedicado a iniciativas circulares com destaque para os produtos do Selo Re, que geram menor impacto ambiental em seu processo produtivo, e aos serviços de logística reversa pós-consumo disponibilizados pela Renner. Entre os exemplos de produtos com o Selo Re da marca estão roupas com fio reciclado, roupas feitas com a fibra renovável Liocel, do tecido de celulose sem agroquímicos Modal, roupas de viscose certificada, peças de poliamida biodegradável e algodão responsável.

Além do foco na sustentabilidade, a loja dará visibilidade a iniciativas do ciclo digital da companhia, que vêm sendo implementadas para melhorar a jornada de compra e qualificar o relacionamento com os consumidores. Como exemplo, estão as telas com a Prateleira Infinita, que disponibilizam itens do estoque omnicanal da Renner, assim como telas com conteúdos sobre moda e sustentabilidade. Dessa maneira, a Renner espera dar ao cliente mais omnicanalidade para conhecimento de produto, origem, matérias-primas, processo e história das coleções.

Muito antes de ser “modinha”

A Renner já vinha trabalhando em projetos de sustentabilidade e promoção de bem-estar social muito antes da alta do ESG vinda com a pandemia. A própria loja conceito a ser aberta no Rio de Janeiro começou a ser estudada quando ela já tinha firmado um acordo de compromisso o clima junto à B3, em 2019. Segundo a marca, o novo modelo de loja circular representa mais um passo em sua evolução de moda responsável, do desenvolvimento dos produtos e cadeia de valor ao impacto das lojas físicas e pós-consumo.

O ano de 2019, aliás, foi emblemático à agenda ESG da marca. Naquele ano, além da B3, ela se comprometeu com a campanha da ONU para metas de redução de emissões, além de ter aderido ao Fashion Industry Charter for Climate Action, compromisso também criado pela pelas Nações Unidas, cujo objetivo é reduzir as emissões do setor de moda em 30% no mundo até 2030.

Segundo a Renner, suas lojas seguem padrões de responsabilidade ambiental com certificação LEED desde 2014. Em 2016, 100% das suas emissões de CO2 já eram neutralizadas. Desde 2017, a marca investe no Selo Re. Seu programa de logística reversa vem sendo desenvolvido há dez anos, e já coletou cerca de 155 toneladas de itens descartados, entre embalagens e frascos de itens de perfumaria e beleza e peças de roupa em desuso. Em 2020, a marca iniciou uma parceria com o brechó online Repassa para ampliar o ciclo de uso de produtos e reforçar sua logística reversa.

Todas estas iniciativas e projetos têm como diretriz principal os compromissos públicos assumidos pela Lojas Renner para 2021: ter 80% dos produtos menos impactantes, sendo 100% do algodão certificado; suprir 75% do consumo corporativo de energia com fontes renováveis de baixo impacto; reduzir em 20% as emissões de CO2 em relação aos níveis de 2017; e ter toda cadeia nacional e internacional de fornecedores com certificação socioambiental.

 


+ Notícias 

OMO anuncia primeira embalagem feita à base de papel

Logística reversa ganha força com produção no setor têxtil






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS