Passo a passo para sair do superendividamento

Sair ou evitar o supernendividamento é mais uma jornada na vida do consumidor. A partir de dicas do Banco Central, nós ensinamos os passos para se livrar desse mal que atinge 30 milhões de brasileiros

Crédito: Pexels

Superendividado é um consumidor que possui uma dívida tão elevada que compromete a própria subsistência, caso do pagamento de contas básicas como alimentação e moradia.

Para combater esse problema que atinge aproximadamente 30 milhões de pessoas no Brasil, o Congresso Nacional aprovou a lei do superendividamento, que agora depende da sanção presidencial para se tornar lei no País.

Uma das novidades da lei é a proibição do uso de palavras como “sem juros”, “gratuito”, “sem acréscimo”, “taxa zero” na oferta de crédito. Além disso, foi criado a figura de um plano de falência do consumidor, algo muito parecido que é aplicado em empresas.

O ideal é não depender da lei para melhorar a saúde financeira. E, para isso, separamos algumas dicas do Banco Central do Brasil para deixarmos as contas de casa em dia.

Atacando o problema

O primeiro passo é arrumar a casa. Para tanto, veja o que é preciso ficar atento nas contas do lar.

  • Envolva a família na discussão sobre o orçamento familiar.
  • Reduza os supérfluos (aquilo que você deseja, mas não é essencial e necessário).
  • Elimine o desperdício e os gastos inúteis, como comprar coisas que não usa, jogar comida fora, pagar multas e juros de contas com atraso, entre outros.
  • Priorize os gastos e defina o que é essencial, o que é desejável e o que é gasto inútil.

Empréstimo (se necessário)

Se for fazer um empréstimo para colocar as contas em dia, eis alguns pontos que os consumidores devem observar.

  • Tenha cuidado com as ofertas de crédito “fácil”. Lembre-se de que não existe “dinheiro de graça”.
  • Evite financiamentos ou empréstimos muito longos, a menos que sejam estritamente necessários. Normalmente, quanto maior o prazo, mais juros você pagará, além de comprometer sua renda com as parcelas por longo período.
  • Quando contratar empréstimo ou financiamento, verifique o Custo Efetivo Total (CET) e compare com o de outras instituições. Quanto menor o CET, mais barato o empréstimo e melhor para você. Solicite uma planilha com as prestações e verifique se elas cabem em seu orçamento, considerando ainda todas as suas outras despesas.

Mantendo as contas em dia

Agora, é preciso fazer o trabalho de manutenção das suas contas. Vamos a elas.

  • Reserve parte de sua renda para imprevistos (ninguém está a salvo deles).
  • Cultive o hábito de poupar (guarde todo mês uma parte da sua renda, regularmente).
  • Controle o seu orçamento, anotando gastos e receitas diariamente.
  • Tome cuidado com armadilhas do tipo “compre agora e pague depois do carnaval”. Pode ser que, quando todas as contas chegarem, você não tenha como pagá-las.
  • Reserve parte do 13º salário para ajudar nas despesas sazonais, aquelas que acontecem em determinada época do ano. Lembre-se de que as despesas com material escolar, IPTU, IPVA e férias podem desequilibrar o seu orçamento.
  • Use o cartão de crédito de forma consciente, não extrapole sua capacidade de pagamento. Busque pagar sua fatura sempre integralmente. Rolar a dívida do cartão de evitar crédito, pagando o mínimo, ou mesmo não pagando a fatura, é um procedimento que deve ser evitado a todo custo.
  • Pague as contas em dia. Atrasos no pagamento levam a juros e multas.
  • Cheque especial não é salário. Na verdade, o cheque especial é um crédito pré-aprovado pelo qual o banco cobrará juros. Evite o seu uso e, se o fizer, faça com muita cautela.
  • Evite contar com ganhos ainda não confirmados. Espere até o dinheiro entrar em sua conta antes de começar a gastá-lo.
  • Não assuma dívidas em benefício de terceiros, não empreste seu cartão de crédito ou seu nome.
  • Não forneça seus dados por telefone, pois pode ser golpe.
  • Ao comprar pela internet, verifique se a empresa é idônea e se o sítio, o computador que você está utilizando e a conexão com a internet são seguros.

+ Notícias

Lei do superendividamento é aprovada. Veja o que muda para o consumidor

Aumenta a procura por crédito – e ela está relacionada aos consumidores mais vulneráveis






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS