Setor de telecomunicações está em processo de crescimento

Segundo a KPMG, o setor deve apresentar um crescimento mais gradativo nos próximos meses

Foto: Pexels

O setor de telecomunicações teve sua normalidade invertida desde a chegada da pandemia. O vírus não apenas deixou o setor de mãos atadas, mas também recriou conceitos para que a telecomunicação se atualizasse e, assim, migrasse de setor. No entanto, ainda que a categoria estivesse em desvantagem durante 2020, em 2021, ela apresentou um processo de crescimento, de acordo com pesquisa da KPMG.

Na atual fase, segundo a KPMG, as indústrias e empresas ganham fôlego com o comportamento do consumidor, que foi alterado durante a pandemia e favoreceu o setor.

“A pesquisa trouxe um cenário do setor um ano após o início da pandemia que se mostrou melhor do que o período anterior, o que parece positivo para as empresas de telecom. Para esse novo contexto, acreditamos que elas devem diminuir o lucro líquido anual e ter um aumento no Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) no último semestre deste ano”, analisa o sócio líder de telecomunicação da KPMG, Gustavo Massuia.

Telecomunicações: vantagens e desafios

Ainda que o setor apresente crescimento, alguns desafios precisam ser supridos. Com a chegada (e permanência) da pandemia, as demandas por uma banda larga maior aumentaram, visto que boa parte das empresas adotou o home-office e apostou, também, na digitalização.

Mas apenas aumentar a banda larga não é suficiente. É necessário melhorar a conectividade, que tem deixado inúmeros trabalhadores e estudantes na mão. Esse processo — que deveria evoluir de forma gradativa — se viu acelerado durante o período de isolamento social. E com a chegada de tecnologias mais avançadas, como o 5G, a mudança teve que avançar com mais rapidez.

“A análise destaca que líderes de diferentes mercados têm buscado enfrentar esse momento com resiliência, informação e planejamento estratégico, de modo a antecipar possíveis entraves e obstáculos e, assim, obter os resultados esperados mesmo em um período complexo e desafiador”, explica Jean Paraskevopoulos, sócio de clientes e mercados da KPMG no Brasil e América do Sul.

Importante destacar que a própria chegada do 5G já exige do setor um planejamento maior para atender uma grande quantidade de clientes, o que implica estar preparado para assumir a gestão da crise e envolvimento estratégico com governo sobre essencialidade do serviço de telecomunicação.

Para resolver os problemas maiores, também é preciso, segundo a pesquisa, repensar a jornada do consumidor, para proporcionar uma experiência mais proveitosa do que a que ocorre hoje. E isso significa, também, incluir um sistema mais eficiente de proteção às fraudes, bem como a conscientização dos clientes.


+ Notícias

Anatel quer modelo “Netflix” na contratação dos serviços de telecomunicações

Quais são os limites do 5G no Brasil?






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS