8 dicas para combater os efeitos do isolamento social

A falta de contato com o mundo externo pode desencadear estresse e ansiedade. Especialistas explicam as estratégias para evitar esse problema

8 dicas para combater os efeitos do isolamento social

O isolamento social foi um dos motivos que provocaram problemas emocionais durante a pandemia de covid-19. Se você desenvolveu algum transtorno ou apresentou irritação, ansiedade, tristeza, desânimo que atrapalharam seu dia a dia, você faz parte dos 53% de brasileiros que apresentaram piora na saúde mental desde o início da pandemia. Os dados são do estudo One Year of Covid-19, realizado pela Ipsos para o Fórum Econômico Mundial.

Aqueles que se isolaram de maneira mais intensa tiveram maior tendência de apresentar esses sintomas, como mostra outra pesquisa, da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (UNIFESSPA) feita entre maio e agosto de 2020. Entre os entrevistados que disseram ter saído de casa menos de uma vez por semana, as mulheres foram as que mais apresentaram sintomas clinicamente importantes de sofrimento psicológico: 71,01%, enquanto entre os homens o percentual foi de 40,71%.

Quais são os efeitos do isolamento social?

Continuar mantendo todos os cuidados de prevenção da covid-19 é imprescindível, mas é importante também prestar atenção aos sinais que o corpo dá. Aumento da raiva, insônia, ansiedade e tristeza, diminuição da concentração, mudanças de humor e de hábitos alimentares, perda de energia e uso abusivo de substâncias lícitas e ilícitas indicam que é hora de adotar um tratamento adequado, que pode ser composto apenas de hábitos saudáveis, ou de psicoterapia e medicamentos se necessário.

“A mudança ou ausência de rotina, a carga emocional, física e de papéis sociais, o acúmulo de funções, a impotência diante da situação e a modificação das relações interpessoais podem ser desencadeantes ou agravantes de transtornos mentais e somáticos”, alerta a enfermeira Bruna Bavuso do Nascimento, especialista em saúde mental na Amparo Saúde.

Como cuidar da saúde mental

Adotar estratégias para reduzir o impacto negativo do isolamento social é fundamental para cuidar da saúde de forma integrada. “Há uma previsão que, após a redução dos casos de covid-19, a próxima onda será o agravamento das doenças psicológicas, como estresse, burnout, ansiedade e depressão. Dentro dessa realidade, precisamos nos adaptar e agir de maneira a manter a saúde física e mental”, informa o médico e psicólogo Roberto Debski, diretor da Clínica Ser Integral. Por isso, conversamos com os especialistas e selecionamos 8 dicas para driblar o sentimento de solidão e lidar melhor com essa situação. Confira!

1 – Aproveite a tecnologia, mas com equilíbrio
Mesmo distantes fisicamente, manter contato com pessoas queridas ajuda a afastar a solidão e, para isso, nada melhor do que os aplicativos de conversa ou videochamada. Jogos, séries e filmes também são ótimos aliados para se distrair um pouco da realidade angustiante. Contudo, é preciso cuidado com o excesso. “A tecnologia trouxe a possibilidade de nos comunicarmos instantaneamente com pessoas em todos os locais, porém seu uso excessivo pode causar dependência e consequências negativas para a saúde física e emocional”, alerta o psicólogo, co-autor dos livros “Novo Manual de Coaching”, “Coaching Grandes Mestres” e “O Grande Livro do Amor e do Sexo”.
Assim, se não estiver usando os dispositivos eletrônicos para se comunicar ou durante um momento de lazer específico (como na hora de assistir a um filme), tente mantê-los desligados ou a distância. Desinstalar aplicativos de redes sociais por um tempo também pode ajudar a se “desintoxicar” da tecnologia.

2 – Evite se isolar totalmente
Passar por essa fase é ainda mais desafiador para quem mora sozinho. “É muito importante que a pessoa busque contato com o exterior da forma que for possível e segura”, destaca a especialista em saúde mental. Caminhar num parque, por exemplo, une a prática de exercício com o contato com a natureza, duas coisas que ajudam muito a manter o emocional equilibrado.

3 – Cuide bem do seu corpo
Mantendo bons hábitos com o corpo, consequentemente você cuida da mente, uma vez que o equilíbrio emocional também depende da ação de neurotransmissores e hormônios, produzidos com uma alimentação equilibrada e liberados com a prática de exercícios físicos, por exemplo. “Busque também ter um sono de qualidade para evitar possíveis agravamentos psíquicos. Reserve um tempo para atividades prazerosas de lazer ou hobbies para quebrar a rotina de trabalho e aliviar um pouco a carga pesada que vem carregando, além de se distanciar por um tempo de coisas que possam trazer angústia”, acrescenta a enfermeira.

4 – Organize sua rotina de trabalho
O modelo de trabalho home office veio para ficar em muitas empresas, e adaptar o ambiente para uma rotina saudável pode até aumentar a produtividade. “Crie um planejamento de horário, com intervalos, da maneira como ocorria na empresa – a cada 30 ou 60 minutos, por exemplo, para mudar a postura, caminhar ou alongar-se, hidratar-se e usar o banheiro, se necessário. O ambiente deve ser adequado, com iluminação, ventilação, móveis e cadeiras ergonômicas, a fim de não sobrecarregar o sistema músculo esquelético e evitar dor e desconforto”, recomenda Roberto Debski.

5 – Nem desinformação, nem informação demais
Aprenda a dosar a quantidade de notícias que você consome. Separe um horário para acessar uma ou duas fontes de informação, leia ou assista com atenção e evite buscar por mais notícias no restante do dia. Pode parecer impossível não ser bombardeado com informações, ainda mais com tantas redes sociais, porém você pode escolher passar direto por elas, sem parar para ler ou ver.

6 – Faça um trabalho voluntário
Pesquisas indicam a relação entre o voluntariado e a sensação de bem-estar, conexão existencial e até mesmo redução da depressão. A dica é escolher uma causa social e ajudar como for possível nessa fase, seja doando uma quantia em dinheiro, seja doando força de trabalho ou transmitindo conhecimentos.

7 – Cuide da sua espiritualidade
E isso não quer dizer necessariamente seguir uma religião. A espiritualidade pode ser a crença em alguma força maior, os valores morais e a conexão com a sua essência. Por isso, meditação, yoga, contato com a natureza, fazer o bem ao próximo e manter rituais em que você acredita fazem parte do cultivo da espiritualidade.

8 – Não hesite em buscar ajuda profissional
Se você já apresenta sinais de ansiedade ou estresse que estejam incomodando no dia a dia, se não está conseguindo lidar direito com o isolamento social ou com a pandemia em geral, ou mesmo se percebeu sintomas físicos e não sabe se são decorrentes de problemas emocionais, procure a orientação de um psiquiatra ou psicólogo. “Quando percebemos que, sozinhos, não conseguimos lidar de maneira eficaz com essas questões, sentindo restrições e sofrimento, é hora de buscar ajuda profissional. Os profissionais da saúde podem avaliar e tratar adequadamente os problemas físicos e emocionais e todas as suas consequências”, ressalta o psicólogo. Mesmo que nenhum transtorno seja diagnosticado, a psicoterapia pode ajudar muito a passar por essa fase conturbada.


+ Notícias

Por que você precisa aprender a viver o momento

O que tira o sono? Técnicas para relaxar antes de dormir






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS