Maior e-commerce latino, Mercado Livre mais que dobra receita

Volume de vendas na plataforma alcançou US$ 7,0 bilhões, expressando uma alta de 46% na comparação anual

Fonte: Divulgação

Maior e-commerce da América Latina, o Mercado Livre tem resultados financeiros para lá de expressivos no segundo trimestre de 2021. Um dos protagonistas da digitalização do varejo brasileiro, o marketplace aumentou o número de usuários ativos, volume de vendas e parcerias. Tudo isso dentro de um cenário favorável, já que três dos principais mercados da companhia — Brasil, Argentina e México — foram listados dentre os cinco principais mercados de crescimento de e-commerce no mundo, segundo a última pesquisa 2021 da eMarketer.

Além disso, há o grande desempenho de suas soluções de pagamento, com o Mercado Pago hoje correspondendo a mais de um terço (34,4%) do faturamento do Mercado Livre no Brasil.

“A equipe do Mercado Livre alcançou mais um trimestre de forte crescimento tantos nos negócios de e-commerce como de serviços financeiros, atingindo níveis recordes em volume e receita. Esse desempenho se construiu a partir de um sólido primeiro trimestre que tivemos neste ano”, afirmou o presidente de comércio do Mercado Livre, Stelleo Tolda.

“Acreditamos que nosso negócio está apresentando um impulso significativo, mesmo com os fechamentos de varejo físico, e impactando positivamente para a retomada econômica da América Latina. A inovação, a velocidade de execução e a experiência do usuário, que está no centro de tudo o que fazemos, seguem fazendo a diferença”, acrescentou.

Nos resultados financeiros, a receita líquida do segundo trimestre foi de US$ 1,7 bilhão, aumento ano a ano de 93,9%, em dólar, e de 102,6% em moeda constante. No Brasil, a receita líquida cresceu 101% neste trimestre, em moeda constante, com a operação brasileira hoje representando 55,9% da receita líquida total da companhia. Para o Mercado Livre, o trimestre encerrou com um lucro, antes de impostos, de US$ 138,9 milhões — um crescimento de 55,5% em relação aos US$ 89,3 milhões apurados durante o segundo trimestre de 2020. O lucro líquido foi de US$ 68,2 milhões.

Usuários, vendas e parcerias

O Mercado Livre viu sua base de usuários únicos ativos aumentar durante o trimestre, com um incremento de 47,4% em comparação com o mesmo período de 2020, atingindo 75,9 milhões.

O aumento de usuários influenciou o volume de vendas, que também teve forte avanço, para US$ 7 bilhões, representando um crescimento ano a ano de 39,2% em dólar e de 46,1% em moeda constante. De acordo com a empresa, 73,4% desse valor provém de transações feitas em dispositivos móveis, que cresceram 218,2% em comparação com o segundo trimestre do ano passado.

Foram vendidos 244,6 milhões de itens, o que significa um crescimento ano a ano de 37% na América Latina.

O volume de vendas no Brasil impulsionou o volume total. Só aqui, o volume cresceu mais de 40% na comparação com 2020, com mais de 125 milhões de itens vendidos neste trimestre. O volume expressivo registrado no Brasil tem a ver com a parceria com o GPA e da entrega no mesmo dia.

Soluções de pagamentos

De crescente importância para os marketplaces, as soluções de pagamento oferecidas pelos e-commerce têm a ver com a inclusão digital e financeira no Brasil, e o Mercado Livre tem tido sucesso ao dar suporte e facilidade ao cliente. Com sua carteira digital, o Mercado Pago, o Mercado Livre teve alta no volume de pagamentos no trimestre, que também avançou por conta da possibilidade de acesso a crédito. Pagamentos processados por meio das maquininhas também influenciaram no crescimento do volume total de pagamentos.

No geral, o volume total de pagamentos via Mercado Pago atingiu US$ 17,5 bilhões, o que representa um crescimento de 56,3% em dólar e de 72,2% em moeda constante. O volume total de pagamentos via Mercado Pago fora do Mercado Livre, já que a solução é oferecida a todo o mercado, atingiu US$ 10,3 bilhões – um avanço de 70,5% em dólar e de 93,5% em moeda constante.

No online, o volume de pagamentos cresceu 67,2%, também na comparação com o mesmo período de 2020, com forte contribuição do Brasil, Argentina e Chile.

Pagamentos processados por meio das maquininhas de cartão Point aceleraram o crescimento do volume total de pagamentos, que atingiu 93,7% ano contra ano. O Mercado Livre observa que o Brasil continua a impulsionar a maior parte do crescimento de pagamentos via pontos de venda.

Em termos de América Latina, o volume de transações por meio da carteira virtual cresceu 106,5% na comparação anual. A carteira do Mercado Crédito superou os US$ 800 milhões, quase cinco vezes maior quando comparado ao segundo trimestre de 2020. Como um canal importante para o crédito ao consumidor, o recurso “compre agora, pague depois” para pagamentos via carteira Mercado Pago, já atingiu taxas de penetração de dois dígitos no Brasil.

O Mercado Livre ressalta que cresceu ainda a implantação do cartão de crédito do Mercado Pago, habilitado para NFC (aproximação): foram emitidos mais 4,2 milhões de cartões na América Latina, no segundo trimestre, quase 3 milhões somente no Brasil.


+ Notícias

O que vale mais: experiência extraordinária ou experiência sem fricção?

Como driblar a complexidade do Brasil e fazer negócios no país






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS