RFID: a tecnologia de rastreamento é uma das soluções inteligentes para controlar a cadeia de suprimentos?

A tecnologia RFID está crescendo em popularidade e há um forte movimento para que ela seja integrada nas cadeias de abastecimento

RFID: a tecnologia de rastreamento é uma das soluções inteligentes para controlar a cadeia de suprimentos?

A pandemia mudou mais do que hábitos de trabalho e interação social. Também mudou significativamente a maneira como as pessoas consomem. Se as compras online já tinham uma boa popularidade, com as recomendações de isolamento social, elas aceleraram em ritmo vertiginoso – afinal, muitos consumidores que jamais haviam considerado o ambiente virtual em suas compras diárias, se viram sem outra opção a não ser mergulhar nesse mundo.

Mesmo com a reabertura e normalização de horários das lojas físicas, é improvável que a tendência de crescimento volte aos níveis anteriores ao surgimento da covid-19. Em sua pesquisa Life and Work Beyond 2020, realizada com mais de 10 mil pessoas em 11 países, a Avaya descobriu que 76% dos entrevistados esperam continuar fazendo compras online no futuro com a mesma frequência, ou até mais, do que durante a pandemia.

Consumo de coisas versus experiências

É compreensível que, como as pessoas foram obrigadas a passar uma quantidade desproporcional de seu tempo em casa, optaram por consumir “coisas” em vez de experiências. Este aumento na compra online de itens pressionou as cadeias de abastecimento. A demanda por frete aumentou e chegou ao ponto em que não havia estoques (e até embalagens) suficientes e os custos aumentaram.

Embora os maiores gargalos de transporte tenham diminuído, o consumo continua alto e os navios contêineres estão continuamente lotados. Existem, é claro, alternativas ao transporte marítimo, como frete aéreo, transporte rodoviário e ferroviário. No entanto, durante a pandemia, há necessariamente muito menos voos internacionais, resultando em menos capacidade aérea para frete. Há também falta de motoristas pelos mesmos motivos e os que estão trabalhando estão atrasados devido aos regulamentos de teste da COVID e ao fechamento de fronteiras.

Ao mesmo tempo, com as pessoas em casa com mais frequência, a demanda por produtos adquiridos por meio do comércio eletrônico continua crescendo junto ao aumento das expectativas em relação aos prazos de entrega. Incapazes de simplesmente ir à uma loja e sair com os itens que desejam, os consumidores parecem esperar poder receber suas compras online quase imediatamente. Nesse ambiente, há uma necessidade clara de uma solução de tecnologia para aliviar parte da pressão nas cadeias de suprimentos.

Rastreamento RFID

Uma parte importante de ajudar a logística a funcionar sem problemas é saber onde as coisas estão na cadeia de abastecimento e o quanto há de estoque. Isso significa que os produtos ou remessas devem ser rastreáveis à medida que se movem. Rastreadores GPS são uma opção, mas são caros e não são econômicos para um único item.

A tecnologia de identificação por radiofrequência (RFID), por outro lado, é econômica. Ele usa sinais sem fio para transferir dados entre um microchip e um dispositivo de leitura, o que permite identificar e rastrear objetos individualmente. Um de seus usos mais comuns é em microchips para animais de estimação ou cartões de viagem de transporte público, mas tem grande potencial para uso em cadeias de suprimentos.

A transferência de dados digitalizando uma etiqueta RFID é ideal para rastrear mercadorias e remessas porque, ao contrário dos códigos de barras, mais informações podem ser armazenadas. As informações podem ser lidas remotamente a distâncias de até 12 metros e as mercadorias podem ser lidas a granel. Isso significa que é possível que um palete inteiro de produtos etiquetados com RFID esteja pronto de uma só vez. Como os itens podem receber códigos de identificação exclusivos, passíveis de substituição, os produtos individuais podem ser rastreados e sua localização atualizada em pontos-chave em trânsito, conforme saem da fábrica, se movem para um contêiner, chegam a um armazém portuário e são recebidos por um distribuidor.

RFID: impressão e codificação

Com tantos benefícios sobre seus concorrentes, a tecnologia RFID está crescendo em popularidade e há um forte movimento para que ela seja integrada nas cadeias de abastecimento em todos os setores de logística e transporte. Isso ocorre porque, com um único dispositivo de impressão de escritório, fácil e econômico de imprimir e codificar, é possível gerar tags e rastrear remessas inteiras ou produtos individualmente.

Além disso, embora o papel em que as etiquetas são impressas possa ser reciclado, os próprios chips RFID são totalmente reutilizáveis. Os chips podem ser recuperados, depois passados de volta por uma impressora e recodificados quantas vezes forem necessárias. Imprimir etiquetas RFID em uma impressora de escritório é uma maneira econômica e facilmente implementada de rastrear itens individuais ou remessas inteiras em toda a cadeia de suprimentos. Essas soluções ajudam a eliminar o risco de incompatibilidades entre as etiquetas e etiquetas RFID e consolidar o gerenciamento de dispositivos em uma única solução.

Com rastreamento RFID impresso, a resposta à pergunta “onde estão minhas coisas?” acabou de ficar mais precisa.

* Moises Galindo Tinajero é consultor de varejo da Lexmark para a América Latina.


+ Notícias

iFood inova com opção de organizar itens em listas de compras dentro do app

Avanço do autosserviço demanda tecnologia e jornada amigável






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS