Como o entretenimento influencia o consumo no e-commerce?

Filmes e séries se tornaram parte da rotina e instigam novos hábitos de compras

Imagem: Reprodução Netflix.

Quando uma série faz sucesso, é difícil não ouvir alguém falando sobre ela. O consumo de filmes e séries em casa se popularizou nos últimos anos, um movimento intensificado pelas plataformas de streaming, que vem mudando hábitos entre as pessoas. Para se ter ideia, uma pesquisa da Nielsen Brasil e da Toluna mostrou que 43% dos brasileiros afirmam assistir a algum streaming diariamente. Com tanto conteúdo assistido a todo o tempo, números mostram o quanto o entretenimento influencia os interesses e, claro, o consumo das pessoas, algo que pode ser aproveitado por empresas, marcas e e-commerce.

Um case real

A série Gambito da Rainha estreou na Netflix em outubro de 2020 e conta a história de uma exímia jogadora de xadrez, com produção baseada no livro The Queen’s Gambit. A história audiovisual ficou entre as mais vistas por semanas na plataforma, mas o livro não ficou para trás: entrou para a lista de best-sellers do The New York Times mesmo depois de 37 anos de seu lançamento.

Durante o período de sucesso da série, as pesquisas por termos relacionados ao xadrez dobraram e tiveram seu pico de busca dos últimos nove anos. De acordo com a própria Netflix, as buscas por “jogos de xadrez” no eBay subiram 250%. A Goliath Games, empresa responsável pela fabricação de jogos de tabuleiro, viu um aumento de 170% nas vendas e o site Chess.com quintuplicou o número de visitantes.

Esse caso em específico chamou a atenção da mídia e da própria Netflix, porém outras séries também causaram o mesmo frisson: os uniformes vermelhos de La Casa de Papel, por exemplo, estamparam cadernos, inspiraram músicas e popularizaram a fantasia dos personagens.

O guarda-chuva amarelo, um símbolo da série How I Met Your Mother também passou a ser procurado pelas pessoas em todo o mundo depois do boom da série. Isso sem falar no mercado geek, com seus super-heróis e quadrinhos, que movimenta bilhões de dólares ao ano em produtos e eventos.

A influência do entretenimento no consumo

A partir desses dados, é possível perceber o quando o entretenimento vem ditando não apenas hábitos de lazer, mas também de consumo e as vendas online são consequências disso. “Todos nós, de alguma forma, ficamos impactados quando assistimos um bom filme ou uma série em cinemas, TV e Streaming. Geralmente vemos viralizar nas redes sociais trechos, humor e memes relacionados aos personagens e que influenciam os consumidores”, afirma Pedro Guasti, Head de Expansão Internacional da Nubimetrics, empresa que analisa dados para empresas e e-commerces.

E não é preciso ser algo literal, ou seja, nem sempre significa a compra de uma roupa ou acessório exatamente igual a de um personagem, mas de algo que é inspirado naquilo. Segundo o profissional, bons exemplos disso são exatamente os guarda-chuvas amarelos e os jogos de xadrez, que fazem referência à produção, mas não de maneira direta.

“Além desses, um case que vale ser citado é que recentemente uma rede varejista no Brasil lançou uma coleção de roupas inspirada no estilo dos anos 80, apresentada na série Sex Education e que foi um sucesso de vendas”, conta.

E o poder do entretenimento pode perdurar alguns anos. Segundo Pedro Guasti, desenhos animados dos anos 1990 e 2000 são vistos em roupas, acessórios, calçados, entre outros produtos. “Isso porque, hoje, quem tem o poder aquisitivo, são os adultos que cresceram na época. Antes víamos muito o estilo mais dark e roqueiro, que eram os adultos dos anos 1970 e 1980”, explica, acrescentando que o que cai ou não na popularidade do público também depende muito de quem está assistindo aquilo.

Aproveitando o hype no e-commerce

Como o Head de Expansão Internacional da Nubimetrics explicou, não é preciso trabalhar necessariamente com produtos temáticos. Há diversas maneiras de trabalhar com uma série, como pelo vestuário, pelos acessórios e elementos, personagens marcantes, entre outros. Nesse caso, a maior dica que ele dá é estar atento ao que está em alta tanto nos streamings quanto nas redes sociais, pois é desses locais que emergem as tendências.

Além disso, usar a tecnologia a favor do e-commerce ou da marca pode ser um grande diferencial. “Atualmente, com o avanço das tecnologias digitais de Big Data, Analytics e Inteligência Artificial, temos muito mais facilidade em entender o que o consumidor está buscando e oferecer no tempo correto produtos e serviços com alta demanda e baixa oferta”, diz.

É possível fazer isso em diferentes segmentos do mercado, mas alguns podem ter uma aceitação maior. “O de moda talvez seja o mais fácil de prever e trabalhar de acordo com as tendências do momento. Podemos pensar em roupas, maquiagens, corte de cabelos e paleta de cores. Tudo como formas de potencializar vendas a partir do sucesso de um filme, principalmente de uma série, pois quem assiste acaba consumindo essa estética praticamente todos os dias enquanto durar a série”, comenta Guasti.

Assine a nossa newsletter e fique por dentro das notícias sobre a experiência do cliente

Outra questão apontada pelo especialista é o chamado “timing”. Ou seja, é preciso estar atento para não perder o momento certo do lançamento dos itens, além de considerar datas promocionais e festivas, como o Halloween ou Carnaval (momentos em que a fantasia da série La Casa de Papel faria sucesso), aponta o especialista.

Com as pessoas consumindo cada vez mais séries e as vendas online como o principal espaço de consumo, as lojas precisam ficar de olho nas tendências, principalmente com ajuda da tecnologia, para conseguirem se destacar no mercado. “As próprias ferramentas da Nubimetrics, oferecidas aos vendedores de marketplaces, permitem detectar os produtos mais buscados pelos consumidores e promovê-los de forma inteligente, potencializando as vendas e deixando os compradores mais satisfeitos”, finaliza.


+ Notícias

Havaianas mira no público geek e lança linha com estampas da Marvel

Dia do Orgulho Nerd: entenda a importância da data para o varejo






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS