Defesa do Consumidor

Blogueiros infantis na mira do Youtube – e a ideia é mexer no bolso

O YouTube prepara uma mudança que pode mudar o modelo de monetização para canais que oferecem vídeos para crianças. E um dos motivos pode estar relacionado a problemas de publicidade infantil

No blog oficial da plataforma, James Beser, diretor de gestão de produtos, crianças e família do YouTube, afirma que a plataforma vai suspender “conteúdo infantil predominantemente de baixa qualidade, como ‘fortemente comercial’ ou promocional’ ou ‘Encorajando comportamentos ou atitudes negativas’, podem ser suspensos. E se um vídeo individual violar esses princípios de qualidade, ele pode ter anúncios limitados ou nenhum anúncio”, afirma.

De acordo com o comunicado, o YouTube afirma que já entrou em contato com criadores de conteúdo que poderão ser impactados pela medida e que entrarão em vigor no próximo mês. “Nosso objetivo final é promover um ambiente seguro e enriquecedor para as famílias e, ao mesmo tempo, recompensar os criadores de confiança que fazem conteúdo infantil e familiar de alta qualidade”.

Banidos

Especialmente no Brasil, o tema da publicidade infantil tem chamado a atenção do Poder Público. No início do ano, a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) sinalizou que poderia regular o tema, mas o debate não foi adiante.

Além disso, no último dia 10, Google (dona do YouTube) e o Conar (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária) lançaram semana passada um manual com “boas práticas” para a publicidade digital voltada ao público infantil. Dividido em cinco tópicos, o pequeno guia possui algumas diretrizes sobre o desenvolvimento de materiais dedicados aos pequenos produzidos por anunciantes, agências, e, principalmente, influenciadores e criadores de conteúdo.


Acesse a newsletter da CM e receba mais conteúdos sobre defesa do consumidor e experiência do cliente


O manual foi produzido a partir de um acordo firmado no final de 2019 entre a empresa de tecnologia e o Ministério Público do Estado de São Paulo, que também participou da discussão.

Segundo o YouTube, somente no segundo trimestre de 2021, foram removidos mais de 1,8 milhão de vídeos por violações de nossas políticas de segurança infantil pelos mais variados motivos.

Ivan Ventura

Postagens recentes

Insatisfeita, Geração Z quer mudar cultura corporativa por dentro

Confira 10 empregos mais bem avaliados pela Geração Z e diferenças para os mais velhos

7 horas ago

Quais são as marcas mais admiradas pelos clientes

Pesquisa da Ibevar/FIA elencou as marcas mais admiradas pelos consumidores brasileiros e também por colaboradores

8 horas ago

Como os líderes podem incentivar o trabalho em equipe de qualidade

Segundo especialista da Fundação Dom Cabral é preciso investir em comunicação e criar um ambiente…

9 horas ago

Planos de saúde: como fica os tratamentos fora do rol da ANS?

Tribunais autorizam tratamentos fora do rol da ANS, apesar de decisão do STJ; PL ainda…

10 horas ago

A Avianca e a meticulosa arte de arruinar sua viagem em seis passos

Confira o relato da colunista Evelyn Rozenbaum sobre uma experiência decepcionante com a Avianca, em…

10 horas ago

10 anos de League of Legends: CEO da Riot Games comenta estratégia de CX da marca

Saiba como a gigante dos jogos online trabalha a experiência do usuário em todas as…

12 horas ago

Esse website utiliza cookies.

Mais informação