Retomada pós-pandemia: como as lojas físicas podem atrair seus clientes?

Com o aumento de compras pela internet e os novos hábitos dos consumidores, é possível recuperar o poder de atração para as lojas físicas através da humanização, personalização e adoção do estilo híbrido

Retomada pós-pandemia: como as lojas físicas podem atrair seus clientes?

Migração das empresas para o meio digital, aumento das compras pela internet e consumidores mais exigentes. O mundo dos negócios passou por grandes mudanças com a chegada da pandemia, não é mesmo? Mas agora, com a retomada pós-pandemia e a vacinação em massa, como deve ficar o varejo físico?

Assine já a newsletter da Consumidor Moderno e não perca nenhuma tendência de CX

De acordo com um levantamento feito pela plataforma de opinião, Ebit/Nielsen, somente no primeiro semestre de 2020 foram contabilizados 7,3 milhões de novos usuários adeptos ao comércio eletrônico.

Além disso, a pesquisa apontou que, ao todo, o e-commerce chegou a marca de 79,7 milhões de clientes ao longo do ano passado, o que representa um aumento de cerca de 30% com relação a 2019.

Com as mudanças no comportamento dos clientes e o aumento das compras online, muitas empresas tiveram que readaptar não só os modelos de negócio, como também o atendimento ao cliente, já que as experiências do público-alvo durante a jornada de compra causam reflexos na reputação da marca.

Humanização é a palavra-chave para o encantamento do cliente

A humanização, a conectividade e a agilidade passaram a fazer parte das principais alternativas para melhorar o relacionamento com os leads. A valorização da opinião do cliente e a personalização dos produtos ou serviços também foram técnicas adotadas por muitas empresas para fidelização do público-alvo.

Agora, com a reabertura do comércio físico e a retomada da “vida normal”, muitos empresários têm se questionado sobre as possíveis técnicas para impactar o cliente nos pontos físicos.

Assine já a newsletter da Consumidor Moderno e não perca nenhuma tendência de CX

Dentro de um ecossistema de soluções para autoatendimento, o primeiro passo para encantar o cliente no pós-pandemia é entendê-lo. Faça duas perguntas, direto para o seu consumidor, antes de tentar inventar a roda do encantamento. Primeiro, saiba quais hábitos de consumo foram adquiridos por ele com a pandemia. Depois, descubra quais foram as suas experiências positivas durante as vendas online.

Com base nessas questões, é possível realizar um mapeamento das medidas a serem adotadas para melhorar a customer experience (CX) nos pontos físicos.

Segundo o empreendedor e palestrante Erick Penna, “com a pandemia, a loja física ganhou novos papéis, já que não se restringe apenas às vendas, demonstrações ou retiradas de produto. Agora, tais propriedades também atuam no aspecto relacional, ou seja, na humanização e encantamento dos clientes”, salienta.

Para isso, o palestrante afirma que é necessário focar em três premissas do encantamento: “primeiramente, é preciso entender que encantar é função de todos na empresa, do atendente ao presidente. Ademais, deve-se compreender que o bom atendimento leva em conta a causa e as dores do outro. E por fim, é necessário ter em mente que o encantamento maximizado resulta no fator preço minimizado”, explica Erick Penna.

Ainda com relação ao atendimento humanizado, o palestrante comenta que o segredo para manter um relacionamento harmônico com o cliente é a capacitação dos colaboradores.

Personalizar o serviço é o segredo para vencer a concorrência

A personalização durante o atendimento presencial também é uma aposta para a retomada do pós-pandemia. “Para se ter uma ideia da relevância dessa prática, um estudo publicado pela Accenture mostrou que 56% das pessoas têm maior probabilidade de fazer compras numa loja que os reconheça pelo nome, enquanto que 58% são mais propensos a fazer uma compra quando um varejista recomenda opções com base nas suas compras anteriores”, exemplifica o empreendedor.

Caso não seja possível personalizar determinado produto ou serviço, é interessante surpreender o cliente de outras maneiras. “Nas lojas da Formaggio Mineiro, por exemplo, todo cliente é saudado com um pão de queijo gratuito e pode se servir de café à vontade, enquanto recebe o tratamento dos nossos atendentes”, afirma Marcello Lage, sócio-proprietário da Formaggio Mineiro, empresa de pão de queijo gourmet.

Empresas híbridas são os novos modelos de negócio!

Outra solução para as empresas que desejam impulsionar as vendas é a adoção do estilo híbrido, que incorpora várias tecnologias ao ambiente físico. Além de sistemas de WiFi, pode-se apostar em câmeras de segurança e softwares de gestão empresarial.

Os novos sistemas de pagamento, como o Pix, também auxiliam no retorno às vendas presenciais, já que reduzem as despesas operacionais e facilitam as transações monetárias. O mesmo vale para a introdução dos QR Codes nos comércios físicos, que garantem a interatividade com o cliente e modernizam o acesso a cardápios, tutoriais ou formulários.

As estratégias omnichannel podem otimizar
a experiência do cliente

E por falar em QR Codes, as estratégias omnichannel chegaram com tudo e prometem melhorar o relacionamento empresa-cliente. Também conhecida como “phygital”, esta técnica disponibiliza vários canais de vendas para que o cliente tenha a autonomia de escolher o que e quando comprar.

Assine já a newsletter da Consumidor Moderno e não perca nenhuma tendência de CX

Nas lojas físicas, esta novidade permite que o público tenha suas experiências sensoriais ao utilizar tags para verificar as informações de determinado produto, por exemplo. Os QR Codes também se encaixam nessas técnicas, já que permitem o pagamento do produto através do celular.

Além disso, o phygital possibilita a compra de determinadas mercadorias mesmo sem que elas estejam disponíveis no estoque, o que significa que o produto será entregue posteriormente na residência do consumidor. “As prateleiras inteligentes, as fotos adesivadas em meios de transporte com QR Code e a conexão via Bluetooth também podem ser configuradas nestes novos recursos”, finaliza Marcello Lage.

O poder do metaverso no varejo

A interatividade é a palavra do momento no mundo dos negócios. Para isso, as gigantes da tecnologia têm desenvolvido sistemas que melhorem a experiência do cliente através da criação de um novo universo: o metaverso.

Pode parecer coisa de outro mundo, mas a integração de vários recursos tecnológicos, como a realidade aumentada, a realidade virtual e o 5G, já permitem a interação entre espaços virtuais e físicos. As famosas live streaming, por exemplo, têm feito parte do dia a dia de várias empresas brasileiras. Outras novidades na área estão por vir, já que um dos projetos do Facebook é justamente comercializar, em grande escala, as tecnologias imersivas.

E você, já aderiu às novas tecnologias em sua loja física?


+ Notícias

Games, metaverso e Banco do Brasil: entenda a nova ação do BB

Como está a retomada do varejo na rua?




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS