Moda consciente: minha identidade além da marca

Profissionais do mercado de second hand discutem caminhos para a sustentabilidade e futuro do setor

Profissionais do mercado de second hand discutem caminhos para a sustentabilidade e futuro do setor

Uma maior consciência acerca da sustentabilidade ambiental e social vem despontando no mercado nos últimos anos, tanto que os chamados valores ESG (Environment, Social and Governance, ou, em português, Ambiental, Social e Governança), vem despertando mudanças por parte das empresas. Uma das razões para isso seria a chegada da geração Z (nascidos entre 1996 e 2015) ao mercado consumidor.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

É o que mostra uma pesquisa realizada pelo Bank of America em 2020. Segundo os dados coletados, cerca de 80% desse público prefere comprar ou investir em empresas que estejam alinhadas com os valores ESG. Com essas preocupações, o conceito de moda consciente, economia circular e second hand (segunda mão ou reuso) também ganhou espaço nos últimos anos. O tema foi discutido por profissionais do setor no painel “Moda Consciente: Minha Identidade Além Da Marca”, que foi realizado no Conarec 2021.

A discussão foi mediada por Marcelo Villin Prado, Diretor do Inteligência de Mercado (IEMI), e composta por Mariana Penazzo, cofundadora da Dress & Go, Dan Reicher, CBDO Enjoei, e Tadeu Almeida, fundador e CEO da Repassa. De acordo com o mediador, o tema vale a pena ser discutido pois “nós vivemos um boom de fast fashion dos anos 90 para os anos 2000, depois surgiu o slow fashion e agora estamos discutindo o reuso. Vemos que a pandemia foi um catalisador para essa questão da sustentabilidade, com impactos para todo o mundo”, comentou. Veja os tópicos debatidos pelos especialistas!

Fast fashion, slow fashion e second hand

Apesar de trazerem propostas diferentes, os especialistas afirmam que cada formato apresenta propostas diferentes, que podem ou não causar uma competitividade entre elas. Enquanto o fast fashion (como as lojas de departamento) pensam em produzir em larga escala, o slow fashion busca criar produtos mais sustentáveis ambiental e economicamente e com maior durabilidade, porém em menor escala. O setor de reuso, por outro lado, utiliza os dois tipos de produto para proporcionar uma vida útil mais longa às peças, passando-as de uma pessoa para outra.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Na visão de Mariana Penazzo, da Dress & Go, não existe uma competição de um setor para o outro. “Acredito que cada uma delas atende momentos diferentes. Não acredito que sejam áreas que competem, mas uma somam-se às outras. Às vezes você vai em uma loja e vê uma roupa que adora, você precisa ter a liberdade de comprar aquilo. Em outro momento, você vai querer algo usado. Tudo depende do momento da decisão de acordo com o que o indivíduo está precisando ou buscando. Mas, claro, o reuso acaba sendo mais sustentável e consciente”, afirma.

Para Dan Reicher, do Enjoei, se for possível apontar uma competição, seria a de valor, tanto monetário quanto de propósito. Segundo ele, o second hand consegue oferecer peças por valores muito mais acessíveis do que quando foi vendida inicialmente. “Essa economia é um dos motivos para o second hand crescer mais que o fast fashion hoje em dia, elas buscam economizar e não querem gastar mais do que já gastavam, por exemplo”, comenta.

O profissional acredita que a força que a moda consciente e o second hand vêm ganhando nos últimos anos estão fazendo com que as marcas, principalmente de fast fashion, se mexam e busquem soluções para reduzir seus impactos. Durante o painel, os três profissionais deram exemplos de ações nesse sentido, como o reuso incentivado pela própria marca, a logística reversa para reaproveitamento no descarte e descontos oferecidos para quem retorna o item à loja.

Moda consciente como identidade

Para Dan Reicher, a moda consciente e a economia circular vão de encontro com a busca pela sustentabilidade, mas também se tornaram um marco para a identidade de quem busca esses valores nas empresas das quais consome. “Hoje temos um novo posicionamento sobre o mercado de second hand, agora é visto como algo cool você utilizar os produtos usados e pensar em questões sustentáveis”, afirma.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Tadeu Almeida, fundador e CEO da Repassa, também concorda com isso. Na visão dele, a internet e a alta conectividade fizeram com que o second hand passasse a ser visto de outra maneira. “As novas gerações estão cada vez mais engajadas. A internet e conectividade nas redes sociais e plataformas, modernizou e transformou ter roupas usadas em algo descolado. A mídia, por sua vez, também vem apoiando no sentido de informar sobre esse mercado e seus benefícios. Tudo isso faz com que as pessoas cobrem das empresas uma responsabilidade corporativa e uma economia circular”, aponta.

Segundo o profissional, para que seja de fato possível criar uma rede de economia circular na moda, é preciso um conjunto de fatores: produção de peças mais duráveis (tanto de fast fashion quanto de slow fashion), potencializar o uso delas e descartar corretamente o que não puder mais ser utilizado, dando outra utilidade para esse resíduo. Para isso, tanto os consumidores quanto as marcas precisam estar empenhadas e pensando de maneira sustentável.

Pandemia e valores ESG

A sustentabilidade já vinha sendo tema discutido quando o assunto era o consumo, mas hoje, de acordo com Marcelo Villin Prado, o mediador da mesa de discussão, essa demanda vem crescendo ainda mais. “Algumas pesquisas mostram que cerca de ⅓ das pessoas já se preocupam se o produto que irão comprar na loja é sustentável ou não. É uma proporção alta e que tende a crescer”, explica. Outro ponto questionado pelo mediador aos profissionais é como a pandemia influenciou o mercado de moda consciente e second hand.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Na percepção geral, a pandemia incentivou o pensamento crítico sobre sustentabilidade e valores ESG por parte das pessoas. A cofundadora da Dress & Go, por exemplo, explica que depois de dois anos, as pessoas mudaram e já não se identificam mais com as roupas que utilizavam antes da pandemia, muitas em bom estado.

“As pessoas puderam abrir o guarda roupa e encontrar pessoas que não tinham mais sentido para elas, mas encontraram algo para fazer com aquilo, sem precisar se desfazer daquilo. Além de trazer essa consciência sobre o consumo, a pandemia deu essa possibilidade de a pessoa enxergar a possibilidade no second hand e quando a pessoa se dispõe a vender algo, faz com que ela esteja aberta a comprar mais também”, afirma Mariana Penazzo.

Segundo Dan Reicher, a pandemia reacendeu discussões sobre valores ESG, principalmente impacto ambiental e social, e fez com que as pessoas repensassem seus próprios valores, escolhendo opções melhores para o meio ambiente e a sociedade em geral. O profissional enxerga isso como uma tendência, uma preocupação que só tende a crescer.

Moda consciente no digital

Outra questão impulsionada pela pandemia foi o consumo digital. Para o CBDO do Enjoei, a empresa começou e ganhou força com a internet e seus clientes consomem de maneira simples pela plataforma. No caso da Dress & Go, a cofundadora afirma que o conceito desde o início da marca foi o omnichannel no atendimento ao cliente por uma demanda do próprio público.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

“Em 2012 não existia essa cultura de usar algo que não era seu. Isso era um desafio em que coube trazer o ambiente físico também. O aluguel de vestidos é muito mais físico do que digital, pois a cliente quer provar, ver a qualidade, até porque, geralmente, é para um evento especial. Depois, sabendo como funciona, acaba se tornando um cliente digital, inclusive para a Reloved, que é nossa frente de e-commerce”, diz Mariana Penazzo.

A Repassa, segundo o CEO da empresa, entende os pontos físicos de maneira diferente. “Usamos quase como um ‘outdoor’, um ponto de divulgação, de contato, de fortalecimento em branding. É onde mostramos os tipos de peças que temos e a qualidade delas, quebrando barreiras de quem ainda não consome no second hand”, explica Tadeu.

De maneira geral, para todos os profissionais presentes, a moda consciente foi apontada como um setor em ascensão que vai de encontro tanto com as preocupações acerca da sustentabilidade e outros pontos do ESG quanto com a identidade, principalmente das novas gerações.

“As pessoas vão se tornar cada vez mais conscientes e isso repercute na forma de se viver e nos hábitos de consumo. As pessoas serão mais exigentes na hora de comprar e vão exigir mais das empresas e dos produtos. Temos que estar atentos às mudanças e em como gerar um impacto positivo para todos a partir do mercado da moda”, acredita Mariana Penazzo, da Dress & Go.

 


+ Notícias

Para aprimorar o uso dos dados, a educação analítica é essencial

Relações com clientes na era phygital: o que encanta e o que desencanta?




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS