E-commerce recebe mais de 2 bilhões de acessos em novembro

Relatório Setores do E-commerce, da Conversion, destaca ranking dos maiores comércios eletrônicos do País

Foto: Pexels

Cada vez mais próximos do fim de 2021, chegam os dados de balanço do ano para o e-commerce, um dos setores que mais surfou a onda da pandemia, favorecido pela digitalização e o isolamento social. Desde o início da quarentena, o segmento tem apresentado uma série de altas em uma curva que basicamente só cresce e, em dezembro, não foi diferente.

Dados do Relatório Setores do E-commerce, elaborado pela agência de Seach Engine Optimization (SEO) Conversion, mostram que o comércio eletrônico teve sua audiência crescida em 17% em relação ao mês de novembro, consequência das festas de fim de ano, e contou com 2,01 bilhões de acessos no mês passado.

Outro ponto interessante é que 67% dos acessos a e-commerce foram realizados a partir de dispositivos móveis, com maior foco nos smartphones. “O uso de celulares para visitas em sites de comércio eletrônico é uma tendência cada vez mais forte, especialmente com a expansão da internet móvel e de alta velocidade para todos os brasileiros”, comenta Diego Ivo, CEO da Conversion.

Ainda assim, o desktop não morreu: um terço dos acessos é feito por ele. Vale destacar que os setores de Turismo e Importados lideram entre os segmentos com maior crescimento nos últimos 12 meses, com aumento de 123% e 118%, respectivamente.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Formas de acesso ao e-commerce

O relatório também apresenta dados a respeito da forma como os consumidores têm acessado sites do e-commerce. 43,4% das visitas são feitas por tráfego direto, aquele no qual o consumidor digita a URL (o endereço do site) da loja diretamente. A busca orgânica aparece logo em seguida, com 25% da audiência.

Importante ressaltar também que, apesar de ambas as formas de acesso, uma parte considerável dos consumidores também têm trocado os sites por aplicativos — uma forte tendência do chamado “mobile buying”. De acordo com a Conversion, o crescimento da participação em aplicativos aumentou em 25%, saltando de 33% em janeiro para 41% em novembro.

Para a análise, foram consultados alguns dos maiores players do mercado: Mercado Livre, Americanas, Magalu, Shopee e AliExpress. Para se ter ideia, a soma de todos os usuários ativos em cada um dos apps era de 96 milhões em janeiro, contra 143,4 milhões em novembro, uma alta no volume de 49%.

As maiores participações do mercado

Além das formas de acesso, o relatório da Conversion também conta com as marcas de maior participação no mercado, uma métrica do Share of Search. Os cinco maiores e-commerces do Brasil, diz o estudo, são: 1. Mercado Livre (27%), 2. Americanas.com (15%), 3. Magazine Luiza (12%), 4. Amazon Brasil (11%) e 5. Casas Bahia (10%).

Entre os setores, há aqueles que são dominados por uma ou duas empresas, como é o caso do mercado de pet, que está concentrado sobretudo na Petz (44%) e Cobasi (35%), e o de joalheria e relógios, dividido entre a Vivara (34%) e Pandora (32%).

Para as marcas com maior lembrança em seus mercados, conforme metodologia do Share of Search, destacam-se a Loja do Mecânico (57%), Imaginarium (44%), Petz (44%), Amazon (40%), Cobasi (35%) e Nike, iFood e Vivara, empatadas nos (34%).

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente


+ Notícias

O e-commerce e as novas redes
Saiba quais são as tendências para o e-commerce de 2022




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS