Testes de Covid tiveram aumento de até 108%, segundo o Procon-RJ

Em operação ocorrida na semana passada, o Procon-RJ identificou um laboratório que cobrava R$ 480 por um teste PCR. Em janeiro, o mesmo laboratório cobrou R$ 230 pelo mesmo exame

Crédito: Unplash

Na semana passada, o  Procon Estadual do Rio de Janeiro divulgou os resultados de uma operação contra o aumento abusivo no preço dos testes de Covid-19 e Influenza. Ao todo, os principais laboratórios foram notificados e 19 farmácias fiscalizadas. A ação aconteceu nos municípios do Rio de Janeiro, São Gonçalo, Niterói e Maricá.

Segundo o órgãos, os primeiros indícios de abusividade no preço dos testes surgiram em outubro de 2021.

O caso mais impressionante foi encontrado em laboratório, que aumentou em 108% o preço do teste da Covid. “O teste PCR que custava R$230 no dia 15 de janeiro foi para R$480 no fim do ano. Já o teste nasal, de R$150 aumentou para R$220”, informa o comunicado do órgão.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Já nas farmácias, o aumento foi menor, porém não menos abusivo. Um estabelecimento situado no Recreio dos Bandeirantes cobrava R$89 pelo teste nasal para detecção de Covid e passou para R$109. As farmácias e os laboratórios que não comprovaram os preços praticados terão 10 dias para apresentar as informações ao Procon-RJ.

“Antes de fazer o exame, é importante realizar uma pesquisa de preços. O mesmo exame, realizado em diferentes locais, pode custar o dobro do valor”, observou o presidente do Procon-RJ, Cássio Coelho.

Sobre o aumento do preço cobrado pelos testes, o presidente do Procon-RJ explica que as farmácias e os laboratórios que aumentaram o preço dos testes sem justificativa – ou que aproveitaram a alta demanda entre o fim do ano passado e início de 2022 – poderão ser multados.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente


+ Notícias

Por que o iMessage da Apple está no centro de uma discussão sobre segregação social?

O que diz o estudo da Senacon sobre a regulamentação do superendividamento?




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS