6 dicas para recolocação profissional na maturidade

Deixar crenças limitantes de lado e valorizar competências e experiências são estratégias importantes para profissionais com mais de 50 anos que querem reingressar no mercado de trabalho

Foto: Shutterstock

Buscar recolocação profissional não é uma missão simples. Além da competitividade – o Brasil já soma mais de 14 milhões de desempregados, segundo dados da Pnad Contínua – é preciso atenção na hora de elaborar um currículo para que ele resuma bem todas as competências dos candidatos e ainda encontrar vagas que correspondam às expectativas de trabalho e salário.

Para quem tem mais de 50 anos, essa pode ser uma tarefa ainda mais enfadonha. É que, além de cumprir com todos os protocolos comuns para quem busca por emprego, é preciso ainda se livrar da pecha de que são profissionais velhos, desatualizados, resistentes às mudanças e inflexíveis.

Leia mais: Geração Baby Boomer, X, Y ou Z: entenda onde você se encaixa

Para se ter uma ideia da dificuldade, em 2020, apenas 51% dos profissionais com idade entre 55 e 59 anos – os baby boomers – estavam empregados. Para driblar este problema, apostar em estratégias que valorizem a experiência e a maturidade é fundamental.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Recolocação profissional na maturidade passa pela
superação de crenças limitantes

Velho demais, resistente demais, inflexível demais, ultrapassado demais. Essas são algumas das crenças limitantes que dificultam a reinserção de profissionais com mais de 50 anos no mercado de trabalho.

E atenção! Não são apenas empregadores que têm essa visão estereotipada: os candidatos também tendem a se autossabotar ao “deixar-se embalar por esses rótulos”.

“É fato que muitos empregadores ainda têm a visão errônea de que este tipo de profissional está desatualizado no que diz respeito às novas tecnologias e processos, têm maior dificuldade de adaptação e, consequentemente, resistência às mudanças, além de acreditarem que não possuem habilidades exigidas atualmente pelo mercado. Porém, é preciso que o candidato tente vencer os estereótipos, mostrando suas habilidades e bagagem de conhecimento e experiência, elementos que são essenciais em empresas bem-sucedidas”, avalia o psicólogo Hugo Capobianco, gerente de unidade de negócio e especialista em carreira na Consultoria LHH.

Além disso, o psicólogo se apoia na longevidade do brasileiro, que segundo o IBGE é de 76,6 anos, para argumentar em favor da produtividade e atividade dos profissionais com mais de 50 anos.

“Às vezes, o próprio profissional se acha “velho” e pensa que não terá oportunidade porque acredita que o mercado só tem espaço para os mais jovens. Recomendo fortemente que não “coloque nas costas” esse fardo”, orienta o especialista em carreira na Consultoria LHH.

Listar todas as realizações conquistadas durante os anos de atuação profissional e relembrar grandes marcos da carreira pode ajudar no entendimento de que a experiência pode, sim, ser valorizada pelas empresas – e que este, inclusive, pode ser um grande diferencial em relação aos concorrentes.

“Um dos maiores erros é não se valorizar! Deixe as crenças limitantes de lado e mostre suas competências-chave, seus resultados nas empresas em que atuou e seu valor agregado. Deixe claro porque deveriam lhe contratar. Tenha um storytelling interessante, que permita articular a sua “venda” para o mercado”, ensina.

Além disso, Hugo Capobianco explica que a concorrência com profissionais mais jovens não deveria causar intimidação, uma vez que o mercado tem espaço para diferentes perfis. “Hoje se discute o conflito de gerações justamente porque tanto os mais jovens quanto os profissionais mais maduros apresentam ótimos perfis. A combinação desses dois “mundos” permite uma excelente oportunidade de atuação dentro de uma empresa. Vamos somar e não excluir!”, pontua o psicólogo.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

6 dicas para recolocação profissional na maturidade

1 – Invista em autoconhecimento

Ter objetivos claros e entender o que falta para conquistá-los é o primeiro passo para a recolocação profissional na maturidade. Por isso, analise onde está, qual sua situação atual e onde quer chegar.

Além disso, tenha clareza sobre quais são suas habilidades e os pontos que precisam ser aprimorados. Neste ponto, vale considerar ainda as necessidades financeiras e pessoais. As reflexões derivadas deste exercício de autoconhecimento são fundamentais para definir qual será seu plano de ação de busca de trabalho.

“Ao refletir sobre suas habilidades, é preciso pensar de maneira ampla, considerando seus hobbies e habilidades que não necessariamente foram as que te trouxeram até aqui. Isso é fundamental para se ter um portfólio de habilidades para ofertar ao mercado”, ensina Hugo Capobianco.

2 – Mantenha-se atualizado

Entender as transformações da área em que você deseja trabalhar, estar atento às movimentações do mercado, às novas tecnologias e inovações é essencial para não ficar para trás e, consequentemente, para o aperfeiçoamento de suas habilidades. Por isso, invista em cursos e estudos e consuma informação relacionada.

3 – Seja flexível

Os modelos de relação entre empresa e profissional sofreram grandes alterações nos últimos anos. Estar aberto a atuar por meio de diferentes vínculos de trabalho, como autônomo, CLT, associado ou Microempreendedor Individual (MEI) é uma posição importante.

“Isso aumenta o leque de oportunidades do candidato e demonstra que ele não é resistente às novas tendências de mercado”, avalia o psicólogo.

4 – Invista no networking

Manter sua rede de relacionamentos aquecida é superimportante para quem busca uma recolocação profissional – independentemente da idade. Por isso, invista em trocas de mensagens, ajude quem busca por informação e até mesmo realize indicação de vagas para outros profissionais. “A rede de contatos é um ambiente de trocas, não pode servir apenas para ‘pedir uma colocação’”, explica o especialista em carreira na Consultoria LHH.

5 – Tenha um currículo claro e assertivo

O currículo é o cartão de visitas do profissional, por isso, ele deve ser um resumo claro e assertivo de suas habilidades e conhecimentos. “Destaque suas habilidades e projetos que esteve à frente e pontue como isso fez diferença para as empresas onde você atuou”, reforça Hugo Capobianco.

Além disso, não se esqueça de colocar em seu currículo e em seu perfil em redes sociais profissionais, como o LinkedIn, por exemplo, suas experiências dos últimos anos e as datas de seus últimos trabalhos.

6 – Conte com um serviço de recolocação

Se você está se sentindo perdido, sem saber de que forma retomar suas atividades profissionais, buscar o apoio e orientação de um profissional especializado em recolocação e transição de carreira pode ajudar muito.

“Com ajuda dele você conseguirá traçar um plano estratégico para conseguir aquela oportunidade que tem sinergia com o seu perfil e de forma mais otimizada. Sem falar que a ajuda de um consultor para lhe preparar para entrevistas de emprego e posicionamento correto nas redes sociais, entre outras coisas, fará com que você saia na frente dos outros candidatos”, destaca o psicólogo.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente


+ Notícias

Produtividade no home office: aplicativos prometem alavancar rendimento

Retorno ao trabalho presencial depende de adaptação dos colaboradores




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS