Home office na Twitch: Streamer Monge Han comenta experiência do coworking digital

Apelidada carinhosamente de ‘monastério’, a comunidade de coworking se reúne de segunda a quinta para trabalhar em conjunto por meio de lives na Twitch

Foto: Reprodução Canal Monge Han

Ao final de 1980, Francesco Cirilo trouxe ao mundo uma estratégia muito difundida e utilizada hoje para gestão de tempo. Trata-se da Técnica Pomodoro, na qual se trabalha por 25 minutos de forma muito focada e, após o período, é necessário tirar cinco minutos de descanso para tomar uma água, ir ao banheiro ou mesmo realizar alguma atividade. Essa prática, muito utilizada por trazer resultados comprovados de aumento de produtividade, foi o que salvou muita gente no home-office — e criou uma gama de transmissões ao vivo (lives) de produtividade na Twitch. Uma delas foi o coworking do canal do ilustrador, quadrinista e streamer Eric Han, conhecido como Monge Han.

 

Criada com presença forte na pandemia, a live começou como um espaço para assistir a criações de desenhos e jogos. Mas, ao final de 2020 — durante a quarentena —, o formato foi quase que inteiramente dedicado à prática do pomodoro, na qual usuários se reúnem no canal e interagem entre si e com o streamer. Nos 25 minutos de trabalho, não há discussões, o microfone do Monge Han fica mutado e há apenas uma música para foco. No tempo de descanso, há uma interação que consiste em conversar e trocar experiências.

Leia mais: Produtividade no home office: aplicativos prometem alavancar rendimento

O principal objetivo das transmissões é tornar o dia a dia de trabalho mais leve e acompanhado. E, para isso, Monge destaca que o primeiro passo foi fortalecer uma comunidade.

“Eu tento pensar em um produto de live interessante para uma comunidade. Eu percebo que por mais que eu tenha seguidores nas redes sociais, é muito difícil ter um contato próximo com as pessoas. E eu sentia falta dessa interação mais próxima. Quando começou a pandemia, e eu fiquei meses sem tatuar e fazendo freela, eu senti uma frieza imensa das mídias sociais”, explica o streamer em entrevista exclusiva à Consumidor Moderno.

“Criando essa comunidade, eu coloquei uma meta, os valores da nossa comunidade, mas são as pessoas que entram e fortalecem, que estão lá todos os dias, isso faz a ‘parada’ ser de verdade. Eu, sozinho, não sou uma comunidade. É mérito de toda essa galera”.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Uma aproximação em um coworking seguro e acolhedor

Monge conta que a ideia de fazer as lives começou em 2018, mas o projeto de coworking usando o pomodoro veio um pouco mais tarde. “Eu queria fazer live em 2018 mais ou menos. Inclusive, acho que deveria ter começado naquela época, mas eu tentei e o meu computador daquele momento não aguentava a barra. A minha ideia inicial era fazer live de desenho, desenhar no photoshop e desenhar com a galera. Na época, eu tinha poucos seguidores no Facebook, não eram muitos, era algo em torno de 10 mil pessoas. Mas era muito difícil converter em público para a Twitch”.

Hoje, com mais de 12 mil seguidores apenas na Twitch, 34,4 mil no Instagram e mais de 60 mil no Twitter, o ilustrador já conta com uma frequência diária de segunda a sexta de cerca de 130 pessoas, que o acompanham durante uma exibição de cinco horas dedicadas ao trabalho em conjunto.

Uma das espectadoras é Giovana Galvão, conhecida pelo nickname de Kkiryu na comunidade. Estudante, Galvão explica que se envolveu tanto com o “monastério” que se tornou moderadora e usa o tempo para agilizar os estudos da faculdade.

“A partir de 2021, quando começamos o esquema de pomodoro, o público cresceu consideravelmente. Essas horinhas diárias me ajudam bastante a colocar as leituras da faculdade em dia e tenho certeza de que ajuda muitas outras pessoas também. Como moderadora de lá, eu fico muito feliz por estar sempre fazendo parte e contribuindo com a comunidade, onde o que mais temos uns pelos outros é respeito! Não somos mais os mesmos de quando começamos, mas continuamos crescendo um pouco todo dia e cada conquista do Monastério me deixa imensamente feliz”, declara.

Monastério

Foto: Reprodução Monastério Gentileza

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Entre os valores da live de coworking, estão gentileza, positividade e desenvolvimento pessoal, tudo com base no respeito. A comunidade, além do espaço das transmissões na Twitch, também conta com um grupo no Discord, chamado Monastério Gentileza. Por lá, é possível além de conversar, compartilhar artes, fotos de pets, oportunidades de emprego, estudos e indicações. Há um espaço dedicado a subscritores do canal — que auxiliam as transmissões com uma assinatura mensal —, com descontos em produtos do artista Monge Han, entre outros benefícios.

Já dizia o ditado: “juntos, somos mais fortes”

Ainda que as transmissões de Monge Han sejam tão importantes para a produtividade durante o home office, não são apenas os usuários que se beneficiam da comunidade. O próprio artista destaca que o espaço o faz muito bem.

“A parte mais legal é que eu sinto que eu tenho um contato mais próximo com as pessoas que seguem meu trabalho e acabo conhecendo elas melhor. Eu não sei explicar, você acaba criando esse carinho pelas pessoas, porque você sempre tem aquela interação na live, de vez em quando elas falam sobre alguma conquista”, explica o streamer.

“Eu não conheço todo mundo totalmente, mas sei que algumas dessas pessoas conseguiram um trabalho novo, estão estudando uma coisa que gostam, que tal pessoa teve uma nova conquista na vida. E eu não conheço essas pessoas pessoalmente, mas você está ali, torcendo por ela. É como aqueles amigos de internet que você realmente tem carinho. Eu fico muito feliz vendo que as pessoas viram amigas umas das outras, porque sendo uma comunidade, isso é muito importante”, acrescenta.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Coworking Monge Han

Foto: Reprodução Canal Monge Han

Mas é claro que conquistar uma comunidade ativa e fazê-la rentável ao streamer não é uma tarefa fácil. Embora nunca tenha pensado em desistir do projeto, Monge destaca que houve momentos difíceis nessa trajetória.

“A parte mais difícil é lidar com a parte técnica. Porque a stream fica te mostrando números o tempo todo e, como criador de conteúdo, sempre que você faz alguma coisa, o intuito é crescer — na mídia mesmo, com mais seguidores, mais engajamento, mais público, mais média de espectadores. É muito difícil só focar e ignorar isso totalmente, você acaba sem querer levando isso em consideração e pode gerar uma ansiedade. É preciso controlar muito a expectativa, porque a parte mais importante de fazer a live, em questão de crescimento, é conseguir manter uma consistência de presença e qualidade”, aponta o ilustrador.

Hoje, as transmissões de Monge Han são fundamentais para a maior parte da comunidade, tanto para encontrar um espaço seguro quanto para comemorar vitórias, consumir produtos juntos e, claro, manter a tão necessária produtividade no trabalho e nos estudos.

Com mais de 400 assinantes, o canal já pensa em novidades. “Como criador de conteúdo, sou uma pessoa que está sempre insatisfeita, desde o começo. Seja em alcance, se preciso melhorar meu trabalho ou pensar em algo mais interessante. Sou bem duro com o meu trabalho e comigo mesmo. Eu quero continuar crescendo como criador de conteúdo, a gente sempre foca em crescimento e tenta descobrir como fazer isso. Hoje em dia, o canal é muito focado em trabalho conjunto porque eu percebi que é o melhor para a comunidade e uma coisa que me ajuda a trabalhar. Eu não sei se esse será o formato final dela, talvez não seja, talvez o pomodoro no futuro seja só um adendo, estou aberto. Mas por enquanto é o que funciona melhor e eu foco bastante nisso”, finaliza.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente


+ Notícias

Entenda como a Jade Picon é o espelho da Geração Z e o que as marcas ganham com isso
Qual será o futuro dos imóveis corporativos? Coworking aparece como boa alternativa




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS