Empresas passam a investir mais em prevenção à fraude como parte da estratégia de negócio

Com a previsão do aumento significativo de ações fraudulentas no curto prazo, empresas têm mostrado cada vez mais intenção em gastar com segurança digital

As fraudes de identidade, em que cibercriminosos se passam por usuários verdadeiros combinando dados fictícios e reais, ocorrem com frequência e geram prejuízos para pessoas e empresas de todo mundo. Para mitigar riscos de golpes, é necessário que instituições de diferentes portes e segmentos combinem tecnologias para reconhecer e autenticar os clientes de acordo com o nível de risco do seu negócio.

Sendo assim, empresas de diversos ramos têm investido cada vez mais em métodos de detecção de fraude para aprimorar as camadas de segurança e oferecer uma melhor experiência para o cliente.

De acordo com a Pesquisa Global Insights 2021 da Experian, 76% das empresas pretendem aumentar o investimento em soluções de prevenção à fraude. O mesmo estudo mostra que 42% dos consumidores estão mais preocupados com a segurança de suas atividades no mundo digital.

“Quando um fraudador toma posse dos dados de um consumidor e uma empresa fornece o produto ou serviço acreditando na identidade do suposto comprador, todos são penalizados. O consumidor passa por um processo exaustivo, pois precisa notificar a empresa de que não foi o responsável pela compra, o que leva tempo e pode afetar seu histórico creditício. Já a empresa arca com um prejuízo financeiro e ainda pode ter sua reputação afetada”, comenta Rafael Garcia, Gerente Executivo de Soluções de Prevenção à Fraude da Serasa Experian.

Além de evitar danos financeiros, as medidas de prevenção à fraude ajudam a melhorar a relação de confiança que os clientes têm com as empresas.

Estratégia de reconhecimento do cliente

Rafael Garcia explica que além de dedicar recursos para contratar soluções de prevenção à fraude, é necessário que as organizações tenham uma estratégia de reconhecimento do cliente. Para isso, é importante combinar métodos de segurança avançados para atender às expectativas do consumidor e para atingir melhores resultados operacionais.
Segundo a pesquisa da Experian, 77% das empresas brasileiras acreditam que a tecnologia ajudou a melhorar a verificação e prevenção à fraude e a análise de risco de crédito dentro da jornada digital do cliente no ano passado.

Atualmente é possível contar com ferramentas que unam tecnologia, dados, inteligência analítica e técnicas de modelagem avançada. O uso de Inteligência Artificial e de Machine Learning, por exemplo, também pode ajudar a melhorar a forma de detectar novos padrões de fraude. Isso é refletido na pesquisa da Experian, que aponta que 23% das empresas globais estão priorizando investimentos em Analytics e Inteligência Artificial.

Rafael Garcia recomenda que as empresas também se atentem para os desafios de combate à fraude enfrentados por instituições de outros países, pois é possível aprender e se preparar para o surgimento de golpes que podem acabar sendo replicados em outras regiões.

“A Serasa Experian, uma empresa global, oferece um conjunto de soluções utilizadas por clientes de diferentes continentes. Aprendemos muito com fraudes em outros países e utilizamos técnicas específicas totalmente adaptadas ao cenário brasileiro e com um enorme diferencial: contamos com a maior base de dados da América Latina”, afirma o executivo.

O investimento em segurança digital se tornou parte da estratégia das empresas e não é considerado algo apartado do negócio.


+ Notícias

Cinco dicas para atrair consumidores para o varejo físico em 2022

Serasa e BRBOTS criam bot de atendimento com foco na necessidade do cliente


 




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS