O caminho do metaverso passa por maior inclusão

As empresas que entram no metaverso estão abrindo caminho para a representação e inclusão em um metaterritório inexplorado

Foto: Shutterstock

Uma lousa em branco no mundo virtual: o metaverso apresenta uma oportunidade de construir o reino digital em um espaço inclusivo usando diversas vozes e perspectivas. Inerente a essa discussão está a diversidade, diretamente relacionada com o conceito de Environmental, Social and Corporate Governance (ESG), muito comentado pelas empresas atualmente.

Contudo, mais do que idealizar estratégias que posicionem a companhia enquanto agente transformador, é preciso agir e mostrar para o que veio. E com o avanço dos investimentos e debates no metaverso, nada melhor do que unir inovação e tecnologia para reparar – ou pelo menos tentar – lacunas sociais, preconceitos, estigmas e estereótipos.

Por isso, a avatarização surge como uma alternativa a ser explorada nesse cenário. Mas isso irá resolver os problemas e tornar o ambiente menos desigual?

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

As consequências e os pontos de atenção
da avatarização no metaverso

Um relatório de 2021 do Institute of Digital Fashion e do Circular Fashion Summit sugere que os avatares digitais não representam com precisão as identidades dos usuários neste momento. My Self, My Avatar, My Identity: Diversity and Inclusivity in Virtual Worlds detalha pesquisas de consumidores digitais sobre suas experiências raciais, de gênero e identidade online.

Os entrevistados de uma pesquisa incluída no relatório mostraram uma consciência particular da sub-representação de mulheres, deficiências e comunidade LGBTQ+: 70% expressaram que a representação de gênero em experiências virtuais era vital para eles e 60% estavam preocupados sobre o aumento do potencial de bullying e discriminação contra pessoas com deficiência nos mundos virtuais.

Como um entrevistado anônimo escreveu: as pessoas com deficiência são definitivamente um grupo social sub-representado em espaços reais e virtuais. Os espaços virtuais podem resolver esse problema lançando uma nova luz sobre vozes sub-representadas e compartilhando informações sobre suas histórias.

Os indivíduos indicaram um acordo quase unânime de que a cor da pele deve ser representada da forma mais diversa possível e as respostas refletiram uma demanda visível por roupas sem gênero no metaverso, de acordo com o relatório. Em última análise, a conclusão do relatório constatou que os consumidores valorizam a importância da escolha.

A conversa floresceu desde o lançamento do relatório. A Virtual Humans, uma plataforma de influenciadores virtuais, ecoou as descobertas do relatório em janeiro deste ano, pois elas se relacionam com o impulso do setor de influenciadores virtuais por advocacia e inclusão.

Além disso, a Vogue Business refletiu sobre as opiniões dos consumidores no relatório em outubro de 2021, destacando um desejo esmagador do consumidor por mais tipos de corpo, identidades de gênero, deficiências e tipos de roupas no metaverso.

Progresso fungível

metaverso

Avatares do estúdio de design digital Daz 3D | Foto: Reprodução

Em 4 de janeiro, o estúdio de design digital Daz 3D criou 8.888 “Non-Fungible People” – avatares criados propositalmente para equilibrar a proeminente influência masculina branca devido à demografia comum de investidores e desenvolvedores.

Os desenvolvedores do Daz 3D notaram uma discrepância entre as vendas do CryptoPunks NFT: avatares femininos ou com tons de pele mais escuros tendem a ser vendidos por menos do que avatares masculinos e brancos, apesar do fato de existirem menos punks femininos para punks masculinos em circulação: 3.840 a 6.039, respectivamente.

A coleção Daz 3D, alternativamente, é centrada em avatares femininos e não binários para equilibrar o domínio masculino branco atualmente predominante nas coleções NFT. Esses avatares, como outros, podem ser importados para jogos populares e personalizados de acordo com os desejos do consumidor.

NFTs: entenda o perfil dos compradores de tokens não fungíveis 

A Door Labs está criando NFTs e jogos centrados em usuários com deficiências. O projeto Wheel Cards consiste em 10.000 cartões digitais Rollie: a primeira coleção de NFTs relacionados a cadeiras de rodas e deficiências no mundo. Os proprietários de cartões Rollie podem ganhar para jogar vários jogos de cadeira de rodas blockchain na Wheel Games. Em breve, os jogos incluirão basquete, corrida e muito mais.

Em setembro, a Meta anunciou que planeja construir o metaverso de forma responsável, colaborativa e com bem-estar, segurança e diversidade em mente. A companhia anunciou novos parceiros de instituições externas em um esforço para orientar substancialmente sua produção com vozes de especialistas de diferentes áreas e origens.

A parceria com Electric South, Women In Immersive Tech, Seoul University, University of Hong Kong, Howard University e National University of Singapore ajudará a Meta a apoiar criadores de histórias digitais, grupos sub-representados, incorporar práticas de segurança e ética, monitorar privacidade e uso de dados, e considerar a história da diversidade em TI, respectivamente.

A diretora de diversidade da Meta, Maxine Williams, disse à Bloomberg que planeja construir o metaverso usando as lições aprendidas com a tecnologia que existe, pois, assim, é possível construir uma nova tecnologia, que ainda não existe.

Por que o tema é relevante?

O CEO da Entertainment Software Association (ESA), Stanley Pierre-Louis, conversou com a GamesBeat em janeiro enfatizando a oportunidade de construir uma base inclusiva no metaverso – uma que amplifique e atraia audiências de todas as idades, raças, identidades de gênero, orientação sexual e cultura. “Parte do que estamos tentando lidar é com o que é o metaverso e como o estamos definindo”, disse.

“Os funcionários estão esperando por isso e as comunidades online estão exigindo. Então, acho que o metaverso tem a oportunidade de ser um reflexo do que queremos que seja, seja diversidade geográfica ou diversidade em várias outras frentes”, continuou Pierre-Louis.

As marcas, entretanto, precisarão ter o cuidado de construir o metaverso com responsabilidade, incorporando diversas opiniões e incluindo vozes representativas para uma base realmente inclusiva no mundo virtual. Mais do que boas intenções, ter atitudes estratégicas é fundamental.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente</span


+ Notícias

Cartilha sobre o metaverso e os principais termos a serem conhecidos

Imersão virtual e ilegal: será que teremos um deep metaverso?




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS