TEMA: "VOCÊ NEM IMAGINA DO QUE WHATSAPP É CAPAZ:
APPS DE MENSAGENS E A VISÃO ÚNICA DO CLIENTE"



SXSW Bites: Nassim Taleb, inovação nas favelas e mais destaques do festival

Confira alguns destaques dos debates deste sábado, 13, o segundo dia do SXSW 2022, realizado em Austin, no Texas

Nassim Taleb é um dos nomes do SXSW 2022 | Foto: Shutterstock

Texas segue hospedando o South by Southwest (SXSW), um dos maiores festivais de inovação do mundo, neste sábado, 12. Com agenda rica em debates culturais, tecnológicos e sobre a experiência do cliente, o evento toma a cidade de Austin e você confere os destaque do segundo dia do evento aqui, na Consumidor Moderno, e nas redes sociais da Netza&COSSISTEMA. Acompanhe a seguir:

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Netza&COSSISTEMA (@netzaecossistema)

Nassim Taleb influencia a inovação aplicada à agenda ESG

Dessas ideias muito fora da caixa que só vemos no SXSW. Nassim Taleb, o trader, filósofo e ensaísta que nos trouxe Cisne Negro e Arriscando a Própria Pele, serviu de inspiração para a criação de um “Radar de Antifragilidade”, uma ferramenta de inovação para ser aplicada à agenda ESG, permitindo a criação de ações efetivas de forma criativa.

Leia mais: Qual o status atual dos objetivos de desenvolvimento sustentável do Brasil?

A base por trás da teoria da antifragilidade é elegante. Segundo Taleb, trata-se de “organismos que melhoram com o dano”, isso quer dizer que não são apenas resilientes, têm a capacidade de se aprimorar a partir dos mais agudos testes de estresse.

Como a agenda ESG demanda uma nova forma de compreensão das atividades corporativas, nas dimensões social, ambiental e de governança, o teste de antifragilidade pode funcionar como uma plataforma de potencialização da inovação.

O Radar de Antifragilidade compreende então 8 dimensões criativas: propósito alinhado com as ações; posicionamento ideológico, claro; regeneração socioambiental, mentalidade digital, interdependência e colaboração, novas conexões criativas, diversidade como potência e prontidão para disrupção.

Sua empresa adotou a tecnologia como pilar estratégico: e a cultura, ficou órfã?

Todas as empresas, de maior ou menor porte, em geral, adotaram a tecnologia como forma de assegurar sua permanência no mercado, ainda mais após a pandemia de covid-19.

Mas a tecnologia, ainda mais em um país como o Brasil, pode criar verdadeiros apartheids digitais, entre regiões, comunidades e no interior das organizações.

A missão é criar ou adaptar a cultura para tornar a tecnologia inclusiva, acessível e disponível para todos, ao mesmo tempo em que o negócio evolui para se tornar mais digital ou phygital.

O SXSW traz várias discussões sobre como uma empresa pode reter talentos, estimular a inovação e a confiança, atuando nos pilares da cultura interna. A sacada aqui foi ver painéis com bastante diversidade, apenas com mulheres de TI, por exemplo. A ideia central – e poderosa – que a tecnologia pode permitir que as pessoas tenham mais voz ativa nas empresas, descentralizando as decisões enquanto estimulam um acesso mais amplo.

 

A inovação nas favelas brasileiras

SXSW 2022

Página Gerando Falcões | Foto: Reprodução

Como assim? As favelas brasileiras ocupando espaço no SXSW e ainda com pegada de inovação? Mais uma prova da incrível criatividade do Made in Brazil.

Edu Lyra, o grande empreendedor por trás da Gerando Falcões (que atua em rede como ecossistema de desenvolvimento social para acelerar impactos transformadores nas favelas brasileiras) conversou com Eco Moliterno, Chief Creative Officer da Accenture Digital Latam para mostrar como inovações sensacionais estão sendo gestadas em algumas das favelas do nosso país, incluindo o Favela 3D, um moonshot maravilhoso que pretende fazer as Favelas mais Dignas, Digitais e Desenvolvidas.

Sim, o trabalho da Gerando Falcões incorpora alta tecnologia, metodologias ágeis e até mesmo ciência de foguete para acabar com a pobreza no Brasil. A Favela X poderá lograr êxito antes de perdermos tempo e dinheiro aterrissando em Marte?

Como os novos comportamentos estão mudando a forma de pensar design?

Com visões diferentes sobre o mundo, comportamentos e o futuro, as empresas Fjord (representada por Nick De La Mare) e Nonfiction Design (representada pelos fundadores Mardis Bagley e Phnam Bagley), da Califórnia, trouxeram um debate interessante para o festival.

O destaque ficou por conta da maneira como as pessoas estão adotando novos hábitos: é o fim do pensamento abundante! E, claro, como não poderia faltar, discutiu-se também os novos espaços criados pelo metaverso, a velocidade das respostas e o cuidado com toda a sua rede de colaboradores, clientes e sociedade.

Startups e grandes empresas felizes para sempre?

No painel “Making Magic: How Startups Work With Large Corporates”, Bonnie Rosen, líder da Disney Accelerator, programa da Walt Disney Company que acelera startups e potencializa a inovação dentro da empresa, trouxe uma visão mágica para o relacionamento entre essas novas companhias e os grandes players de mercado.

Como essas parcerias podem transformar não só os envolvidos, mas todo o segmento? O caminho passa por uma conexão entre líderes, com o desenvolvimento de um business plan bem estruturado. Além disso, a troca de experiências é essencial, assim como a implementação de novas tecnologias.

Uma nova frente contra a Economia da Desinformação

Uma das fundadoras do Sleeping Giants, iniciativa que luta contra a divulgação de notícias falsas e discurso de ódio, Nandini Jammi, se conectou a Claire Atkin, especialista em publicidade digital e brand safety, para criar o Check My Ads Institute, projeto com objetivo de pressionar as marcas, e questionar sobre a publicidade veiculada nesses canais de comunicação para combater a Economia da Desinformação.

Segundo Nandini, “anunciantes vão investir cerca de US$ 700 bilhões em campanhas e uma parte desse dinheiro vai para o bolso dessas operações ligadas à desinformação”. O tema relevante faz uma provocação aos anunciantes: é preciso checar suas campanhas e gerar relatórios mais detalhados sobre elas.

E os vencedores são…

O fim de semana foi de premiação! O SXSW 2022 divulgou os vencedores do “14th SXSW Pitch Event”, realizado todos os anos. Ao todo foram dois dias de competição com 45 empresas participantes divididas em 9 categorias que deveriam apresentar aos jurados uma estratégia clara e objetiva para o futuro do negócio. Entre os destaques, as soluções para problemas como indústria, transporte e saúde através da tecnologia. Veja quem ganhou:

• Artificial Intelligence, Robotics & Voice: Hume AI
• Enterprise & Smart Data: Syrup Tech
• Entertainment, Gaming & Content: Action Face
• Extended Reality & Immersive Technology: MATSUKO
• Future of Work: Anthill
• Health, Wearables & Wellbeing: Sonavi Labs
• Innovative World Technologies: Hilos
• Smart Cities, Transportation & Logistics: JusticeText
• Social & Culture: MOGL
• Best Speed Pitch: Unpacking
• Winner of Diversity, Equity, and Inclusion: Sonavi Labs
• Best in Show: Hilos

Save the date: essa semana tem Mark Zuckerberg
(pelo menos virtualmente)

O fundador e CEO da Meta participará de um painel com o fundador e CEO da marca de roupas, Fubu, ao lado do também CEO do The Shark Group e um dos integrantes do programa “Shark Tank” Daymond John. A pauta? Metaverso! Segundo a organização do evento, o tema do painel será “Into the Metaverse: Creators, Commerce and Connection” e promete trazer novidades sobre a nova tecnologia para os próximos anos.

Não precisa se preocupar, a gente vai separar as informações mais importantes desse bate-papo aqui entre os nossos bites!


+ Notícias

SXSW Bites: confira os destaques do primeiro dia do festival 

A tecnologia e o dilema do século XXI: mais inovação é o mesmo que ter menos segurança?  




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS