Categorias: Experiência

SXSW Bites: Descentralização financeira, narrativa criativa e mais

O SXSW 2022 continua com a sua programação de debates nesta segunda-feira, 14, na cidade de Austin, no Texas, e a Consumidor Moderno, juntamente com a Netza&COSSISTEMA, separa para você os principais insights do evento.

Assine a newsletter da Consumidor Moderno

Future Trends – Uma visão da descentralização financeira

A maneira de usar dinheiro, consumir e investir vai mudar radicalmente. Amy Webb fez a sua tradicional – e sempre incrível – apresentação das tendências de tecnologia do Future Today Institute durante o SXSW 2022.

O report é notável, abrangendo mudança climática, 5G, blockchain, metaverso, logística e biotecnologia, entre outras áreas do conhecimento. Particularmente sobre descentralização financeira, Amy destaca que o dinheiro será “programável”, com aspectos quantificáveis, líquidos e fungíveis.

O Ethereum, segundo o estudo do FTI será o código blockchain dominante, permitindo milhares de aplicações descentralizadas e a plataforma central dos NFTs. Claro, na adoção das moedas digitais, a China assumirá protagonismo com seu e-CNY, dentro e fora do território. O fato é que estamos vendo a aurora de uma nova forma de estabelecer valor, comprar, vender e financiar ativos, bem como toda uma nova sorte de ativos digitais, que vão causar mudanças profundas na forma pela qual nos relacionamos com o dinheiro. Logo, a aposta sobre o Criptoverso, em conjunção com o Metaverso, faz total sentido. Vale ficar de olho.

A queda do muro: marcas têm que tomar partido

O fim do isentismo. A era de marcas e empresas que “preferem não tomar partido” nos grandes assuntos locais, nacionais e globais acabou. O termo “woke” designa as marcas que estão despertando para a realidade e como elas tomam partido sobre causas, ideias e manifestações importantes, desde que alinhadas aos seus valores e, por extensão, aos dos seus clientes.

Durante o SXSW, várias lições sobre esse processo, que promete tirar da inércia empresas de todos os segmentos, como vemos agora durante a invasão da Ucrânia pela Rússia. Enquanto McDonald’s e Unilever boicotam o país, Nestlé e Danone mantém ali suas operações, pois dedicam-se a alimentar o mundo.

Leia mais: Consumo e conflito Rússia e Ucrânia: é hora de valorizar o mercado local?

O público exigindo que as marcas e os anúncios sejam mais inclusivos, representativos e diversos, mas isso não quer dizer fazer campanhas bonitinhas e cheias de elementos calculados. É necessário demonstrar autenticidade e legitimidade para tomar partido, assumir posições e compartilhar valores.

O domínio da narrativa criativa

A Geração Z constitui o agrupamento social mais influente hoje, tanto na esfera das manifestações sociais quanto de consumo. Isso porque ela domina a narrativa. Ela influencia marcas e outras gerações a serem intolerantes com marcas que tomam partido e com a criatividade calculada, que não traz nada além de efeito estético e pouco conteúdo.

Vamos entender, a Geração Z é a primeira nativa digital e ecológica da história. Sua experiência de mundo a torna diferente e demanda que empresas tenham de se adaptar e utilizar a criatividade de formas a manter conexões reais e sólidas com estes consumidores.

O SXSW discutiu muito o poder da narrativa e como as marcas podem desenvolver estratégias eficazes para estabelecer conexões reais com um público que é a personificação do pós-consumidor (tendência que Consumidor Moderno identificou em 2018).

Leia mais: Como as empresas estão agindo diante do comportamento frugal da geração Z

Maayan Gardon, da Maayan Gordon Media e também instituições como a WGSN abordam a evolução da Geração Z e as formas pelas quais as marcas adaptam suas estratégias de marketing para se conectarem autenticamente com esse público. O cerne aqui é a capacidade de autoexpressão. Não por acaso, TikTok hoje é mais relevante para esta geração que o YouTube (estudo da eMarketer mostrou isso há poucos dias).  Quantas marcas têm coragem para assumir esse formato de autoexpressão? É hora de estabelecer uma conexão profundamente emocional e centrada em valores e identidade compartilhados.

Assine a newsletter da Consumidor Moderno


+ Notícias

Nassim Taleb, inovação nas favelas e mais destaques do festival 

SXSW Bites: confira os destaques do primeiro dia do festival

Jacques Meir

Jacques Meir é publicitário e diretor-executivo de Conhecimento do Grupo Padrão

Postagens recentes

O CX do food service: a estratégia de encantamento da Bullguer

Em vez de seguir o caminho da maioria, a hamburgueria conquistou o cliente voltando à…

19 horas ago

A confiança do consumidor brasileiro está voltando a crescer?

Apesar da retração econômica, o consumidor brasileiro nunca comprou tanto do exterior; estudo da PayPal…

3 dias ago

Do Pix ao e-money: presidente do BC indica futuro do dinheiro no Brasil

Roberto Campos Neto encerrou a 32ª edição da FEBRABAN TECH com perspectivas ousadas (e factíveis)…

3 dias ago

Shopee está entre os marketplaces mais acessados do Brasil

Shopee cresce 7% em número de acessos nos seis primeiros meses de 2022; especialista fala…

3 dias ago

Do CRM ao Big Data sem escalas e sem respostas: Onde está a falha?

Especialista aponta cinco pilares para a aplicação eficiente da análise de dados

4 dias ago

Metaverso: uma realidade mais perto do que imaginamos

Os desafios para tornar o metaverso realidade e experiências bem-sucedidas foram o tema de painel…

4 dias ago

Esse website utiliza cookies.

Mais informação