Anywhere office no Brasil: o melhor país do continente para o trabalho remoto

Índice de Trabalho Remoto classifica o Brasil como o mais proveitoso para alinhar o trabalho ao turismo na América Latina e Caribe

Foto: Shutterstock

Se tem algo que ficou em alta durante a pandemia foi a migração do modelo presencial para o trabalho remoto. O home office, que não era nem um pouco comum por aqui, ficou não apenas rotineiro nos dois últimos anos, como também se tornou preferencial para uma parte considerável dos trabalhadores e empresas brasileiros. Isso abriu espaço para uma nova política de trabalho, bem mais atual e flexível, que tem sido proveitosa para ambos os lados.

E os motivos pela preferência do trabalho remoto são vários: economia de tempo, mais contato com amigos e familiares e, quem diria, uma melhora considerável na produtividade das equipes. Além disso, apoiado nos conceitos de Employee Experience (EX), esse novo modelo de trabalho também permitiu a aplicação do anywhere office — o conceito de trabalhar de qualquer lugar —, que também transformou boa parte dos serviços fornecidos pelo setor hoteleiro e revolucionou o turismo no País.

E ao que tudo indica, esse modelo funcionou tão bem por aqui que o Brasil foi considerado o melhor país da América do Sul e Caribe para viajar e trabalhar remotamente em 2022, conforme o Índice de Trabalho Remoto, ranking do KAYAK que revela os estados com as melhores oportunidades de anywhere office.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente 

Os atrativos brasileiros que fizeram sucesso para
o trabalho remoto

Índice de Trabalho Remoto

Fonte: KAYAK

O levantamento do KAYAK aponta que a classificação do ranking foi baseada, sobretudo, em cinco categorias, nas quais o Brasil se mostrou pioneiro e extremamente adaptado para o home e anywhere office no continente sul-americano. São elas: saúde e segurança, infraestrutura para o trabalho remoto, preços locais, vida social e clima.

“Nosso país é rico em belezas naturais, assim como uma vasta biodiversidade e paisagens de tirar o fôlego. Todas essas vantagens destacam o Brasil como um dos escolhidos para quem quer combinar trabalho remoto e viagens de lazer”, afirma Gustavo Vedovato, Country Manager do KAYAK no Brasil.

Leia mais: Anywhere Office: tendência pode impulsionar o setor hoteleiro

Ao todo, a pesquisa analisou 111 países, com base tanto em suas condições para o trabalho remoto quanto em oportunidades de viagens, visando traçar um caminho conjunto que permita a conciliação entre o trabalho remoto e o bem-estar dos trabalhadores.

Os melhores do mundo para o anywhere office

Índice de Trabalho Remoto

Fonte: KAYAK

Em todo o mundo, vale destacar, os países mais propícios para o anywhere office não são exatamente latino-americanos. O ranking mundial é liderado, de acordo com o estudo, por Portugal, Espanha, Romênia, Ilhas Maurício e Japão.

Para Portugal, que recebeu a pontuação final máxima, um dos maiores atrativos é o visto de trabalho remoto. Mas, além dele, há um profundo destaque ao clima favorável — com baixa poluição do ar —, facilidade de comunicação, posto que a população tem alta proficiência em inglês, e a ausência de violência.

A Espanha, segunda colocada, conquistou medalha de prata do ranking sobretudo pela estrutura do trabalho remoto, que conta com uma formidável velocidade de internet e vários espaços personalizados para coworking. Além disso, outro ponto de destaque foi a inclusão e a diversidade com a comunidade LGBTQI+.

Leia mais: Webinar CM: Atendimento experiencial e multicanal no Anywhere Office

Já a Romênia, que ocupa o terceiro lugar no ranking, impressiona pelos preços. Aluguéis, alimentação e transporte são bastante baratos por lá, o que facilita a parte turística do anywhere office. Os romenos, aponta o estudo da KAYAK, também possuem uma internet bem rápida e uma alta taxa de proficiência em inglês.

O Brasil no ranking mundial

Ainda que pioneiro na América do Sul e Caribe, no ranking mundial, o Brasil aparece na 24ª posição. De 0 a 100, o País recebeu 71 como pontuação final, tendo altas médias nas viagens (84) e preços locais (91). As piores pontuações estão relacionadas à saúde e segurança (66) e à estrutura ao trabalho remoto (17) — categoria que conta com um peso mais alto por avaliar a velocidade de download e upload de internet, bem como visto de trabalho remoto e espaços de coworking adequados.

Para o turismo, foram analisados outros setores, tais como acessibilidade, valor médio dos preços de hotel, preços médicos de aluguel de carro e preços de combustível. Já para os preços locais, foram analisados os valores do aluguel mensal e diário, transporte, comida e restaurantes.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente  

Assim, ainda que o País apresente algumas falhas e estruturas não tão propícias, é interessante perceber o quanto o turismo — ironicamente, um dos segmentos mais afetados pela pandemia —, também se transformou a partir das consequências do vírus. O conceito de anywhere office ainda tem muito a oferecer ao setor brasileiro e pode atrair ainda mais visitantes para vários estados do Brasil.


+ Notícias

Trabalho e produtividade: bem-vindo a era “work-from-anywhere” (WFA)

O futuro do atendimento está fora dos escritórios e além do home office




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS