Lições de reinvenção com a marca que se reinventa há mais de 100 anos

World Retail Congress traz bate-papo com Chip Bergh, CEO da Levi’s, uma marca que tem DNA de reinvenção

Foto: Pexels

Uma das sessões mais populares da reunião virtual do World Retail Congress Connected em 2020 foi a entrevista com Chip Bergh, CEO da marca Levi Strauss & Co., considerado um dos 20 CEOs mais influentes do mundo pela revista Fortune. Ele retorna após 18 meses, conversando com Susan Hart, co-líder de Global Retail Pratice da Spencer Stuart para compartilhar seus pensamentos e reflexões sobre como o varejo foi alterado pelas experiências da pandemia e o que ele acredita ser as características mais importantes na mente de seus clientes e funcionários, à medida em que o mundo caminha para uma nova era.

A Levi’s é uma companhia com alma, que veste pessoas de todas as idades, com milhares de lojas no mundo todo e há mais de 100 anos mantém-se firme em uma trajetória de inovação constante. Chip Berg identifica algumas características necessárias para manter uma operação varejista nos trilhos, especialmente nesse período de incertezas: digitalização, sustentabilidade e resiliência para enfrentar as rupturas nas cadeias de valor. Para o CEO da marca, sustentabilidade é um pilar estratégico, juntamente com o uso inteligente da tecnologia, para permitir, por exemplo, redução substancial do consumo de água na fabricação das roupas vendidas nas lojas.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da Consumidor Moderno  

Chip entende que digitalização não significa vender on-line

Significa pensar todos os processos e as atividades todas da companhia. Design, seleção, distribuição, marketing, tudo tem que ser digitalizado para que a empresa consiga competir. Ele destaca também os problemas de ruptura no fornecimento de produtos e matérias-primas para a produção: “resiliência para a logística é essencial. Cada falha no processo de entrega de matérias-primas em uma ponta leva a queda de vendas na outra”, observa.

E como a Levi’s esta se estruturando para enfrentar as mudanças de comportamento dos consumidores, particularmente dos mais jovens? Chip afirma que mesmo que a Levi’s tenha uma marca considerada icônica, construir essa relevância para as novas gerações não é fácil: “temos de pesquisar os interesses e expectativas do consumidor o tempo todo, para saber como viver Levi’s pode ser assimilado pelas novas gerações. Investimos muito em data science, minerando muitos dados, para entender melhor os eu sensibiliza esse consumidor”, comenta.

Leia mais: As tendências do futuro dos negócios, segundo Amy Webb

Uma marca que valoriza a diversidade e a inclusão

Segundo Susan Hart, a Levi’s defende programas de diversidade e inclusão. Para Chip Berg, essa postura que essa é uma forma de humildemente tentar reduzir a desigualdade nos diferentes mercados. O CEO diz, ainda, que diversidade não é um programa, é realmente parte da forma com que a Levi’s trabalha no cotidiano. De modo ousado, Chip Berg afirma que não será lembrado pelos resultados apresentados, mas sim pela forma como os resultados foram conquistados. De que forma a empresa defendeu e apoiou causas e engajou colaboradores para estimular a todos para fazer o melhor trabalho possível.

Chip Berg procura ser um líder inspirador, que faz da humildade e sinceridade instrumentos de conexão com os times. “Liderança, no fim do dia, é sobre fazer cada pessoa dar o seu melhor, o que chamo de habilidade para extrair o melhor de cada pessoa, para levar o que há de mais positivo para a vida de cada cliente e para as comunidades onde estamos presentes”, conclui.


+ Notícias

Timbre e tom: como impactar a experiência do cliente por meio da voz

Inteligência artificial: a dualidade da evolução tecnológica e do poder sobre o consumidor 




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS