Agenda ESG na moda e a democratização do consumo

ESG, moda e consumo: o ideal de se vestir bem agora tem relação com o estilo sem regras ou estereótipos

Foto: Pexels

A moda já foi um segmento popularmente conhecido por perpetuar estereótipos: roupas extremamente caras em modelos magras, combinação praticamente inacessível para grande parte da sociedade.

Fugir desse padrão tantas vezes reforçado por músicas, filmes e livros é interessante. Entretanto, é necessário, além de considerar a representatividade e variedade de corpos, inclusive a da mulher brasileira.

Para pensar fora da caixinha, algumas marcas estão investindo em vertentes que apoiem a sustentabilidade em seus processos produtivos, bem como a democratização do consumo ao ofertar peças que caibam no bolso do consumidor e que vistam bem, seja lá qual for o biotipo. Exemplo disso é a Ashua, marca curve & plus size feminino das Lojas Renner S.A..

Com manequins que vão do 46 ao 54, a proposta de marca da Ashua é oferecer mais estilo e possibilidades ao público-alvo, desenvolvido a partir do diálogo constante com as clientes.

“Desde a construção da marca até os dias de hoje, seguimos em diálogo constante com as clientes em todos os canais de contato, seja a loja física, e-commerce ou redes sociais. São as consumidoras no centro da nossa tomada de decisão (customer centric). Desta forma, a Ashua contribui para o processo de democratização da moda, inspirando e incentivando as mulheres a se aceitarem e explorarem a sua beleza, sem regras”, afirma a companhia.

“Entregamos peças com muita informação de moda, qualidade e preços competitivos, estando sempre próximo da cliente, ouvindo e entendendo o que ela quer, para proporcionar a melhor experiência de compra”, completa.

Leia mais: Como é a experiência de compra do Macho Moda?

ESG e moda

Outro aspecto que está inerente à moda são a educação financeira e os princípios de ESG (environmental, social and corporate governances). No que diz respeito ao segundo elemento da sigla, a Ashua foca na representação da diversidade de corpos e atua em diversos projetos já existentes de sua organização central, as Lojas Renner S.A..

Uma das iniciativas mais recentes é fomento da cultura do consumo consciente com sua participação na coleção cápsula Re Jeans, que trouxe peças jeans feitas a partir de diferentes matérias-primas ou processos de menor impacto, lançada em 2018 e com uma segunda edição em 2021. Para 2022, está prevista nova coleção cápsula Re Jeans.

Além disso, a Ashua disponibiliza peças com o selo Re – Moda Responsável, confeccionadas com matérias-primas, como algodão e viscose responsáveis, fio reciclado, além de processos produtivos com menor uso de água. O Selo Re simboliza o jeito de pensar e praticar a sustentabilidade, identificando as ações afirmativas nesse sentido.

A marca curve & plus size feminino também foi uma peça-chave no projeto da Lojas Renner S.A. que utilizou inovação e tecnologia 3D para o desenvolvimento de manequins físicos projetados a partir do escaneamento de corpos reais. A fase de testes do projeto foi totalmente realizada com um manequim projetado para a Ashua e hoje a marca conta com manequins físicos (2 tamanhos médios) que representam a cópia fiel de um corpo humano, com suas nuances e pequenos detalhes.

As peças já estão homologadas e disponíveis para a cadeia de fornecimento da Ashua e o objetivo é produzir e entregar roupas mais ergonômicas e fiéis ao biotipo das clientes da marca, respeitando a diversidade.

Os manequins representam o refinamento de um trabalho que já é realizado há mais de três anos voltado à pesquisa e ao estudo dos corpos brasileiros – discussão que a Lojas Renner vem, inclusive, liderando no mercado varejista de moda. “Todo esse caminho que a companhia está percorrendo para aperfeiçoar ainda mais o processo de modelagem de suas roupas faz parte de um contínuo investimento para a melhoria da experiência do cliente em todos os pontos de contato. Essa iniciativa contribui para dar ainda mais segurança ao consumidor no momento de realizar suas compras pelos canais on-line”, explica a organização.

Ou seja, ao selecionar o tamanho de uma peça no e-commerce, será possível ter uma dimensão condizente com a realidade de como será o caimento no corpo.

O projeto é uma das entregas do hub de moda digital criado pela Lojas Renner e formado por um time multidisciplinar, com o objetivo de aprimorar a experiência do consumidor através da tecnologia 3D, transformando e preparando o negócio para o futuro.

Moda e expectativas para 2022

Atualmente, a comercialização da moda é omnichannel, tanto que a Ashua conta com nove lojas próprias, distribuídas em três estados brasileiros (São Paulo, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro) e 14 corners, espaços dedicados dentro de lojas da Renner em sete estados (Alagoas, Distrito Federal, Minas Gerais, Pará, Pernambuco, Rio de Janeiro e São Paulo), nos quais as clientes podem conferir os produtos da marca, em coleções cápsula.
Além disso, possui e-commerce, outros canais de vendas digitais e está presente nos marketplaces de grandes varejistas a fim de atender a todas as praças.

“Para este ano, a rede pretende consolidar cada vez mais sua presença e atuação de mercado, assim como ampliar o número de unidades físicas (previsão de cinco), fazer parte de outros marketplaces e compor iniciativas semelhantes ao Trama Lab, espaço no Shopping Villalobos, em São Paulo, que traz inovação e experiência a partir de uma trama de marcas que estão movimentando o mercado online & offline. A marca é uma das integrantes do Trama Lab desde janeiro de 2022”, finaliza as Lojas Renner S.A..

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente 


+ Notícias

A ascensão de uma nova agenda social e sua conexão com os varejistas 

Concorrência no e-commerce: 6 tendências que players do mercado estão apostando 




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS